1 de jul de 2018

Os imparciais


O Grupo Globo publica hoje uma “emenda constitucional” determinada por João Roberto Marinho em seus “Princípios Editoriais”, para disciplinar o uso de redes sociais por seus jornalistas.

Diz lá, no meio de um longo blá-blá-blá que “em sua atuação nas redes sociais, o jornalista deve evitar tudo o que comprometa a percepção de que o Grupo Globo é isento. Por esse motivo, nas redes sociais, esses jornalistas devem se abster de expressar opiniões políticas, promover e apoiar partidos e candidaturas, defender ideologias e tomar partido em questões controversas e polêmicas que estão sendo cobertas jornalisticamente pelo Grupo Globo”.

Se isso fosse seguido nas páginas do jornal, nos textos de comentaristas e para as reportagens de televisão, era possível que os espaços e tempos dedicados à política ficassem em branco.

Desde quando o  Grupo Globo é isento? Nem ele e nem qualquer veículo de comunicação. E é natural que não sejam, desde que preservem o equilíbrio jornalístico e, sobretudo, sejam honesto com seus leitores e assumam suas preferências. É assim em todo o mundo e não poderia ser diferente.

O que é diferente, aqui, é que existe um monopólio de comunicação exercido pela Globo que, hipocritamente, quer ser percebido (e confessa) como isento, quando é – e foi, desde que vicejou na ditadura – a mais importante ferramenta do sistema de dominação da opinião pública.

É, e seu patrono, Roberto Marinho, era o condestável da República, papel que – com discrição pessoal, reconheça-se – foi herdado pelo filho João Roberto, que divide com os irmãos a presença na lista dos mais ricos do país.

Algo que ele imita até no vocativo de “caros companheiras e companheiros” com que publicamente trata seus empregados, como fazia o “companheiro Roberto Marinho”.

Nos últimos tempos, a Globo se tornou a grande patrocinadora da Lava Jato e de seus desígnios políticos. O prêmio máximo do “Faz Diferença” global entregue por João Roberto a Sérgio Moro, depois a Cármem Lúcia, por exemplo, jamais foi dado ao brasileiro que mais diferença fez no país nos 15 anos em que a premiação existe, não é. Deram-lhe um de segunda linha, é verdade, no início de 2004, quando a Globo estava pendurada em dívidas e a mão do Governo era indispensável para salvar o império.

É que para eles faz mais diferença colocar Lula na cadeia que tirar 40 milhões de brasileiros da miséria.

Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.