7 de mai de 2018

O Paulo tucano


Se confirmados, com documentos, os depósitos de US$ 34 milhões nas contas de Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, estaria – na hipótese que  isto “venha ao caso” –  revelado um dos principais caminho (mas não o único) do esquema de propinas nos governos do PSDB de São Paulo.

É muito dinheiro para alguém que seria, afinal, um mero “operador”.

E desvendadas, também, as “credenciais” do atual Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, para se tornar uma das principais figuras do tucanato, ao longo de toda a era tucana.

O mais provável, porém, é que o caso siga se arranstando, porque não apenas os tucanos – exceto o “falecido” Aécio Neves – não interessam como, também, corre-se o risco de ficar patente a seletividade das delações das empreiteiras, fartas em acusações aos governos petistas e absolutamente econômicas quando se trata do PSDB.

Afinal, o “Preto” tinha tanto dinheiro para si quanto o outro Paulo, o Roberto Costa, do qual se pariu toda a Lava Jato.

Nesta grande trama de corrupção, porém, seguem estranhamente de fora aqueles que mais ganham dinheiro no Brasil com as decisões de Governo: os bancos.

Que não são os suíços.

Fernando Brito
No Tijolaço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.