10 de jul de 2018

Reincidência de professor da USP revela seu mau-caráter

Professor da USP espalha fake news de beijo de Favreto em Lula

Ele, na esquerda (da foto)
A foto existe, mas quem beija o rosto do ex-presidente não é Favreto e sim José Eduardo Dias Toffoli, irmão do ministro do Supremo.

Uma imagem de um beijo no rosto de Lula na posse do ministro Dias Toffoli no Supremo Tribunal Federal (STF) viralizou nas redes como sendo do desembargador Rogério Favreto.

Entre outros perfis, a imagem consta no twitter do jornalista da Jovem Pan e professor da ECA-USP, Cláudio Júlio Tognolli. Ele a retuitou.


A foto existe, mas quem beija o rosto do ex-presidente não é Favreto e sim José Eduardo Dias Toffoli, irmão do ministro do Supremo.

A imagem foi feita durante a posse de Toffoli no STF, em 2009, no momento em que José Eduardo, que é portador da Síndrome de Down, cumprimentou o então presidente da República.

A sua divulgação falsificada busca mostrar a intimidade de Lula com Favreto e expõe o irmão do ministro do Supremo de maneira abjeta.

No domingo (8), Tognolli divulgou o número do celular de Favreto que sofreu ameaças de morte. A atitude foi criticada pelo chefe do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), Dennis de Oliveira.

Em decorrência disso, uma petição pública que pode ser assinada on line, endereçada às comissões de ética da Fenaj e do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, pede apuração do caso e eventual punição ao profissional.



Petição contra jornalista que divulgou celular de desembargador já conta com mais de 2 mil assinaturas

A petição, assinada por jornalistas, comunicadores e outros profissionais, pede que a Federação Nacional dos Jornalistas apure a conduta e responsabilize Claudio Tognolli, jornalista que divulgou o número de celular do desembargador que mandou soltar Lula, em uma clara tentativa de incentivar o linchamento

Foto: Reprodução/Facebook
Uma petição contra o jornalista Claudio Tognolli, que é comentarista na rádio Jovem Pan, já conta com mais de 2 mil assinaturas de jornalistas, comunicadores e outros profissionais. O documento, direcionado à Federação Nacional dos Jornalistas e ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, pede que os órgãos apurem a conduta e responsabilizem Tognolli por divulgar, em sua conta do Twitter, o número de celular do desembargador Rogério Favreto, que concedeu habeas corpus ao ex-presidente Lula no último domingo (8).

Tognolli, que dá aulas na Universidade de São Paulo (USP), tem uma posição política explicitamente antilulista e antipetista. A divulgação do número do desembargador que concedeu o benefício a Lula, portanto, foi interpretada por outros jornalistas como uma tentativa de incentivar o linchamento. Na petição, os signatários apontam que Tognolli faltou com ética e feriu princípios básicos do Código de Ética dos Jornalistas.

“Tomamos, com muito respeito, essa iniciativa por compreendermos que tal atitude é incompatível com a ética profissional de jornalista. Ressaltamos que a discussão sobre a ética do profissional e o jornalismo é um debate que deve ser feito permanentemente, assim como os princípios e papel social do jornalismo para o desenvolvimento da sociedade”, diz o texto da petição, que ressalta ainda que o desembargador Favreto, após a divulgação de seu telefone, chegou a ser ameaçado de morte.

Para assinar a petição, clique aqui.

Repúdio do Jornalismo da USP

Logo após ficar sabendo da divulgação indevida do celular de Favreto, o chefe do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), Dennis de Oliveira, enviou à Fórum uma nota de repúdio à atitude de Tognolli, que dá aula na instituição.

“Eu, Dennis de Oliveira, chefe do Departamento de Jornalismo e Editoração, jornalista, não concordo e repudio essa publicação do celular do desembargador na rede social. Acredito que o debate político e jurídico não pode ser feito a partir dessas tentativas de criar linchamento de pessoas. Esse não é o jornalismo que ensinamos na ECA e essa postura não corresponde à visão do curso de jornalismo da USP que temos implementado”, escreveu Dennis.

Logo após a repercussão negativa, Tognolli apagou a postagem, mas até o momento não se pronunciou sobre o assunto.

No Fórum

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.