25 de jun de 2018

Merval Pereira já desistiu do Alckmin?

Geraldo Alckmin, o presidenciável mais competitivo da direita – que a mídia insiste em chamar de “centro” – está vivendo seu pior momento político. Há dúvidas inclusive se o grão-tucano terá capacidade para resistir. Nas sondagens eleitorais, o ex-governador segue abaixo dos dois dígitos, sendo motivo de chacota até do fascista Jair Bolsonaro. Além de derreter nas pesquisas, o “picolé de chuchu” é alvo das bicadas sangrentas no próprio ninho. O ex-prefake João Doria, sua criatura, parece pronto para dar o bote. E para piorar, surgem novas denúncias de corrupção contra o PSDB de São Paulo que furam a blindagem da imprensa chapa-branca. Nesse cenário adverso, até Merval Pereira, porta-voz oficial da famiglia Marinho, teme pela viabilidade da candidatura tucana.

Em artigo publicado na quinta-feira (21) no jornal O Globo, ele registrou: “Alckmin entra na campanha presidencial extremamente fragilizado, numa situação muito difícil com a prisão do secretário de transportes de seu governo. Todas as acusações de desvio de verba na construção do Rodoanel de São Paulo são da administração dele. Mesmo que não haja tempo suficiente para concluir as investigações, ele entra na campanha muito debilitado, porque vai ter dificuldade para explicar todos os casos ligados ao governo. E pode voltar a ideia de colocar Doria como candidato à presidência pelo PSDB”. Diante deste quadro, o porta-voz global deu uma indireta: “Trocar o candidato deveria ser uma iniciativa do próprio Alckmin, porque ele é o presidente do partido, mas dificilmente o fará”. O lamento do serviçal pode indicar que a famiglia Marinho está prestes a desembarcar da pré-candidatura do grão-tucano.

No mesmo rumo, o editorial da Folha deste sábado (23), intitulado “O senhor do Rodoanel”, também demonstrou certo temor: “A operação da Polícia Federal que prendeu Laurence Casagrande Lourenço, ex-presidente da Dersa, deixou mais uma vez o ex-governador paulista Geraldo Alckmin em situação difícil. O pré-candidato do PSDB viu-se constrangido a dar declarações para defender a sua gestão e apoiar as investigações, como já fizera outras vezes – assim se deu na prisão de Paulo Vieira Souza, o Paulo Preto, ex-diretor da mesma Dersa, estatal que administra rodovias. No caso deste último, Alckmin pôde dizer que não se tratava de personagem de seu círculo e que determinou apurações na empresa. Quanto a Lourenço, a situação é mais complicada”.

“Este, afinal, vinha ocupando o comando da Companhia Energética de São Paulo (Cesp), depois de ter sido secretário estadual de Logística e Transportes. Sua passagem pela Dersa, de janeiro de 2011 a maio de 2017, está longe de ter sido breve. Tal currículo explicita ligações duradouras entre o ex-governador e o suspeito de ter se envolvido com operações fraudulentas na companhia, por meio de adendos contratuais irregulares nas obras do trecho norte do Rodoanel. Polícia e Ministério Público estimam prejuízos de cerca de R$ 600 milhões... Com dificuldades para conquistar percentuais mais expressivos nas pesquisas de intenção de voto, Alckmin e seu partido encontram embaraços óbvios para sustentar um discurso anticorrupção”.

Será que o “picolé de chuchu” será descartado? A conferir!

Altamiro Borges

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.