22 de mai de 2018

Ditadura de ocasião


Na última década, a Venezuela realizou 25 eleições, mais uma dúzia de referendos e plebiscitos. Todas elas, com pelo menos duas centenas de observadores internacionais e com matilhas de cães de guarda da mídia internacional a postos, prontas para acusar qualquer suspeita de fraude.

Nunca acharam nada.

Mas, como o chavismo vem, invariavelmente, ganhando todas, e os americanos ainda não conseguiram moldar um judiciário capaz de articular, na Venezuela, um golpe aos moldes do que foi feito no Brasil, a reeleição de Maduro reinstaurou a gritaria sobre essa ditadura de araque.

A desfaçatez chegou ao ponto de o governo Michel Temer, essa ópera bufa de 5% de aprovação, ter a cara de pau de acusar de ilegítimo um processo ao qual ele jamais se submeteu: as urnas.

E antes que alguém venha me dizer que Temer foi eleito na chapa de Dilma, eu recomendo, simplesmente, que nem comece com esse comportamento idiota.

Acreditar que o governo Temer - entreguista, antipopular e apoiado por movimentos fascistas - seja uma extensão do governo de Dilma, eleito por 55 milhões de brasileiros e brasileiras, é atestado de analfabetismo político, quando não de demência, pura e simples.

Leandro Fortes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.