21 de set de 2018

Atentado, perguntas sem respostas


A investigação sobre o atentado contra o candidato Jair Bolsonaro tem gerado mais desconfianças do que esclarecimentos junto à população. Duas semanas após o ocorrido, a única informação prestada pelas autoridades é a de que a investigação foi desdobrada em duas partes. Uma delas, seria a primeira fase, a do atentado em si, outra, posterior, que investigará a existência ou não de mandantes.

O fato concreto é que a demora no esclarecimento dos fatos, somada a veiculação de informações pontuais pela imprensa, provoca uma série de questionamentos. O primeiro deles é qual é o critério, ou interesse, em separar o processo de investigação em duas partes? Diante da tensão política reinante, não seria aconselhável dar celeridade ao conjunto da investigação?

Qual a explicação para a existência de registros de entrada de Adélio nas dependências da Câmara dos Deputados no dia do atentado – 6 de setembro – divulgada apenas hoje, pela imprensa? Por que a Câmara dos Deputados havia informado anteriormente sua presença na instituição apenas em 2013? Qual a origem do registro, quando foi realizado no sistema da Casa, com documentos de identidade? O que o presidente da Câmara dos Deputados tem a dizer sobre isso?

Também, por que o chefe da segurança da equipe da Polícia Federal não se encontrava no dia do atentado, em Juiz de Fora, comandando a proteção ao candidato? Por que os policiais não usavam rádio, que consideram mais adequado, para coordenar as ações de segurança? E, ainda, por que o ausente chefe da segurança da PF foi afastado, sem maiores explicações?

É fato que a arma foi encontrada embaixo da barraca de um comerciante, por indicação de um popular em meio à multidão à PM? Como o esfaqueador teria “chutado” a arma para a tal barraca, se foi usada em meio aos manifestantes, e ele foi preso pela PF na hora? É procedente a informação divulgada pela mídia de que a faca encontrada estava “ensaguentada”?.

O que explica o autor do atentado, sem ou com poucos recursos, ter a posse de um cartão de crédito internacional do banco Itaú? Qual a explicação do banco Itaú para a situação, considerando que cartões internacionais não são de uso comum? A informação de que Adélio tinha, ou tem, um passaporte procede? Ele o utilizou alguma vez?

O esclarecimento dos fatos é fundamental para que não paire qualquer dúvida sobre a autoria e a intenção do atentado. Autoridades militares já insinuaram que a repercussão do atentado poderia levar candidatos a questionar o resultado eleitoral. Assim, qualquer tentativa de postergação, manipulação de fatos ou exploração midiática apenas agravará a desconfiança da sociedade.

Fernando Rosa
No Senhor X



Há ineficiência ou má fé da PF na prorrogação do inquérito sobre Bolsonaro


Depois de falhar na proteção que devia oferecer com seus 21 agentes ao candidato Jair Bolsonaro (PSL), e se estender de forma demasiada nas investigações para descobrir as reais motivações para a agressão à faca sofrida pelo ex-capitão durante passeata em Juiz de Fora, a Polícia Federal volta a dar provas da sua ineficiência – ou má fé – ao pedir a prorrogação das investigações para elucidação de um crime cujo principal suspeito foi preso em flagrante, minutos depois de consumar a agressão.

Ao prorrogar por mais 15 dias as investigações, a PF marca a divulgação do resultado do seu inquérito exatamente para as vésperas da eleição que tem por vítima exatamente o líder das pesquisas. E que já se beneficiou do atentado como deixa claro seu crescimento nas pesquisas, em razão da cobertura da mídia que noticia a evolução do seu quadro clínico desde os primeiros momentos do atentado.

Resta saber a quem pretende servir a PF, ao marcar para as vésperas da eleição a conclusão do inquérito. Como se recorda, nas eleições de 1989, procurou-se vincular ao PT o sequestro do empresário Abílio Dinis, então dono do grupo Pão de Açúcar. Presos no cativeiro de Diniz usando camisas da campanha de Lula, os envolvidos no sequestro do empresário disseram depois que a Polícia os obrigou a vestir as roupas.

Até mesmo teses acadêmicas já provaram que ao ser relacionado ao PT e desmentido logo após a eleição, a cobertura pela mídia (O Globo, Estadão, O Globo, Veja, Tv Globo etc.) do sequestro de Abílio Diniz pode ter sido decisiva para o resultado do segundo turno da eleição, que deu a vitória de Fernando Collor sobre Lula.

Sempre às vésperas de eleição arranja-se um fato para vinculá-lo ao PT. No início da semana, insinuou-se por vias transversas que o dinheiro apreendido pela Polícia Federal no aeroporto de Guarulhos na bagagem do vice-presidente da Guiné Equatorial seria destinado à campanha de Fernando Haddad.

No domingo passado, em entrevista ao Estadão, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, justificou o crescimento da candidatura de Bolsonaro nos quarteis “porque ele procura se identificar com as questões que são caras às Forças Armadas”.

Essas questões com que se identificam Bolsonaro e os militares não são diversas das que fizeram da Polícia Federal linha auxiliar dos órgãos de repressão da ditadura militar (1964-1985).

Isso faz com que esse papel de polícia política, que voltou a contaminar a Polícia Federal no episódio do ex-reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, que levado à morte depois de preso sem provas e afastado de suas funções da UFSC, seguida da perseguição que faz ao corpo docente da instituição, torna questionável as intenções da PF ao marcar para a véspera do pleito presidencial a conclusão do seu inquérito sobre o atentado a Jair Bolsonaro.

Geraldo Seabra
No DCM



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.