13 de ago de 2018

PF diz que tipo de protesto é permitido e que tipo não é?

Há um ponto da entrevista do diretor da PF que merece atenção, além da narrativa sobre a prisão de Lula (incluindo a não soltura após a decisão do plantonista), que comprova mais uma vez a animosidade brutal do juiz Sérgio Moro contra aquele que ele deveria julgar de forma “imparcial”.

É quando Galloro defende as ações de intimidação que estão ocorrendo contra quem protesta contra a morte do reitor Luiz Carlos Cancellier, vítima de abuso de autoridade da PF.

Ele explica que não quer impedir o protesto. Todo mundo pode protestar, desde que não explique contra quem e por quê.

As palavras dele: “Tem outros meios de protestar que não acusar uma autoridade de abuso”.

Mas… e quando o protesto é contra abuso de autoridade?

Tudo no caso, da injustificável operação espetaculosa na UFSC ao relatório final do inquérito, que expõe a total indigência da investigação, aponta: foi abuso de autoridade, sim. E o comportamento da PF, recusando responsabilidade, negando-se a apurar o caso, protegendo os culpados e intimidando os críticos, é simplesmente criminoso.

E fica a pergunta: com qual direito a PF diz que tipo de protesto é permitido e que tipo não é?

Resposta: no Brasil de hoje, em que a Constituição foi passada no triturador de papéis, ´o “direito” é o grito do mais forte.

Luís Felipe Miguel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.