7 de jun de 2018

O que está por trás dos incêndios em Minas?

Coincidência? Ao chegar o sexto mês do ano eleitoral, quase que às vésperas do pleito de outubro, do nada, como um raio no céu azul, facções criminosas, de repente, sem qualquer histórico de atuação semelhante no Estado de Minas Gerais, iniciam uma onda terrorista, incendiando veículos em diferentes pontos do território mineiro.

Logo no Estado de Minas Gerais cujos índices de violência, especialmente dos crimes violentos, tem caído? Os resultados da segurança pública em Minas evidenciam o contraste com a situação alarmante de outros estados como o Rio de Janeiro; portanto, logo neste Estado?

Na manhã de hoje, dia 06/06, já se somam 50 ônibus incendiados em 25 cidades, de diferentes regiões do Estado. Uma ação muito bem planejada e com execução cirúrgica. Os jornais já anunciam que a autoria é do Primeiro Comando da Capital. Lembrando que se trata do Primeiro Comando da Capital Paulistana. O Estado cujo crime é chefiado pelo PCC e a política pelo PSDB.

Vamos fazer um exercício de especulação: lembremos que existem denúncias quanto ao alinhamento do PSDB com os referidos criminosos. Por exemplo, em 2015 a Folha de São Paulo (edição de 27 de julho) trouxe ao público declarações de testemunhas que teriam confirmado a existência, desde 2006, de um acordo entre o líder do PCC, Marcola, e a cúpula do governo paulista, do PSDB. A mesma facção que dialoga com o PSDB, partido com intimidade suficiente para sentar-se à mesa e pactuar em São Paulo, é aquela que protagoniza ataques no Estado no qual um candidato do mesmo PSDB irá disputar as eleições na condição de oposição. Será coincidência?

Aliás, entre apreensões de drogas em helicóptero de propriedade de político cujas relações pessoais são bem conhecidas e gravações telefônicas de relevantes lideranças verbalizando ameaças de morte, atos criminosos já costumam enredar o ninho tucano mineiro há muito tempo. Essa intimidade nojenta entre certa ala política com o toxico, ameaça de morte e dinheiro sujo, torna plausível a tese de que pode haver relação entre os atos criminosos recentes e o xadrez político. Há um cheiro de enxofre no ar.

E para concluir o exercício de especulação, note-se que mal os primeiros focos de incêndio apareceram, a tropa de choque da oposição ao governador Fernando Pimentel, no lugar de fazer qualquer gesto civilizado de união contra o crime organizado, “partiu pra cima”! Se apropriou do tema para tentar imprimir desgaste ao governo. Parece até que tem gente muito mais bem informada do lado de lá, do que o próprio Comando da Polícia de Minas Gerais, reconhecida como a que possui o melhor serviço de inteligência do Brasil.

O PCC tem motivos para tentar desestabilizar o governo Fernando Pimentel. Em Minas diferentemente de outros estados, o Poder Público exerce efetivo controle nos presídios. Não concilia com o crime organizado e não abre espaço para sua atuação, de recrutamento e comando, de dentro das penitenciárias.

Por fim, cabe realçar que quase duas dezenas de estados no Brasil vivenciaram dilema semelhante. Um problema que já é nacional requer ações do Governo Federal, porém, é sabido que Temer é completamente negligente em relação a e este e todos os problemas que atingem nosso povo. Diferentemente de Minas Gerais, cuja resposta foi rápida: 70 prisões já foram feitas, incluindo a de líderes do PCC.

Não tenho como afirmar nada. Mas é difícil engolir que é tudo mera coincidência.

Oleg Abramov
No Fórum

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.