25 de ago de 2018

A ascensão de Lula é a desmoralização da mídia e do Judiciário


É razoável supor que há, dentre o portentoso – e crescente – número de eleitores que pretendem votar em Lula, dois grupos.

O primeiro percebe a sua condenação e prisão como injusta e como um instrumento para retirá-lo da disputa eleitoral. Para este grupo, é óbvio que a insana ofensiva do Judiciário e da grande mídia contra o ex-presidente não tem nada a ver com combate ao crime – e tudo a ver, para ficarmos no jargão global, com perseguição política.

O segundo grupo é composto de pessoas que até acreditam na sinceridade da propalada cruzada contra a corrupção empreendida pela Lava Jato sob o foguetório da Globo. Entretanto, mesmo estes não compram a balela de que a corrupção é o grande problema do nosso país. Do contrário, não votariam em Lula, “o chefe do esquema”.

Há aqui também um previsível efeito colateral da eterna campanha antipolítica levada à cabo pela mídia: se política e corrupção são inseparáveis, como quer fazer parecer a lavagem cerebral diária dos jornais e telejornais, melhor votar no corrupto em cujo governo a vida melhorou, não é mesmo?

O fato é que ambos os grupos de eleitores não foram convencidos pelo massacre jurídico e midiático imposto a Lula. Este está preso e sem poder falar com o povo (a não ser por cartas) desde o último dia 7 de abril.

Mesmo assim, os percentuais de Lula subiram acima da margem de erro nas pesquisas Ibope e Datafolha recém divulgadas. Os adversários estão estagnados. Os números de Lula quase chegam a dar-lhe a vitória no primeiro turno, sendo que ele bate todos os adversários nas simulações de segundo.

Trata-se de mais um feito invulgar do retirante nordestino que chegou à presidência: disparar na liderança da corrida eleitoral isolado em uma cela, enquanto os outros candidatos fazem campanha. Um fenômeno.

Há uma conclusão cristalina que emerge deste quadro.

A máquina de moer gente composta pela mídia e pelo Judiciário consegue manipular parte da classe média e alta por meio do ódio e do preconceito.

O povão, por sua vez, é duro de enganar.

Resta à direita aprofundar o seu golpismo atávico. A Justiça de São Paulo recebeu denúncia por improbidade administrativa contra Haddad, ontem, tornando-o réu. O timing político do Judiciário para atingir o PT continua afiado.

Nas urnas, a coisa está cada vez mais complicada para a turma que não é muito chegada nessa coisa de povo e democracia.

Pedro Breier, colunista d'O Cafezinho, é formado em direito mas gosta mesmo é de jornalismo. Nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.