10 de mai de 2018

Macri faz liberais brasileiros passarem vergonha com previsões estapafúrdias


A Câmara dos Deputados da Argentina reuniu-se pela primeira vez desde que o presidente direitista Maurício Macri anunciou que vai recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para evitar o colapso da economia local.

A Argentina poderá buscar até U$ 30 bi junto ao FMI para enfrentar uma corrida ao peso.

Apesar do anúncio, o dólar continuou em alta em Buenos Aires, a 23,10 pesos — 16 centavos a mais que no dia anterior.

O deputado Leopoldo Moreau, da oposição, acusou dois ministros de Macri de lucrarem com a especulação contra o peso.

Segundo ele, o ministro da Economia, Nicolás Dujovne, ganhou 14 milhões de pesos com a alta do dólar, o equivalente a R$ 2,2 milhões, enquanto o ministro das Finanças, Luis Caputo, teria lucrado 16 milhões de pesos (R$ 2,5 milhões).

Durante a sessão da Câmara, o deputado Agustín Rossi, também da oposição, fez uma analogia com o futebol para criticar a política econômica de Macri.

Lembrou a final da Copa de 2014, no Brasil, quando o atacante Palacio perdeu gol feito contra a Alemanha, tentando encobrir o goleiro.

Segundo Rossi, Palacio deveria ter tentado o gol batendo por baixo do goleiro, não por cima.

Da mesma forma, disse o deputado, a solução para Macri estimular a economia seria dar dinheiro aos de baixo, não favorecer os de cima.

Esta noite, a Câmara aprovou por 133 votos a 90, com 4 abstenções, uma lei que faz as tarifas de água e energia na Argentina retroagirem a novembro de 2017.

Até dezembro de 2019, elas só poderiam subir de acordo com os aumentos salarias.

Em geral, programas de ajuste do FMI exigem maior arrecadação através do aumento de tarifas, os clássicos tarifaços.

Macri pode barrar o projeto no Senado ou enfrentar o desgaste de vetar a medida.

No Brasil, internautas se divertiram com as previsões de que Macri se tornaria uma referência econômica para o Brasil.

Em janeiro deste ano, o site Antagonista descreveu o que seria “o exemplo de Macri para o Brasil”, mas menos de quatro meses depois já o denunciava como “o desastre social-democrata”.

Para a revista IstoÉ, a eleição de Macri teria posto fim “ao ciclo que levou o país para o buraco”.

Muitas piadas foram feitas com o Movimento Brasil Livre, a partir de um tweet do argentino Martín Fernandez, que disse que o MBL é “mais macrista que Macri” e, portanto, deveria ser nacionalizado argentino.

Também não escapou aos internautas artigo de Clóvis Rossi, na Folha de S. Paulo, que dizia: “Macri acaba de por na roda uma agenda revolucionária que, se copiada no Brasil para a campanha eleitoral de 2018, pode alça-la a um patamar enriquecedor”.

Embora mais dramático, o fracasso econômico da Argentina é parecido com o do usurpador Michel Temer.

Depois de assumir o poder graças ao golpe midiático-jurídico-parlamentar de 2016, Temer prometeu criar empregos com uma reforma trabalhista apoiada de forma quase unânime pelos barões da mídia, mas os brasileiros colheram bicos, informalidade e aumento no número de desempregados.


No Viomundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.