21 de jun de 2018

Repórter da fAlha não distingue curto de longo prazo...

O problema do Otavinho é que ele queria ser filho dos Mesquita!


A repórter da Fel-lha Cátia Seabra é uma velha conhecida do Conversa Afiada.

Assim como a Monica Bergamo que previu o enlouquecimento do Lula na cadeia - com base em fonte não identificada - Seabra trabalha também com fontes anônimas.

Nessa quinta-feira 21 de junho, ela penetrou no Conselho Político do PT, criado depois da prisão do Lula - que ainda não está maluco - e fez previsões catastróficas, para o PT:
- não tem porta-vozes (como se fosse o que falta ao PT...);

- já tem Plano B, mas ninguém sabe qual é;

- e, aí, seu pecado capital: garantiu que o ex-ministro Franklin Martins revelou-se desesperado porque o PT não tem "estratégia de curto prazo".
O ansioso blogueiro não tem procuração do ex-ministro, mas pode garantir que ele jamais diria essa estultice.

Porque "estratégia" só pode ser de longo prazo.

"Tática", Seabra, é que é de curto prazo...

Em homenagem a esses jornalistas que operam fontes anônimas o Conversa Afiada reproduz o que já disse da Cátia.

E chama a atenção para a frase devastadora do genial Tarso de Castro sobre os folheiros - Otavinho e seus preferido(a)s repórteres:

Cátia Seabra, venha conhecer o Santayana


Na casa do ansioso blogueiro se realiza neste sábado um dos encontros de membros do Instituto de Mídia Alternativa Barão de Itararé com personalidades de diversas inclinações políticas e gostos culturais.

O convidado agora é o jornalista Mauro Santayana.

Os convites já foram expedidos.

Um deles, em especial, merece ser feito de público.

É o convite à jornalista Cátia Seabra.

Num dos encontros anteriores, suspeita-se que a notável repórter tenha ficada à minha porta, à espera de quem entrasse e saísse.

E, depois, na Folha (*), jornal da Província de S. Paulo, publicou inacreditável furo de reportagem que continha mais erros factuais do que vírgulas.

Tem feito frio em São Paulo.

O ansioso blogueiro, movido por conhecida generosidade, por isso, convida a jornalista a subir e compartilhar da inteligência e da memória do Santayana – e do calor que envolve a camaradagem dos sujos blogueiros.

Talvez Santayana trate com os jovens - nem todos – de um tema que voltou a perseguir: o nacionalismo.

Como o nacionalismo sai de Vargas, acompanha Tancredo e se reinterpreta com Lula e Dilma.

E hoje vale mais do que nunca.

Nessa trajetória, Santayana pode se ver inclinado a tratar de Fernando Henrique e seu fiel discípulo, o Padim Pade Cerra, o herói do Datafalha – ambos notórios entreguistas.

Quem sabe, Santayana, que trabalhou com Tancredo, confidencie o que Tancredo achava de Fernando Henrique valia.

Para Tancredo, Cerra valia menos ainda.

Seabra poderá se enriquecer com algumas análises que Santayana faz da atual safra de jornalistas, essa geração de “diplomados”.

Santayana, como se sabe, cursou até o segundo ano primário.

Portanto, Santayana é menos escolarizado do que Lula, que não tem diploma, como a citada repórter gosta de lembrar.

Sobre o que Santayana acha dos jornalistas de hoje, os jornalistas “de partido”, que perderam qualquer sentido de generosidade e o sentimento de dever com o cidadão.

Talvez Santayana não se lembre, mas é possível que um dos convidados se recorde da famosa frase de Tarso de Castro, que trabalhou na mesma Folha, no tempo do Santayana (e deste convidado da noite):

O problema do Otavinho é que ele queria ser filho dos Mesquita!

Qual será o problema dos que trabalham para o Otavinho – poderia outro blogueiro sujo perguntar ao Santayana, na frente da supra-citada repórter.

Seja bem vinda, jovem repórter.

Dispensa-se a confirmação.

Paulo Henrique Amorim

(*) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que matou o Tuma e depois o ressuscitou; e que é o que é, porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

Em tempo: não deixe de ler também essas lisonjeiras palavras dirigidas à repórter Seabra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.