8 de jun de 2018

FHC usa agora a mesma desculpa de Aécio em 2016


Desde que foram revelados os e-mails de Fernando Henrique Cardoso pedindo doações de campanha para o PSDB a Marcelo Odebrecht, um deles intitulado “o de sempre”, a mídia vem se esforçando para fazer parecer que tudo aconteceu “por dentro”, legalmente.

É o que tem dito o próprio FHC.


É que, consultando as planilhas da contabilidade paralela da Odebrecht, o diário conservador carioca constatou que um dos candidatos para os quais FHC pediu dinheiro, Antero Paes de Barros, realmente recebeu os recursos.

Uma semana depois do e-mail de FHC, a campanha de Antero embolsou R$ 100 mil. O dinheiro foi repassado por duas empresas laranjas do grupo Petrópolis, que a Odebrecht terceirizou para repassar dinheiro a políticos.

O senador Aécio Neves usou a mesma desculpa em 2016, quando foi feita a busca e apreensão na casa de Benedicto Barbosa da Silva Júnior, que comandava o chamado Departamento de Operações Estruturadas da empreiteira.

Descobriu-se que Aécio tinha recebido R$ 1.696.000,00 da Leyroz de Caxias, uma das empresas de fachada da cervejaria.

Aécio, então, ainda era o impoluto campeão do impeachment na mídia.

Assim como FHC agora, ele argumentou que era tudo por dentro, de papel passado.

Do ponto-de-vista formal, Aécio tinha razão.

Mas ele recebeu uma fortuna de uma empresa desconhecida e achou que era normal? E o tesoureiro da campanha dele?

Aécio desconhecia os esquemas da Odebrecht? O que ofereceu em troca à empreiteira? Ou estava apenas cobrando a fatura de um favor já feito à empresa?

O fato é que existe muita hipocrisia. A Odebrecht contribuiu com centenas de políticos, de praticamente todos os partidos, por dentro e por fora.

Porém, tucanos como FHC pretendem — com a ajuda da mídia — manter a fachada de que com eles foi diferente.

Em 2016, depois de ler as planilhas apreendidas, o Viomundo já demonstrava que os tucanos estavam enterrados até o pescoço no esquema em que denunciavam o PT:

No conjunto de documentos apreendidos no apartamento do executivo Benedicto Barbosa da Silva Júnior, da empreiteira Odebrecht, três páginas chamam especialmente a atenção: é uma planilha impressa com o registro de doações de altos valores feitas por empresas de nomes e atividades modestas, a Leyroz de Caxias Indústria Comércio e Logística Ltda. e a Praiamar Indústria Comércio e Distribuição Ltda.

Citado na contabilidade paralela da empreiteira, o senador Aécio Neves, presidente do PSDB, disse que as doações em nome dele e do PSDB foram legais e estão declaradas à Justiça Eleitoral. Fato.

Porém, uma consulta ao Sistema de Prestação de Contas Eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral mostra algo espantoso: juntas, a Praiamar, a Leyroz e sua sucessora, a Rof Comercial Impex Eireli, doaram mais de R$ 60 milhões a partidos e candidatos nas eleições de 2010, 2012 e 2014.

A pergunta é óbvia: as empresas serviram apenas de fachada para doações que, na verdade, partiram dos cofres da Odebrecht? Só a investigação da Polícia Federal poderá determinar.

[Nota do Viomundo: Ficou determinado que a Odebrecht usava as empresas fantasmas ligadas à Cervejaria Petrópolis para repassar dinheiro]

Curiosamente, a Praiamar e a sucessora da Leyroz dividem endereço na rua Silva Fernandes, 184, no Parque Duque, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.

Uma sede modestíssima para quem jogou tanto dinheiro na política.

O senador Aécio Neves, em uma postagem no Facebook, admitiu ter recebido R$ 1.696.000,00 da Leyroz em 2010, quando foi candidato ao Senado.

Naquele ano a empresa fez doações a outros candidatos tucanos: José Anibal, Arthur Virgílio, Jutahy Magalhães Junior, Antero Paes de Barros, Antonio Duarte Nogueira Jr. e Bruno Araújo. Tudo com recibo e declarado.

A Leyroz também colocou dinheiro nas campanhas de José Serra ao Planalto (R$ 1,2 milhão) e Geraldo Alckmin ao governo de São Paulo (R$ 600 mil).

Uma pergunta que não cala: por que uma empresa de Duque de Caxias, no Rio, doaria a um candidato a governador de São Paulo e a um político que pretendia se eleger deputado federal por Pernambuco?

[Nota2 do Viomundo: Ou um candidato a senador de Mato Grosso?]

No total, em 2010, a empresa de Duque de Caxias deu mais de R$ 4,5 milhões ao PSDB, cerca de 25% de suas contribuições eleitorais daquele ano.

Já a Praiamar doou mais R$ 1.300.000, 00 às campanhas do PSDB em 2010.

Na lista do TSE, foram R$ 24 mil para o candidato ao Senado Aécio Neves, R$ 100 mil para o candidato ao governo paulista Geraldo Alckmin e R$ 300 mil para o postulante tucano ao Planalto, José Serra.

As doações eleitorais das empresas seguiram um patamar estranho.

A Leyroz doou mais de R$ 25 milhões em 2010, caiu para cerca de R$ 8 milhões em 2012 e desapareceu em 2014.

Já a Praiamar saltou de R$ 7 milhões em 2010 para cerca de R$ 21 milhões em 2012.

Nas eleições de 2014, a Leyroz foi substituída pela Rof Comercial Impex Eireli, com o mesmo CNPJ. Supostamente é uma empresa de comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios.

Porém, o valor das doações das duas empresas caiu vertiginosamente naquele ano: juntas, a Praiamar e a Comercial Impex doaram “apenas” R$ 3,3 milhões a candidatos e partidos.

Registre-se que nas três eleições as empresas doaram democraticamente a candidatos e comitês de vários partidos.

No Viomundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.