26 de jul de 2018

A luta política não se faz 'pedindo licença'


Insisto: a gente superestima demais a nossa elite golpista. Eles estão assustados. Não entendem como Lula pode ser assim tão forte. Não aceitam, não toleram, não codificam. Eles miam de horror com o próprio beco sem saída que construíram para si, nos raros espasmos de lucidez que lhes acometem o sono (ou: Lula está nos pesadelos dessa gente, com um assustador tesão de 20).

Nós temos que ir para cima. Em todos os sentidos: retóricos, políticos, físicos e teatrais. Um adversário com medo é uma grande delícia. Eles tremem, cometem um erro depois do outro, hesitam, fogem.

Eu fico um pouco indignado quando leio 'comentários paralisantes' do tipo: "a esquerda está cometendo erros", "a esquerda tem que se unir", " a esquerda tem que fazer uma autocrítica". Francamente. Parece frustração conjugal com cifras de ressentimento.

A hora é de luta. Fazer reflexão política a essa altura do campeonato? Faça o favor. A reflexão é bem-vinda se tiver um mínimo de coragem e dicção atrevida. Se parar para pensar, até na luta discursiva, o inimigo lhe crava a adaga.

Tem também que identificar o inimigo com maior precisão. Quem é o inimigo agora? A esquerda que tem que fazer autocrítica? A política liberal de Dilma Rousseff? Por favor. Isso é suicídio.

O inimigo - que não é mais um 'adversário', mas um 'inimigo' na acepção máxima da palavra - precisa ser identificado e as nossas energias precisam estar todas concentradas em seu sufocamento, sem trégua, sem piedade.

Luta política de verdade é isso, não é esse biscoitinho civilizatório que o poder instituído sempre quer impor para livrar a própria cara. O inimigo é o PSDB. O inimigo é Temer. O inimigo é esse poder judiciário nojento e partidarizado que vem provocando mortes no país com sua omissão escandalosa.

A tinta vermelha jogada hoje no STF é essa luta digna, que não se intimida com regras de etiqueta social propaladas pelos guardiões da violência controlada e institucional. É o sangue transfigurado que esfrega na cara e no chão do STF o quão covardes eles têm sido.

Esse inimigos mesquinhos e medíocres estão morrendo de medo. O medo fica evidente quando eles falam, quando eles dão entrevistas, negando, negaciando, mastigando as palavras e os sentidos. Basta dessa mediocridade.

O combate frontal com os agentes do golpe precisa ser organizado em nossos espíritos. A verdade lateja em nossos sentidos. Os exemplos de coragem pulsam no martírio do crime praticado contra o país.

"Uma Dilma soberana, enfrentando seus algozes, saindo de pé e favorita a voltar consagrada ao congresso, como uma guerreira mítica"? Quem tem uma narrativa assim para chamar de sua?

Nós. Nós temos. Nós temos essa narrativa e muitas outras mais. Nós não podemos nos subestimar a nós mesmos. Nós não podemos superestimar esse 'outro' covarde e golpista que não dá um passo sem portar o medo aterrorizante do desmascaramento e da vergonha.

A luta política não se faz pedindo licença.

Gustavo Conde

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.