18 de mai de 2018

Na última entrevista antes da prisão, Dirceu aprova estratégia do PT: “Está tudo arrumadinho”

Zé Dirceu
Lula Marques
José Dirceu era a imagem da resignação ao conversar com a reportagem do Congresso em Foco poucos dias antes de sua prisão definitiva. Sabia que dali a alguns dias – com o esgotamento de recursos, confirmação de sentença e ordem de execução de sua pena após condenação em segunda instância no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (Porto Alegre) – voltaria ao cárcere para longos anos de prisão. Mas, estrategista máximo do PT dentro ou fora da cadeia, Dirceu volta para prisão com o mapa político das eleições 2018 na cabeça. Um retorno esperado do qual seu pensamento quis fugir todos os dias até hoje. Do lado de fora, Dirceu leu muitas notícias e fez diversas reuniões que o levaram à seguinte conclusão a respeito da corrida presidencial de 2018: “A esquerda está certinha”.

O que Dirceu quis dizer não tem relação com a conduta de seu partido ou diz respeito às denúncias do mensalão ou da Operação Lava Jato. Entre o certo e errado, o ex-ministro da Casa Civil se refere à estratégia política em um cenário com o ex-presidente Lula condenado e preso na Lava Jato, mas líder das intenções de voto. “Do nosso lado, está tudo arrumadinho. [Guilherme] Boulos é candidato [do Psol]. Manuela [D'Ávila, do PCdoB] é candidata. Ciro [Gomes, do PDT] é candidato. Joaquim Barbosa, eu não sei o que vai acontecer, mas está no PSB, que em parte é do nosso campo”, vislumbrou o ex-cacique petista.

Nessa lógica de arranjos eleitorais, até mesmo o ex-ministro e relator do mensalão, Joaquim Barbosa, crítico ferrenho do PT, tem sido visto como alguém mais perto da esquerda do que qualquer outro candidato do centro ou da direita. O ex-magistrado se filiou a um partido em crise, mas que historicamente caminhou ao lado do PT e dos ideais de esquerda. Dirceu não sabia, mas cogitava, que o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal desistiria de concorrer à sucessão do presidente Michel Temer, em um banho de água fria nos 10% de eleitores que, segundo o Instituto Datafolha, nele votariam.

Ao diagnosticar a estratégia eleitoral do PT e seu entorno como correta, o ex-ministro dava mais uma pincelada sobre o que vinha repetindo a todos os que buscaram suas opiniões no período em que passou fora da cadeia.

A conversa transcorreu em uma tarde de uma dessas quartas-feiras de intensa movimentação no Congresso, em uma casa no Lago Sul, bairro valorizado de Brasília. Ao som do grupo cubano Buena Vista Social Club e cercado por uma estrutura de amigos e assessores que lhe permitem acesso ao mundo, Dirceu reiterava o discurso petista: não há plano B, não há alternativa de nome se Lula não for candidato. Vai além e pontua o prazo em que essa estratégia pode mudar: até julho ou agosto.

Nesse sentido, faz apostas altas. “O PT tem que ficar parado. Temos o candidato que ganha em primeiro e segundo turno com 40% dos votos. Pra que nós vamos nos mexer? Os outros é que estão todos desesperados, batendo cabeça, se afogando”, disse, com o característico sotaque mineiro carregado.

O processo

“Vivi clandestino quase 15 anos da minha vida”, recorda-se, ao lembrar do período em que foi preso, deportado e exilado em meio à ditadura militar (1964-1985). Em um dos períodos mais sombrios da recente história brasileira, em setembro de 1969, foi deportado para o México com mais 14 presos políticos, como contrapartida pela libertação do embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick, sequestrado naquele ano pela guerrilha armada antirregime.

Depois disso morou em Cuba e em, 1971, chegou a voltar na clandestinidade para o Brasil. Para não ser reconhecido, passou por cirurgias plásticas e mudou radicalmente sua aparência.

Dirceu conversava no campo da informalidade, sem a liturgia clássica do jornalismo de gravador e bloquinho de papel na mão. Em vários momentos, ele desvia o assunto e conversa amenidades. Estava na expectativa de rever amigos advogados naquele mesmo dia. “Só tive advogado que gosta de mim”, diz, diante de um dos muitos advogados que o acompanham.

Dirceu foi condenado como chefe da quadrilha no julgamento do mensalão, em 2012, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). De lá para cá, segundo investigadores, jamais deixou de delinquir, o que o ex-ministro da Casa Civil de Lula nega. Como ele mesmo disse em entrevista à colunista Mônica Bergamo (Folha de S.Paulo), veiculada em 20 de abril, apenas admite ter cometido um “erro” em uma relação nebulosa na negociação de um imóvel com o lobista e delator da Lava Jato Milton Pascowitch.

“Era um empréstimo não declarado. Que virou propina. Foi uma relação indevida. Admito. Mas não criminosa”, protestou o petista.

Sina

Era feriado de 15 de novembro de 2013 quando Dirceu teve a prisão decretada pela primeira vez. Na ocasião, ergueu o punho em saudação a militantes do PT ao se entregar na Polícia Federal de São Paulo, sob gritos de “Dirceu, guerreiro, do povo brasileiro!”. Ficou 354 dias preso, em Brasília, até conseguir a progressão de pena, em 2014, graças aos dias de trabalho e estudos dentro do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.

Voltou para a prisão menos de um ano depois, já em 2015, desta vez por causa da Lava Jato. Os pagamentos de empresários para a empresa de consultoria de Dirceu chamaram a atenção dos investigadores. Resultado: mais de 30 anos de condenação.

Quando perguntado sobre o que está lendo, o petista sorri e diz que vem lendo processos. Mas depois aponta obras de história, literatura e economia. Como a biografia de Vladimir Ilyich Ulyanov (1870-1924), mais conhecido como o revolucionário comunista Lenin, que lhe inspira ideologicamente, e Josef Stalin (1878-1953), secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética depois da Revolução Bolchevique. Dirceu diz não se recordar do autor das biografias, mas cita o mais recente livro do jurista Fábio Konder Comparato, A Oligarquia Brasileira (Contracorrente), entre suas leituras atuais.

Até 2016, o próprio Dirceu mantinha um blog com avaliações políticas e memórias, mas ele já desativou a página virtual. “O que eu falo acaba tendo muita repercussão. Então eu prefiro falar pouco. Coisa do Brasil, gosta de transformar as pessoas em celebridade”, explica.

Dirceu não terá acesso à internet na cadeia, mas já sabe o que fazer. Diz que vai trabalhar e ler o máximo que puder, como maneira de diminuir a pena. De vez enquanto, poderá enviar por meio de advogados instruções e pensatas ao comando do PT e à militância. Calcula em algo como cinco anos o total de pena que deve cumprir. Até lá, diz, a visita dos filhos e demais parentes servirão para diminuir o peso do cárcere.

Basilia Rodrigues e Fábio Góis

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.