29 de ago de 2018

Bolsonaro usa JN de escada


Valendo-se do senso comum, o candidato janta os apresentadores do Jornal Nacional.








O candidato Jair Bolsonaro tem se mostrado muito mais inteligente e preparado do que se imaginava nas vezes que tem enfrentado jornalistas. Foi assim na GloboNews, quando “jantou” nove deles de forma tranquila e falando a língua do povo.

Desta vez, Bolsonaro estava visivelmente mais nervoso e com um discurso um pouco acima do tom, mas isso não foi suficiente para que perdesse votos na opinião do blogueiro. Bolsonaro pode ter aumentado sua rejeição, mas não diminuiu seu apoio.

E fundamentalmente porque ele mostrou coragem para ir para cima dos apresentadores nos momentos que foi desafiado. O primeiro momento de tensão se deu quando Renata Vasconcelos cobrou-lhe ter justificado a diferença entre salários de homens e mulheres. Ele disse que ela não falava a verdade e retrucou dizendo que ela também devia ganhar menos que Bonner. Foi uma evidente grosseria, mas que deve ter feito os homens que o apoiam ter vibrado. Ao mesmo tempo aumentou sua rejeição entre mulheres. Quando Renata Vasconcelos disse que ela pagava os salários dele como cidadã e ele não fazia o mesmo em relação ao salário dela, Bolsonaro teve a coragem de dizer no JN que a Globo recebe imensas verbas públicas de governos.

No momento em que foi confrontado com uma declaração bizarra sobre segurança pública, em que havia dito que violência se combate com mais violência, ele fez o mesmo. Foi para cima de Bonner citando armas cada vez mais poderosas e dizendo que iria armar sim a polícia. É tudo o que seu eleitorado quer ouvir.

Ao final, Bonner ainda tentou a última cartada dizendo que o General Mourão havia dito que se fosse necessário as Forças Armadas deveriam intervir para garantir a ordem. Bolsonaro não se fez de rogado e disse que era isso mesmo. Que em 1964 isso já havia ocorrido e Roberto Marinho tinha apoiado. E começou a citar de cor o editorial de O Globo defendendo o golpe militar.

Bolsonaro não perdeu um voto. Pode não ter ganhado. Mas só de ter enfrentado a Globo e seus apresentadores da forma como o fez, ampliou sua imagem de mito para o seu público.



Depois de sabatina no JN, Bolsonaro grava vídeo com Magno Malta atacando “pedofilia” na Globo e “ideologia de gênero”



Pedro Zambarda de Araujo



Bolsonaro enfia Roberto Marinho na goela do Bonner/Kamel

A verdade é dura: a Globo apoiou a ditadura!

Quá, quá, quá!

Bolsonaro desmontou o democrata Bonner/Kamel ao tratar do Golpe de 64 que a Globo apoiou como o de 2016:
No início da entrevista, Renata lembrou que a Globo não vai entrevistar Lula, apesar de ele liderar as pesquisas.

Bolsonaro se vangloriou por não estar na Lava Jato.

Bonner interrompeu Bolsonaro logo no começo, quando ele tentava dizer por que a família Bolsonaro seria diferente das outras que também vivem na política.

Bolsonaro atacou a pejotização da Globo (foi quando o Bonner resolveu falar de Economia).

Disse que seus filhos são eleitos porque o povo quer.

Bonner lembrou que Bolsonaro pode virar refém do Paulo Guedes, já que não entende de economia.

Bolsonaro disse que confia em Guedes.

E que não estará preso a indicações políticas.

E se Guedes desse um ultimato?

Bolsonaro disse que é como um casamento. Se acontecer a separação, deverá lidar com isso.

Bolsonaro deu uma indireta: "quando nos casamos, Bonner, prometemos fidelidade eterna às nossas esposas. Mas acontecem coisas no caminho..."

Renata perguntou sobre desigualdade de gênero. E sobre as mulheres receberem muito menos que os homens.

Aí, Bolsonaro foi pra cima da Renata e disse que ela não ouviu isso.

Bonner tentou intervir, mas Bolsonaro também levantou a voz.

Bolsonaro disse que as mulheres é que têm responsabilidade de oferecer denúncia. E aí o Ministério Público do Trabalho teria que interferir.

Bolsonaro provocou e disse que Renata provavelmente recebe menos que Bonner, mesmo exercendo funções parecidas.

Renata se irritou e disse que jamais aceitaria receber um salário menor que o de um homem que desempenha as mesmas funções.

Bolsonaro lembrou que a Globo recebe bilhões de propaganda do Governo.

E disse que não fará nada para resolver a desigualdade salarial, porque a solução já está na CLT.

Bonner volta a falar de emprego.

Bolsonaro disse que é preciso ter menos direitos trabalhistas para ter mais empregos.

Bonner lembrou que Bolsonaro votou contra a PEC das Domésticas.

E Bolsonaro se vangloriou de ser o único a ter votado contra nos dois turnos.

E disse que muitas mulheres perderam empregos por EXCESSO de direitos.

E a homofobia?

Renata lembrou da enorme violência contra a população LGBT.

Bolsonaro voltou a falar do tal "kit gay".

E voltou a gritar.

Tentou mostrar um livro, expondo crianças, mesmo sendo proibido.

Ele não falou da violência contra os LGBTs.

"Um pai não quer chegar em casa e encontrar um filho brincando de boneca por influência da escola".

Na segurança pública, "violência se combate com mais violência"?

"Se o bandido tem uma .50, tem que ter um tanque de guerra do lado de cá".

E como evitar as balas perdidas, Bolsonaro, já que o senhor prega ainda mais violência?

"Não vamos botar o policial para invadir as comunidades".

E gritou, de novo, para dizer que bandidos armados têm de ser abatidos, mesmo com o risco de atingir outras pessoas.

Bolsonaro voltou a dizer que em 1964 os militares foram ELEITOS Presidentes da República por 5 mandatos.

Bonner diz que os livros sérios tratam 64 como um Golpe.

E perguntou sobre a declaração do Mourão de que os militares vão "impor uma solução".

Bolsonaro: "eu fico com Roberto Marinho, que declarou em outubro de 64: "participamos da revolução democrática de 1964, identificados com os anseios nacionais, ameaçados pela radicalização ideológica, distúrbios sociais e corrupção generalizada. Marinho era um ditador?"

Bonner se irritou e lembrou que O Globo já publicou editorial pedindo desculpas.
Em tempo: chupa, Kamel! Chuuupa!

No CAf

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.