6 de ago de 2018

É grande a chance de o presidente ser paulista com vice do RS

Sakamoto: Haddad e Manuela? Santo e Relho? Bolsonaro e Mourão?


O Conversa Afiada reproduz artigo do Blog de Leonardo Sakamoto:

O que as duplas Fernando Haddad e Manuela D´Ávila, Geraldo Alckmin e Ana Amélia e Jair Bolsonaro e Antônio Mourão têm em comum? Todas são formadas por uma cabeça de chapa de São Paulo e uma vice do Rio Grande do Sul.

O PT anunciou Fernando Haddad como vice de Lula neste domingo (5). Quando a candidatura do ex-presidente for impugnada pela Justiça, o ex-prefeito deve assumir a cabeça da chapa e Manuela D'Ávila (PC do B) concorrerá como vice de fato.

Até lá, a coalizão, que também inclui o PROS e o PCO quer bombar a imagem de Lula com vídeos já gravados, tentando transferir o máximo de votos ao plano B. Caso a Justiça não permita que o ex-presidente apareça como candidato na propaganda, ele ainda pode ocupar até 25% do tempo do programa e das inserções como cabo eleitoral, de acordo com o artigo 54 da Lei das Eleições.

Das 13 candidaturas à Presidência, seis devem ser encabeçadas por paulistas. Os outros são Ciro Gomes (não, ele não é cearense, mas conterrâneo de Alckmin, de Pindamonhangaba – sua vice, Kátia Abreu, é goiana), Guilherme Boulos (Sônia Guajajara é maranhense) e Álvaro Dias (Paulo Rabello de Castro é carioca).

A coincidência na montagem das três chapas citadas no início param na repetição SP/RS, contudo.

Fernando Haddad e Manuela D'Ávila foram a costura possível da chamada unidade da esquerda que tentou ser montada pelo PT, tendo ele próprio à frente, claro. Ciro (que não toparia ser vice) e Boulos (que, mais do que uma candidatura, quer construir um projeto de esquerda) vão seguir caminhos próprios. A coalizão espera que a sombra de Lula garanta os votos do Nordeste à virtual chapa do Sudeste e Sul. Ele tem 55 anos e ela, quase 37, contrastando com os 72 de Lula. Devem chamar para si a ideia de renovação.

Geraldo Alckmin (PSDB), por sua vez, foi buscar Ana Amélia (PP), uma senadora gaúcha e respeitada pelos conservadores, para recuperar parte dos tradicionais votos tucanos, principalmente na região Sul, que revoaram para Bolsonaro. Ao não buscar um vice do Nordeste, onde sua intenção de voto é baixa, Alckmin deixa claro que seu adversário no primeiro turno é o ex-capitão do Exército. A dupla tem 65 e 73 anos, respectivamente. Ou seja, o discurso deve ser o oposto, o da experiência.

E o general Mourão (PRTB) não foi a primeira opção de Jair Bolsonaro (PSL) para a vaga de vice. Mas a opção possível depois que não conseguiu fechar com o senador Magno Malta (PR), com o general da reserva Augusto Heleno (PRP) e com a professora e advogada Janaína Paschoal. Outros cotados, o herdeiro da família imperial Luiz Philippe de Orleans e Bragança e o astronauta Marcos Pontes acabaram de fora. Bolsonaro tem 63 anos e Mourão, quase 65. A chapa não conta com experiência em cargos executivos.

O candidato militar à vice-presidência, desde cedo, se colocou à disposição para a tarefa. Mas o presidente do PRTB, Levy Fidelix, precisava retirar sua tradicional candidatura antes. E, com isso, chegamos à informação mais relevante deste texto: não teremos, nesta eleição, o Aerotrem na propaganda presidencial. Uma pena.

[N.E. CTL: Do MDB, Henrique Meirelles é de Goiás; o vice, Germano Rigotto, é do Rio Grande do Sul]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.