22 de mai de 2018

Advogado do Golpe pode levar Moro para a cadeia!

Damous denuncia Moro por ligação com o Dr Willians

Dr Willians (E), o Imparcial e Incorruptível, e um tucano bilionário (D)
Divulgação/LIDE
Em seu presente tour pelos USA, que teve início no dia 15/V - quando o Moro voltará a bater ponto na comarca de Curitiba?, pergunta o Conversa Afiada -, o "Judge Murrow" participou de várias atividades peculiares: foi escrachado em inglês, recebeu o prêmio (cafona) de "Personalidade do Ano" , tirou foto com um ex-prefeito e com uma tchurma de notáveis e foi até paraninfo de uma formatura na Universidade de Notre Dame, em Indiana.

("Indiana" é bem mais fácil de pronunciar do que "Massachussets"!)

Um desses eventos foi o Brazilian Investment Forum, em Nova York, no dia 16/V.

Trata-se de um evento para - de acordo com o próprio site - "reunir empresários e investidores nacionais e internacionais" com objetivo de "debater relações bilaterais entre Brasil e Estados Unidos".

(Debater relações... Não precisamos mais de Itamaraty: temos o Investment Forum!)

Image result for Brazilian Investment Forum, em Nova York 2018

O tal fórum foi organizado pelo LIDE, a empresa do ex-prefake de São Paulo, João Agripino Doria, especialista em - quando não está fantasiado de gari - organizar palestras, simpósios e outros eventos para apresentar políticos a ricos e ricos a políticos.

O co-palestrante da noite foi Carlos Marun, ministro da secretaria de governo do MT, defensor de primeira hora do presidente ladrão e acusado de tomar R$ 16 milhões do erário público do Mato Grosso do Sul.

Mas esse não é o aspecto mais interessante do evento.

O LIDE Brazilian Investment Forum recebeu o patrocínio de quatro empresas brasileiras - uma delas é o escritório Nelson Willians & Advogados Associados.


Não é a primeira vez que Nelson Willians - sócio-proprietário do escritório de advocacia -, Moro e Doria estiveram juntos em eventos do LIDE. Em setembro de 2015, Moro e Willians participaram de um "almoço-debate" sobre a Operação Mãos Limpas. Em março de 2016, outro evento: a palestra "Empresas e Corrupção", organizada pelo LIDE Paraná .

Foto: Divulgação
(Nelson Wilians e Moro após a palestra “Empresas e Corrupção” 
Divulgação
Na Carta Capital, em 2016, o repórter André Barrocal mostrou que o escritório tem relações estreitas com o Golpe dos canalhas e canalhas: foi contratado (sem licitação) para arbitrar uma disputa milionária envolvendo o Porto de Santos e o Grupo Libra. Além disso, dois de seus sócios redigiram um pedido de cassação da presidenta Dilma, entregue ao então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, pelo ex-ator pornô Alexandre Frota.

Há suspeitas, também, de que dois jatinhos do escritório Nelson Willians teriam sido utilizados para transportar deputados pró-Golpe no fim de semana da abertura do impeachment na Câmara.

O escritório também assinou um contrato suspeito com o Banco do Brasil em 2016, após o banco resolver terceirizar quase metade de suas demandas jurídicas.

O Diário do Centro do Mundo, em matéria de Joaquim de Carvalho, lembra que o escritório, um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil, tem a Petrobras como um de seus principais clientes.

Uma rápida pesquisa pelo Google comprova a relação.

Esse tipo de palestra, normalmente, tem um custo alto. Segundo o DCM:

Lula, por exemplo, cobrava 200 mil dólares por palestra, o mesmo valor das palestras do ex-presidente Bill Clinton, e foi questionado pelos procuradores da Lava Jato, que vazaram à imprensa as informações sobre as palestras como indício de corrupção.

Para se defender, Lula apresentou a relação de palestras que fez e nelas havia grandes empresas sem nenhum relação com a Petrobras, incluindo a Globo.

Se Lula foi pressionado por conta das palestras que realizava, por que Moro pode fazer as suas sem ser questionado, ainda mais levando em consideração que uma delas teve o patrocínio de um escritório que é contratado pela Petrobras?

Image result for moro rosangela parente
Está explicada, então, a presença do Pedro Malan Parente no evento 
Créditos: Vanessa Carvalho/Estadão)
Em tempo: a própria Petrobrax também foi apoiadora do evento em que Moro foi agraciado "Personalidade do Ano": pagou U$26 mil dólares por uma das mesas do evento!

Em tempo²: via PT na Câmara:

O deputado Wadih Lula Damous (PT-RJ) vai denunciar o juiz Sérgio Moro ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por conflito de interesses envolvendo a Petrobras e um escritório de advocacia de São Paulo. Damous enxergou grave violação do Código de Ética da Magistratura, o qual deveria ser observado pelo juiz de Curitiba.

Moro participou como palestrante de evento em Nova York, organizado pelo pré-candidato João Doria (PSDB) e que teve entre os seus patrocinadores o escritório de advocacia Nelson Wilians, que atende a Petrobras. “Ele (Moro) fez um périplo, nas últimas semanas, pelos EUA. Foi à Nova Iorque, em um evento com a participação de João Doria, com quem ele tem relações promíscuas, como, aliás, tem com todo tucanato”, acusou.

No CAf

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.