27 de jul de 2018

New York Times: “Bolsonaro põe em risco a democracia no Brasil”

Ele
As eleições costumam ser um exercício de futurologia: os candidatos propõem possíveis futuros para o país. Mas a campanha eleitoral no Brasil está olhando para o passado. A crise política e a agitação social gerada pela investigação Lava Jato contra a corrupção e a demissão da ex-presidente Dilma Rousseff poderiam ter criado uma nova onda de líderes brasileiros na corrida presidencial deste ano. No entanto, os dois aspirantes a ponteiros são dois velhos conhecidos: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o militar aposentado e atual deputado Jair Bolsonaro. Ambos propõem um futuro muito semelhante ao passado.

Lula, da prisão lidera os eleitores inspirados pela nostalgia de uma época de prosperidade econômica e de paz que já não existe, em grande parte porque a configuração das forças políticas e reputação não são mais os mesmos de antes. Mas a viabilidade da plataforma Lula começa a ser menos relevante se considerarmos a probabilidade de que a candidatura do ex-presidente seja questionada pelo Tribunal Superior Eleitoral. Nesse caso, de acordo com as pesquisas mais recentes,  o primeiro na intenção de voto seria Bolsonaro, um defensor da ditadura militar brasileira, que durou de 1964 a 1985 e que tem justificado o uso da tortura.

Os sinais da política mudaram e ninguém no Brasil entendeu melhor do que Bolsonaro. O candidato da extrema-direita foi capaz de usar a linguagem das redes sociais: em vez de debater ideias, ele culpa os que não concordam com ele. Bolsonaro é como um meme que se torna viral porque difunde opiniões fáceis. Sua fala se move entre raiva e preconceito. Ele deixou de ser um candidato invisível e se tornou o vice-líder nas pesquisas, porque um número significativo de brasileiros – cansados da violência, do caos da política pós-Odebrecht e do avanço das pautas progressistas da esquerda – apoiam suas posições conservadoras.

Bolsonaro encontrou uma fórmula atraente em um país conturbado: oferecer soluções simples para problemas complexos.

(…)

Bolsonaro é apresentado como o antipolítico, mas foi deputado por 27 anos . Ele também aparece como o único candidato honesto, mas, de acordo com as investigações, ele contratou membros da família com recursos públicos e usou dinheiro de sua partida parlamentar para sua campanha. Por uma década ele fez parte do Partido Progressista, o partido com o maior número de políticos sob investigação pela operação Lava Jato. Ele afirma ser a melhor opção para estabilizar o mercado, mas seu histórico é o de um estatista. Ele é um político de direita, mas na época celebrava a eleição de Hugo Chávez na Venezuela.

Nenhuma dessas contradições parece incomodar seus seguidores, que o apoiam pelas mesmas razões que seus oponentes o repudiam. Como Donald Trump e outros populistas atuais, ele alimenta assediar seus oponentes.

(…)

Apesar de suas declarações perturbadoras, sua ineficiência no Congresso , sua falta de um programa econômico, Bolsonaro é popular porque é populista. Dada a superpopulação nas prisões e o aumento da violência urbana, ele propõe armar a população para matar os criminosos. E quem não concorda deve ser um criminoso também, insinua. Sua guerra de frases ininteligíveis distorce qualquer tentativa de debate. Seu discurso incendiário permeou seus seguidores, que disseram que, se ele não vencer as eleições, será devido a fraude eleitoral. O que permite fazer um primeiro exercício de futurologia: estas eleições não pacificarão o país.

Talvez ele não conquiste a presidência, mas que Bolsonaro tenha assumido um papel de liderança na política brasileira significa um revés. Nas eleições é comum dizer que o candidato será votado “menos pior”. Mas neste concurso há um risco adicional: não há candidatos perfeitos, mas um dos candidatos fez campanha com posições decididamente antidemocráticas. Bolsonaro é um sintoma do descontentamento social que o Brasil está experimentando, não uma solução. Se o Brasil precisa de alguma coisa agora, é para consolidar sua democracia.

Do The New York Times
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.