22 de jul de 2018

Os custos do benefício

http://m.jb.com.br/coisas-da-politica-2/noticias/2018/07/22/os-custos-do-beneficio/

O novo faltou ao encontro, na eleição em que se decretou a morte da velha política. Com o apoio dos partidos do Centrão e de outras siglas ligadas à corrupção e ao fisiologismo, o candidato tucano Geraldo Alckmin passa a ser seu mais genuíno representante. O MDB ficará de fora, mas o apoio dos partidos que decidiram o impeachment e sustentaram o governo vincularão o tucano a Temer, com sua impopularidade e seu governo desastroso. O segundo turno pode acabar sendo um formidável acerto de contas entre o PT que foi derrubado e a coligação que o derrubou. 

Até agora falamos muito do que Alckmin ganha, e pouco dos custos que ele pode ter com a grande aliança. Ganhará um tempo colossal de televisão, mas o maior tempo nem sempre garante a vitória. Lula não tinha o maior tempo em 2002, nem em 2006, quando se reelegeu. Mas FHC foi ajudado pelo maior tempo tucano em suas duas eleições (1994 e 1998). Em 1989, Ulysses Guimarães (PMDB), que fora o líder parlamentar da resistência, o Senhor Diretas e o Senhor Constituinte, tinha um tempo enorme, mas ficou em quinto lugar. E isso aconteceu porque, embora não tenha defendido o governo, Ulysses foi associado a Sarney, quase tão impopular quanto Temer hoje. Este é um risco para Alckmin. 

A grande coligação será apresentada como evidência de que o tucano é conciliador e desperta confiança. Talvez cole, mas os adversários vão explorar suas más companhias. Principalmente o PT, que sabe muito bem o que é governar com a canga dos fisiológicos no pescoço. Dos partidos do atual Centrão, só o DEM não integrou a base petista. O PT conhece todos eles e principalmente o grande costureiro do apoio a Alckmin, Valdemar Costa Neto, mandachuva do PR. O outro que muito ajudou foi Temer. Primeiro, ameaçando com a perda de cargos os partidos que apoiassem Ciro. Depois, articulando diretamente com Rodrigo Maia, com seu líder Aguinaldo Ribeiro, do PP, e seu ex-ministro Marcos Pereira, do PRB. Coitado do Henrique Meirelles.

A virada do Centrão começou no dia em que o senador Magno Malta, do PR, desistiu de ser vice de Bolsonaro. Ele se dizia honrado com o convite, mas de repente mudou de ideia, a mando de Valdemar, segundo fontes do partido, que vislumbrara um melhor negócio. Bolsonaro achava que, pela honra de integrar sua chapa, o PR tinha que ajudá-lo, inclusive com recursos. Com Ciro ou Alckmin, o PR e seus parceiros é que seriam recompensados pelo apoio. Quando a conversa com Bolsonaro azedou, Valdemar aderiu ao Centrão, descartou Ciro e arrastou os demais para o lado do tucano. 

Em 2002, Lula queria um empresário de vice. Descartados alguns nomes, José Dirceu sugeriu José Alencar, dono da Coteminas. Como nos casamentos arranjados, fez a ponte e marcou com Lula uma viagem a Minas para conhecer a noiva. A empatia foi imediata. Alencar estava no PMDB, que apoiaria Serra, teria de mudar de partido. Filiou-se ao PL, origem do atual PR. No fechamento da coligação, Valdemar exigiu R$ 10 milhões do PT, para financiar os candidatos do partido a deputado. Esse pagamento, realizado via valerioduto, ajudou a alimentar a narrativa de Roberto Jefferson, de que o PT pagava mesadas a deputados. A danação do PT foi a coalizão com os partidos fisiológicos, entrando no velho jogo, em nome da governabilidade. Serão eles agora diferentes na relação com Alckmin? 

No acerto com o tucano, entraram coisas não combinadas com o eleitor. O DEM ficará com a presidência da Câmara e o PP com a do Senado. Isso é de uma arrogância atroz. Para terem direito a estes cargos, DEM e PP terão que eleger a maior bancada nas respectivas casas. 

Não por acaso, o Centrão agora quer ser chamado de blocão. É para ver se o eleitor esquece seu passado, pontilhado por casos de corrupção ou pela prática do fisiologismo. Se Alckmin for eleito, o país terá optado por ter mais do mesmo, embora hoje esteja torcendo o nariz para partidos e candidatos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.