3 de ago de 2018

Após "Roda Viva", Bolsonaro tem queda em todos os cenários e aumento de rejeição, diz pesquisa


Na semana em que foi sabatinado no programa Roda Viva, da TV Cultura, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) viu suas intenções de voto na pesquisa espontânea consolidarem uma tendência de alta iniciada em junho. Segundo levantamento XP/Ipespe, realizado entre 30 de julho e 1º de agosto, Bolsonaro agora tem 17% das intenções de voto quando não são apresentados nomes de candidatos aos eleitores. Por outro lado, o parlamentar oscilou negativamente, dentro da margem de erro, em todos os cenários estimulados de primeiro turno testados. Bolsonaro também viu sua rejeição chegar a 57%, o maior patamar já registrado. O estudo está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pelo código BR-06820/2018 e tem margem máxima de erro de 3,2 pontos percentuais, para cima ou para baixo.

Segundo o levantamento, Bolsonaro tem entre 19% e 22% das intenções de voto nos cenários estimulados de primeiro turno testados, com vantagem de até 11 pontos percentuais sobre adversários

Segundo o levantamento, Bolsonaro tem entre 19% e 22% das intenções de voto nos cenários estimulados de primeiro turno testados. Tal patamar confere ao deputado a liderança em todas as situações em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não é apresentado como candidato. A vantagem do parlamentar em relação aos adversários chega a ser de 11 pontos percentuais nas simulações mais favoráveis à sua candidatura. A pesquisa também mostrou Lula com 31% no único cenário que considera sua candidatura. É o maior patamar já registrado pelo petista da série, iniciada em 15 de maio.

A pesquisa também mostrou que o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) manteve seu maior patamar, de 10% em duas das quatro simulações de primeiro turno, alcançado uma semana atrás, quando os partidos do chamado "blocão" (DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade) formalizaram aliança com a candidatura tucana. Excluindo a simulação que considera a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (tida como improvável), Alckmin ocupa a segunda posição no primeiro turno em todos os demais cenários, tecnicamente empatado com outros candidatos, mas numericamente atrás da ex-senadora Marina Silva (Rede). Assim como na última sondagem, não há mais cenário em que o tucano aparece numericamente atrás de Ciro Gomes (PDT).

O levantamento XP/Ipespe também mostra a manutenção de taxa elevada do grupo de brancos, nulos e indecisos. Na pesquisa espontânea, eles somam 62% dos eleitores. Nos cenários estimulados, esse percentual varia entre 18% (com Lula candidato) e 35% (sem candidato apresentado pelo PT). Tais dados reforçam o quadro de indefinição na corrida presidencial a pouco mais de dois meses do primeiro turno.

Com os resultados dos cenários estimulados, se a eleição fosse hoje, não seria possível cravar quem seria o adversário de Bolsonaro em eventual disputa de segundo turno (apesar do bom desempenho, o militar da reserva não é presença garantida na disputa final). No cenário mais indefinido e que possivelmente melhor projeta a largada da corrida presidencial, quatro candidatos aparecem tecnicamente empatados: Marina Silva, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e Fernando Haddad, mediante apoio de Lula. O ex-prefeito de São Paulo salta do patamar de 2% das intenções de voto para 13% com a simples inclusão da informação de que seria o nome apoiado por Lula, em um exercício que testa o poder de transferência de votos do ex-presidente. Preso há quase quatro meses após condenação em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente tem chances minoritárias de firmar candidatura, em função de obstáculos na Lei da Ficha Limpa.

Confira os cenários de primeiro turno testados pela pesquisa:

Pesquisa espontânea: sem apresentação de nome dos candidatos

ipespe0308

Cenário 1: sem candidato do PT

ipespe0308b

Cenário 2: com Fernando Haddad candidato pelo PT

ipespe0308c

Cenário 3: com Lula candidato

ipespe0308d

Cenário 4: com Fernando Haddad, "apoiado por Lula"

ipespe0308e

Segundo turno

Foram testadas sete situações de segundo turno. Em eventual disputa entre Alckmin e Haddad, o tucano venceria por 34% a 23%, com 43% de brancos, nulos e indecisos. A diferença chegou a ser de 16 pontos percentuais a favor do candidato do PSDB em três semanas.

Em uma simulação de disputa entre Lula e Bolsonaro, o petista aparece à frente, com 41% das intenções de voto contra 33% do parlamentar, acima do limite máximo de margem de erro de ambos, e com 26% de brancos, nulos e indecisos. Uma semana atrás, a vantagem era de 6 pontos, o que configurava empate técnico. No início da série histórica, o deputado aparecia 2 pontos à frente, também em situação de empate técnico, já que, pela margem de erro (3,2 p.p.), o petista poderia até superá-lo.

Caso Bolsonaro e Alckmin se enfrentassem, a situação seria de empate técnico, com o deputado numericamente à frente por placar de 34% a 33%. Brancos, nulos e indecisos somam 33%. A diferença entre os candidatos chegou a ser de 7 pontos percentuais na quarta semana de maio. Em nenhum momento até aqui o tucano liderou a disputa.

Em eventual disputa entre Marina Silva e Bolsonaro, o cenário também é de empate técnico, com a ex-senadora numericamente à frente por 37% a 32%. É a maior diferença já registrada a favor da ex-senadora. Brancos, nulos e indecisos somam 31%. O deputado esteve numericamente à frente nos dois primeiros levantamentos da série, realizados na terceira e quarta semanas de maio, quando a diferença chegou a ser de 6 pontos percentuais a seu favor, também dentro do limite da soma das margens de erro de ambos os candidatos.

Empate técnico também é observado na simulação de disputa entre Alckmin e Ciro, com o tucano numericamente à frente por 32% a 29%. Uma semana atrás o tucano contava com vantagem de 5 pontos percentuais, dentro do limite das margens de erro. Brancos, nulos e indecisos agora somam 39%. Na última semana de junho, os dois apareciam com 32% das intenções de voto cada. Já na primeira semana daquele mês, o pedetista esteve numericamente à frente por diferença de 3 pontos.

Se Bolsonaro e Ciro se enfrentassem em uma disputa de segundo turno, o cenário também seria de empate técnico, como nas últimas oito semanas, com o parlamentar numericamente à frente, com 33% das intenções de voto contra 32% do pedetista. Brancos, nulos e indecisos somam 35%. Nos dois primeiros levantamentos, o deputado vencia a disputa com diferença superior à soma das margens de erro dos candidatos.

A pesquisa também simulou disputa de segundo turno entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. Neste cenário, o parlamentar venceria por 37% a 28% das intenções de voto. O grupo dos "não voto" soma 35%.

Rejeição aos candidatos

A pesquisa também perguntou aos entrevistados sobre os candidatos em que não votariam sob nenhuma hipótese. O líder em rejeição continua sendo Lula, com taxa de 61%, tecnicamente empatado com cinco outros possíveis candidatos: Jair Bolsonaro (57%) Ciro Gomes (61%), Geraldo Alckmin (60%), Marina Silva (59%) e Fernando Haddad (58%). No caso de Ciro e Bolsonaro, o patamar registrado nesta semana é o maior da série histórica de cada um. A trajetória dos principais nomes nas últimas sete pesquisas está na tabela abaixo:

CANDIDATO DE 18 A 20/06 DE 25 A 27/06 DE 02 A 04/07 DE 09 A 11/07 DE 16 A 18/07 DE 23 A 25/07 DE 30/07 A 01/08
Lula 60% 61% 62% 61% 60% 60% 61%
Jair Bolsonaro 53% 52% 52% 54% 53% 55% 57%
Marina Silva 60% 57% 58% 58% 57% 59% 59%
Ciro Gomes 60% 59% 59% 60% 59% 58% 61%
Geraldo Alckmin 60% 59% 59% 59% 58% 58% 60%
Álvaro Dias 45% 48% 48% 47% 47% 48% 47%
Fernando Haddad 58% 58% 57% 57% 56% 59% 58%
Fonte: XP/Ipespe

Metodologia

A pesquisa XP/Ipespe foi feita por telefone, entre os dias 30 de julho e 1º de agosto, e ouviu 1.000 entrevistados em todas as regiões do país. Os questionários foram aplicados "ao vivo" por entrevistadores (com aleatoriedade na leitura dos nomes dos candidatos nas perguntas estimuladas) e submetidos a fiscalização posterior em 20% dos casos para verificação das respostas. A amostra representa a totalidade dos eleitores brasileiros com acesso à rede telefônica fixa (na residência ou trabalho) e a telefone celular, sob critérios de estratificação por sexo, idade, nível de escolaridade, renda familiar etc.

O intervalo de confiança é de 95,45%, o que significa que, se o questionário fosse aplicado mais de uma vez no mesmo período e sob mesmas condições, esta seria a chance de o resultado se repetir dentro da margem de erro máxima, estabelecida em 3,2 pontos percentuais. O levantamento está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pelo código BR-06820/2018 e teve custo de R$ 30.000,00.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.