5 de jun de 2018

A “bancada evangélica” e o festival de concessões de emissoras de rádio e TV

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, que trata sobre as comissões de rádio e TV na Câmara, é formada por 42 deputados titulares. Desses, 12 são da “bancada evangélica”

O missionário José Olímpio (DEM-SP) e o pastor Valdomiro Santiago 
Foto: Reprodução/YouTube
A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI)

A Constituição de 1988 determinou como uma das atribuições do Congresso Nacional a apreciação dos atos de outorga e renovação de concessão, permissão e autorização para o serviço de radiodifusão sonora e de sons e imagens fato que ocasionou um grande incremento nos trabalhos da CCTCI.”1

Pesquisas retratam a formação e afirmação da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática – CCTCI. Antônio Flávio Pierucci, Paul Freston, Paulino Motter e Valdemar Figueredo Filho estudaram como grupos evangélicos na Constituinte entenderam como funcionava o processo de concessões de emissoras de rádio e televisão.2

Digo no meu livro que “a Subcomissão de Ciência e Tecnologia e de Comunicação foi instalada no dia 7 de abril de 1987. A composição entre PMDB e PFL levou à presidência da Subcomissão o deputado Arolde de Oliveira (PFL-RJ)” (FIGUEREDO FILHO, 2010, p. 34).

Paulino Motter (1994) demonstra empiricamente como as concessões de emissoras de rádio e televisão foram utilizadas como “moeda de troca” no contexto da Assembleia Nacional Constituinte. Festival de concessões no governo do presidente José Sarney enquanto contrapartida para formação de maiorias no legislativo federal.

Entre outras atribuições regimentais vigentes, importa destacar que cabe à Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática “Outorga e renovação da exploração de serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens”, bem como tratar do “regime jurídico das telecomunicações e informática”. 

A visibilidade dos evangélicos no Brasil e no Congresso Nacional passa necessariamente pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados.

A dedicação da bancada evangélica à “agenda moral” tem um quê de cortina de fumaça. Em uma comunidade de fé, seria complicado o cara chegar e dizer “olha, precisamos estar no Congresso com tantos deputados porque precisamos de concessão de rádio e televisão”. Não é um discurso simpático, é pragmático demais para alguns. Mas se você vai diante do mesmo grupo e diz que precisa combater a “onda gay”, como eles dizem, já tem outra adesão.

Em artigo na Revista Número e Gênero, Carolina de Assis e Vitória Régia da Silva preveem que, por expansão na Câmara, a bancada evangélica deve intensificar discurso conservador em campanha eleitoral.3

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática é formada por 42 deputados titulares. Desses, em levantamento feito pelas jornalistas da Revista Número e Gênero, 12 são da “bancada evangélica”.

A propósito, entre as 25 comissões permanentes da Câmara dos Deputados, a Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática é a que possui o maior número de titulares que são membros ativos da chamada bancada evangélica.

É recorrente a confusão entre “bancada evangélica” e “Frente Parlamentar Evangélica”. Enquanto a “bancada” é definida pela representação explícita das Igrejas, os signatários da “frente” não são necessariamente membros dos grupos religiosos. Estão mais para simpatizantes das igrejas evangélicas do que para crentes que respondem a tais estruturas eclesiásticas.

Vamos aos nomes e as redes de comunicação que representam:
DEPUTADO
IGREJA
GRUPO DE COMUNICAÇÃO
Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff
AROLDE DE OLIVEIRA (PSD-RJ) Batista Grupo MK de Comunicação Sim
ERIVELTON SANTANA (PATRIOTA-BA) Assembleia de Deus Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Estado da Bahia Sim
JORGE TADEU MUDALEN (DEM-SP) Igreja Internacional da Graça de Deus Tele-evangelista R. R. Soares Sim
MARCOS BEZERRA RIBEIRO SOARES (DEM-RJ) Igreja Internacional da Graça de Deus Filho do Tele-evangelista R. R. Soares Sim
MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO (DEM-SP) Igreja Mundial do Poder de Deus Tele-evangelista Apóstolo Valdemiro Santiago Sim
PASTOR FRANKLIN (PP-MG)
Igreja Mundial do Poder de Deus Tele-evangelista Apóstolo Valdemiro Santiago Sim
PAULO FREIRE (PR-SP)
Assembleia de Deus
Filho do pastor José Wellington Bezerra da Costa que presidiu a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil por quase quatro décadas.
Sim
ROBERTO ALVES (PRB-SP)
Igreja Universal
Radialista, Igreja Universal
Sim
RONALDO MARTINS (PRB-CE) Igreja Assembleia de Deus
Radialista, Igreja Assembleia de Deus
Sim
SILAS CÂMARA (PRB-AM)
Igreja Assembleia de Deus Irmão do Pastor Samuel Câmara, que controla a Rede Boas Novas de Comunicação.
Sim
TAKAYAMA (PSC-PR)
Assembleia de Deus, Igreja Cristo Vive
Atual presidente da Frente Parlamentar Evangélica
Sim
TIA ERON (PRB-BA)
Igreja Universal
Igreja Universal
Sim
Trocando em miúdos, os 12 membros titulares da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI), muito provavelmente:
  1. atendem primeiro aos “domésticos da fé”;
  2. são usuários das redes de comunicação que representam;
  3. sabem que suas bases eleitorais são constituídas pelos ouvintes e telespectadores dessas redes;
  4. o poder político que possuem está relacionado ao poder midiático que dispõem;
Igrejas midiáticas de propriedade de tele-evangelistas se impõem no cenário nacional pela crescente força política. A dedicação da bancada evangélica à “agenda moral” é tão importante quanto a capacidade de se beneficiar das concessões de emissoras de rádio e televisão.

Adaptando o provérbio árabe, “Os cães ladram e a caravana passa….”. O sentido original do provérbio é que os destemidos e corajosos seguem adiante ainda que muitas sejam as palavras de críticas ou injúrias.

Mas, aqui na nossa conversa sobre a “bancada evangélica”, lamento identificar que a marcha convicta de setores das igrejas evangélicas, entusiasmados pelo sucesso, seja uma marcha insana. O grito não parte dos detratores, mas daqueles e daquelas que amam a Jesus, e por decorrência a igreja, e lamentam tamanhos desvios de rotas e distorções de valores.

1 Fonte: Câmara dos Deputados. Comissões. Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática – CCTCI. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2018.

2 PIERUCCI, Antonio Flávio; PRANDI, Reginaldo. A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1996.MOTTER, Paulino. A batalha invisível da Constituinte: interesses privados versus caráter público da radiodifusão no Brasil. 1994. Dissertação (Mestrado)—Departamento de Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade de Brasília, Brasília, 1994.

FRESTON, Paul. Protestantes e política no Brasil: da Constituinte ao Impeachment. 1993. Tese (Doutorado em Sociologia)—Departamento de Ciências Sociais do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993.

FIGUEREDO FILHO, Valdemar. Coronelismo eletrônico evangélico. Rio de Janeiro: Ed. Publit, 2010.

3 ASSIS, Carolina de; RÉGIA DA SILVA, Vitória. Por expansão na Câmara, bancada evangélica deve intensificar discurso conservador em campanha eleitoral. Revista Número e Gênero. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2018.

Instituto Mosaico – Observatório da cena política evangélica


Curta e siga no Facebook:

Valdemar Figueredo
No Fórum

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.