17 de jul de 2018

Eleições 2018: candidatos sumiram e partidos fazem leilão de apoios

https://www.balaiodokotscho.com.br/2018/07/17/eleicoes-2018-candidatos-sumiram-e-partidos-fazem-leilao-de-apoios/

Alguém viu fazendo campanha por aí as caras desse monte de candidatos já lançados para a disputa presidencial de 2018?

A exatos 85 dias da abertura das urnas, sumiram todos. Aonde terão se escondido?

Estão todos enfurnados no escurinho dos gabinetes, negociando apoios e tempo de TV, dois artigos que valem uma nota, cargos e benesses nesta exótica e inacreditável campanha para presidente da República no Brasil.

Candidato favorito, disparado na liderança das pesquisas, o ex-presidente Lula está fora de combate, preso há mais de 100 dias no cárcere privado de Sergio Moro, em Curitiba, mas continua sendo o assunto mais comentado nos jornais.

A maioria só está aí para isso mesmo: fazer bons negócios na divisão do butim das alianças partidárias.

O único que aparece de vez em quando à luz do dia é o ex-militar Jair Bolsonaro, da extrema direita, que faz breves aparições em aeroportos e sobe em carros de som carregado por meganhas.

Enfeitado com uma faixa presidencial no peito, sempre aos gritos, profere sandices e faz ameaças aos velhos políticos, como se ele não fosse um deles, já em seu sétimo mandato de deputado federal.

Deve estar dando certo porque Bolsonaro continua à frente nas pesquisas sem Lula, enquanto os outros consomem seu tempo no toma-lá-dá-cá a que se resume a campanha eleitoral.

É tudo tão estranho e assustador que o PR do probo Valdemar Costa Neto negocia ao mesmo tempo seus 45 segundos de TV com o PT de Lula e o PSL de Bolsonaro.

A noiva mais desejada é o PSB, que já foi de Miguel Arraes e Eduardo Campos, e hoje não é de ninguém, disputado ao mesmo tempo pelo PT e o PDT de Ciro Gomes, com Geraldo Alckmin correndo por fora.

O grande mistério é Marina Silva da Rede, que só aparece de quatro em quatro anos para pedir votos, sem explicar os motivos, não faz aliança com ninguém e se mantem nos primeiros lugares nas pesquisas.

Ciro agora também busca o apoio do DEM de ACM Neto e do resto do consórcio impoluto do Centrão, ao mesmo tempo em que corteja o PCdoB, para manter a “hegemonia moral”.

Outra candidatura que ninguém consegue entender é a do ex-ministro Henrique Meirelles, do MDB de Temer, que não sai do 1% nas pesquisas, está em “voo solo”, mas acha que tem grandes chances por confiar nos recursos próprios para bancar sua campanha.

É assim mesmo: uns aproveitam a campanha eleitoral para levar vantagens, outros torram suas fortunas. Se insistir, vai custar caro para o cofrinho de Meirelles.

Alguns já desistiram, como o empresário Flávio Rocha, candidato da Riachuelo e do MBL, e outros ninguém sabe se são mesmo candidatos, casos de Guilherme Afif e Fernando Collor.

Até 15 de agosto, quando termina o prazo para registro de candidatos e alianças, vamos saber quem deu mais no grande balcão de negócios montado pelos partidos de todos os tamanhos.

Em lugar de programas de governo e ideologias, projetos e propostas, que antigamente diferenciavam candidaturas e partidos, temos agora só conchavos e rasteiras dos velhos caciques de sempre, todo mundo querendo levar vantagem na hora da xepa deste fim de feira eleitoral.

Só o que ninguém quer, e desconjura, é o apoio do presidente ainda em exercício, Michel Temer, lembram dele?, evitado até pelo MDB de Romero Jucá.

Como Temer viajou, a única novidade do dia é que nesta terça-feira estamos sendo governados, já pela terceira vez, pela ministra Cármen Lúcia, presidente do STF.

Qualquer problema, é só falar com ela. O grande desafio é colocar o assunto na pauta do Palácio do Planalto, este símbolo do poder tão desejado, e tão mal amado.

E vida que segue.

Ricardo Kotscho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.