23 de ago de 2018

Missão ameaçada

A ação dos interventores no estado do Rio ainda não está entendida pela população, por falta de informações sobre objetivos e métodos, e a intervenção entra em nova fase sob críticas e rejeição ampliadas.

As mortes de soldados do Exército em incursões nas favelas, nesta semana, estão vistas como frustrante reprodução da tática de mortandade mútua de criminosos e policiais.

Avaliar a ação interventora até aqui é arriscado, dada a possibilidade de avanços não conhecidos.

Trabalho há; novidade, não. Daí o novo aspecto negativo que a intervenção traz, implícito na recusa dos militares de estender sua ação além de dezembro, como informado ao repórter Rubens Valente pelo ministro Raul Jungmann.

Qualquer intervenção representa, por si só, a desqualificação do preexistente. Ao que a intervenção vem acrescentando transformações, ainda em processando, no sistema dito de segurança e nos quadros policiais.

O pouco que se sabe indica não se tratar de meta atingível em poucos meses. Logo, se não houver redução duradoura da criminalidade e a reforma das polícias não se completar até dezembro, a intervenção militar deixará a segurança pública em condições piores do que encontrou: o velho sistema aos pedaços e o novo interrompido. Com a criminalidade na desenvoltura habitual.

"Missão cumprida" era uma expressão de que os militares gostavam muito.

Janio de Freitas
No fAlha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.