27 de ago de 2018

Amoêdo, candidato do Novo, é tão bancário quanto o presidente da Ford é metalúrgico


Não quero me tornar monotemático, mas tem um negócio interessante no site da candidatura do Amoêdo. Tem uma página lá intitulada “mitos e verdades”, o que já é significativo – não acho que ele tenha tanta importância, a ponto de surgirem “mitos” sobre ele. Esse negócio de “mito” deve ser um ato falho, fruto do desejo de ser um Bolsonaro.

A maior parte da página está em forma de perguntas e resposta. Uma pergunta é: “João é banqueiro?” Esclareço que “João” é a alcunha que os marqueteiros dele inventaram na tentativa de torná-lo popular. A resposta é curta: “João nunca foi banqueiro, mas sim bancário. Começou como estagiário e, com muito trabalho e dedicação, foi crescendo nas empresas por onde passou. Atualmente dedica todo seu tempo ao [partido] Novo”.

É uma resposta digna de nota, por pelo menos dois motivos. Primeiro, é mentirosa. Amoêdo é tão bancário quanto o presidente da Ford é metalúrgico. Ele fez sua carreira como executivo do setor financeiro. Seria banqueiro mesmo que não fosse acionista dos bancos – e, na verdade, tornou-se grande acionista. Afinal, sua posição objetivamente estava na defesa dos interesses do capital contra o trabalho. Numa negociação sobre salário e condições de trabalho dos bancários, de que lado “João” sentava?

Há um vídeo – que um militante do Novo fez a gentileza de mandar para mim, acompanhado de alguns impropérios – em que Amoêdo imerge ainda mais no falseamento da verdade. Além de repetir que não era banqueiro, mas bancário, ele diz que nunca foi do Itaú. “Eu trabalhava numa financeira que foi comprada pelo Itaú e quando isso aconteceu eu tive que sair, fiquei desempregado. Depois eu estava no conselho de administração do Unibanco, o Itaú veio, fez uma fusão com o banco, e eu também tive que sair”. Uma vítima do Itaú, na verdade! Ele não diz que não foi apenas membro do conselho de administração e sim vice-presidente do Unibanco. Mas, sobretudo, não diz que após a fusão tornou-se integrante do conselho de administração do Itaú BBA, um dos braços da nova empresa. É quase como dizer “não tenho nada a ver com a Unilever, eu trabalho é na Kibon”. Ele deixou o cargo no Itaú BBA para se dedicar a uma nova função corporativa: o partido Novo.

O segundo motivo que torna interessante a resposta é o subtexto ideológico. Amoêdo se apresenta como a prova viva da tal “meritocracia”. Com “trabalho e dedicação”, qualquer estagiário do Itaú (que deve receber em torno de 1,5 mil mensais) pode amealhar uma fortuna de 450 milhões de reais, vestir uma fantasia alaranjada e custear sua própria candidatura à presidência. Não conseguiu, está pendurado no cheque especial e devendo pro próprio empregador? Culpa dele. Certamente faltaram esforço e mérito.

O nome do partido é novo, mas a mentira e a mistificação são bem velhas.

Luis Felipe Miguel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.