18 de mai de 2018

Biógrafo de Tarso de Castro denuncia perseguição da Folha à filme sobre jornalista


O jornalista e escritor Tom Cardoso, biógrafo do jornalista Tarso de Castro, denunciou nesta sexta-feira (18), nas redes sociais, a perseguição da direção do jornal Folha de São Paulo ao filme “A vida extraordinária de Tarso de Castro”, dirigido por Leo Garcia e Zeca Brito.

O longa está em cartaz no Itaú Cinema, de São Paulo.

Tarso de Castro foi idealizador do semanário O Pasquim e um dos maiores jornalistas do país nos anos 1970. Foi dele também a ideia de criar o caderno cultural Folhetim, um dos mais lidos da Folha.

Além da biografia de Tarso de Castro, Tom Cardoso é autor de outros livros do gênero, a exemplo das biografias Sócrates (sobre a vida do ex-craque da Seleção Brasileira), O Marechal da Vitória: uma história de rádio, TV e futebol (sobre a vida do fundador da TV Record Paulo Machado de Carvalho) e o Cofre do Dr. Rui, livro-reportagem que narra o assalto ao cofre de Adhemar de Barros em 1969, pela Var-Palmares, organização que lutava contra a ditadura militar no país.

Escreve Tom Cardoso sobre a perseguição da Folha:

Estava tudo marcado: no dia 23 a Folha promoveria um debate, no Itaú de Cinema, sobre o filme “A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro”, dirigido por Leo Garcia e Zeca Brito”.

Nada mais justo.

Tarso, como se sabe, foi um dos mais influentes e lidos colunistas da Folha.

O preferido do velho Frias, que o considerava um dos cinco maiores jornalistas da história do jornal.

Tarso e Frias se amavam. Dos jantares no Rodeio, nasceu o caderno mais lido da história do jornalismo cultural pós-Pasquim: o “Folhetim”.

Otavinho, filho do velho Frias, hoje no comando da Folha, jamais engoliu Tarso. Por inveja e ciúmes.

Quando assumiu o jornal no lugar do pai e implantou o “Padrão Folha de Jornalismo”, Otavinho tratou logo de enquadrar o jornalista mais fora do padrão do pais: Tarso de Castro.

Ao ser demitido, Tarso escreveu:

(…) Minha coluna na Folha de S. Paulo é meu analista. Lá faço meus desabafos. As pesquisam mostram que é uma das colunas mais lidas do país (…)

(…) Nosso jornalismo tornou-se tão especializado que perdeu a alma. Os jornais ficaram muito iguais (..)

(…) Busco munição nos bares, nas conversas cotidianas

(…) E não há copidesque para minha coluna. Ela sai como um esporro.

(…) Os jornais brasileiros acabaram com o talento individual, com o jornalista de estilo próprio.

Pois é, com a saída do Tarso, com a reforma editorial da Folha, o processo de padronização, o advento dos gráficos estatísticos, etc etc o jornal ficou “limpinho”. E bunda mole.

Boris Casoy tomou conta do jornal.

Os burocratas venceram.

Um deles, Marcos Augusto Gonçalves, acaba de escrever no seu blog uma crítica acabando com o filme sobre o Tarso.

Até ai, tudo bem. Ele está lá para agradar o patrão: Otavinho.

Mas há pouco recebi uma ligação de uma produtora do filme, desesperada;

– Tom, após as críticas do Marcos Augusto, o debate foi cancelado. Pior: o Itaú de Cinema, que tem ligações com a Folha, está ameaçando tirar o filme de cartaz.

Que a Folha é pluralista de butique, todo mundo já sabe.

Mas ela nunca foi tão canalha.

Volta, Tarso!

Rafael Duarte
No SaibaMais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.