23 de jul de 2018

Miriam Leitão garantiu que o Brasil cresceria 3% em 2018, mas esqueceu de combinar com o FMI

Não acerta uma
A Bíblia fala de uma profetisa chamada Míriam, irmã de Moisés, que anteviu a travessia do Mar Vermelho.

“Cantemos ao Eterno porque gloriosamente Se enaltece, o cavalo e seu cavaleiro que Ele lançou ao mar”, diz ela.

Sua homônima Leitão vive de chutes. Desde a ascensão do governo Temer, vende um futuro luminoso.

Esta semana, mais um prognóstico da comentarista da Globo foi para o vinagre.

Segundo o FMI, a expectativa de crescimento da América Latina é de 1,6%, abaixo dos 2% previstos em abril.

A recuperação “se tornou mais difícil para algumas das maiores economias [da região] porque as pressões de mercado em nível global foram amplificadas pelas vulnerabilidades específicas de cada país”, diz o relatório.

O Brasil deve crescer 1,8% neste ano e, em 2019, a previsão é de 2,5% de alta.

Em 3 de março, Miriam Leitão escreveu uma coluna repleta de certezas sobre o que nos aguardava.

Não há espaço para dúvidas ou mesmo um “talvez”.

“Dentro de um ano, o país estará diante de um número melhor do que o 1% que colheu esta semana. O PIB de 2018 deve ficar, segundo as previsões dos economistas, em torno de 3%”, afirma a colunista, peremptória.

Mesmo com o extremo nevoeiro do cenário político, o país deve dar mais alguns passos na recuperação do produto perdido. O consumo vai subir e até o investimento será positivo.

O crescimento de 2017 foi baixo e concentrado na agricultura, e o único fato a comemorar foi o fim da recessão de 2014-2016. Os indicadores foram positivos, mas magros, e não se sentiu a mesma temperatura em toda a economia. Em 2018, o PIB deve ser mais forte e espalhado pelos demais setores. A agricultura, por ter crescido muito no ano passado e batido recorde de produção, deve encolher 3%. Porém, as projeções estão ficando melhores do que as iniciais. Mesmo sendo menor do que a do ano passado, a colheita de grãos deve ter o segundo maior nível da história: 226 milhões de toneladas. Isso terá outros efeitos benéficos na economia, apesar de estatisticamente o setor entrar na conta com um sinal negativo.

Um dos pontos positivos será manter a recuperação do consumo. As famílias vão consumir mais pela soma de vários fatores positivos: a inflação está baixa, está havendo aumento discreto da renda mesmo com o quadro do desemprego. Os dissídios estão conseguindo reajuste acima da inflação. Haverá nova queda do comprometimento da renda das famílias com o pagamento de dívidas. E, como já foi dito aqui, isso significa um aumento de R$ 100 bilhões liberados para o consumo ou poupança, segundo projeção do BNP Paribas.

(…)

Os investimentos devem voltar para o azul, depois de quatro anos consecutivos de recuo. A expectativa é de alta de 5%. Só que estará longe de recuperar-se da perda de mais de 25%. Os empresários não farão grandes investimentos porque não confiam que esteja se iniciando um período de crescimento sustentado, mas pelo menos estão substituindo máquinas e equipamentos que ficaram antigos e sofreram o desgaste de uso. (…)

O raciocínio de economistas como Fernando de Holanda Barbosa Filho, da FGV, que entrevistei esta semana na Globonews, é que até aqui o estímulo monetário empurrou a economia para fora da recessão, mas a política fiscal precisa fazer parte do esforço de crescimento e, para isso, o ajuste das contas é fundamental. Ele arrumará a casa para um novo período de crescimento.

A Miriam bíblica — no bom sentido — levou mais de 60 anos para acertar o único vaticínio que fez na vida. Morreu, de acordo com as escrituras, aos 125.

Consta que a culpa foi da greve dos caminheiros. Miriam Leitão pode confirmar.

Kiko Nogueira
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.