3 de jul de 2018

Apoio de Janaína a Bolsonaro revela raízes fascistas do golpe


A gravidade do momento em que vivemos pode ser resumida pelos movimentos de uma personagem, a advogada Janaína Pascoal. Cumprindo uma trajetória didática, que apenas surpreende os mais ingênuos, a principal formuladora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, acaba de gravar um vídeo no qual declara apoio a Jair Bolsonaro, candidato presidencial que é a versão brasileira do fascismo e lidera todas as pesquisas de opinião quando Lula é excluído dos levantamentos.

Em 20 de abril de 2016, quando subiu a tribuna da Câmara para dar seu voto pelo afastamento de uma presidente eleita por mais de 51,4 milhões de brasileiros, o Bolsonaro fez uma declaração reveladora - talvez uma das mais reveladoras daquela tarde terrível - sobre o processo em curso no país:

"Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, o meu voto é sim", disse.

Na época, a declaração já causou escândalo e constrangimento. "Houve apologia a uma figura que cometeu tortura e também desrespeito a imagem da própria presidente", reagiu Felipe Santa Cruz, presidente da OAB/RJ, anunciando a disposição de pedir a cassação de Bolsonaro no STF porque "a apologia à tortura, ao fascismo e a tudo que é antidemocrático é intolerável".

Dois anos e dois meses depois, o apoio da advogada do impeachment a Bolsonaro encerra um capítulo do processo político que derrubou Dilma Rousseff, instalou um grupo de aventureiros sem escrúpulos nem remorsos no Planalto e hoje organiza a entrega das riquezas do país ao império norte-americano.

Hoje todos concordam que não havia, nunca houve e nunca ninguém acreditou seriamente na existência de qualquer prova jurídica para pedir o afastamento da presidente. O processo não respeitava as regras da democracia. Jamais se sustentou na prova de qualquer crime de responsabilidade. Era a política por outros meios - espúrios, a margem do eleitorado.

Formuladora da denúncia, Janaína produziu o pretexto jurídico para um processo político que quebrou as instituições e jogou o país num abismo político no qual banqueiros, empresários dos oligopólios de mídia e ministros do STF instituíram um governo próprio, dispensado de prestar contas aos brasileiros - e até resolver, às costas do eleitorado, quem pode e quem não pode disputar a presidência.

"O fascismo à espreita na reta final", escrevi neste espaço (18/10/2014), quando faltava uma semana para o segundo turno da eleição presidencial. Não há dúvida de que este era o processo em curso: "a intolerância e o ódio cresceram no Brasil como uma consequência inevitável de um movimento destinado a criminalização da política e dos políticos - em particular do Partido dos Trabalhadores". Alguns exemplos daquele momento.

Ao oferecer postos de trabalho para profissionais da medicina em pontos miseráveis do Brasil, o programa Mais Médicos levantou a raiva de entidades corporativas do país inteiro, dando origem a um grupo de 100 000 internautas que, intitulado "Dignidade Médica", propunha castração de "nordestinos" e profissionais pouco qualificados, como recepcionistas de consultório e enfermeiras. Militantes com a camisa do PT passaram a ser espancados nas ruas, enquanto Fernando Henrique Cardoso sentenciava: "O PT está fincado nos menos informados, que concidem de ser os mais pobres. Não é porque são pobres que apoiam o PT. É porque são menos informados".

Imaginando que seria o grande beneficiário pela tragédia produzida numa democracia conquistada com muita dificuldade e inegáveis sacrifícios, o PSDB pagou R$ 40 000 para Janaína Pascoal alinhavar uma denuncia conveniente a seus propósitos de instalar-se no Planalto - sem voto.

Deu errado, sabemos todos. Os tucanos não perceberam, mas em sua irresponsabilidade, seu oportunismo, chegaram ao ponto de empunhar a enxada que cavou a própria sepultura.

Embora não tenham sido "purificados", expressão de Janaína que inclui as masmorras da Lava Jato, Aécio Neves, José Serra, Aloysio Nunes Ferreira, tornaram-se dinossauros fora de combate. Geraldo Alckmin não sai do lugar, o que volta a atiçar João Dória.

Nesse universo, Janaína Pascoal achou seu lugar ao lado de Bolsonaro.

Ninguém pode se mostrar surpreso, concorda?

Paulo Moreira Leite

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.