2 de mai de 2018

A novembrada de Temer (e a abjeção de Doria)


Em 30 de novembro de 1979, o general João Figueiredo foi a Florianópolis. Ele assumira a presidência em março e, numa tentativa desesperada de popularização do regime militar, desfilava pelo país fazendo comícios. Era vendido como "João, o presidente da conciliação". O ex-chefe do SNI, de semblante fechado e sempre com soturnos óculos escuros, fora remodelado como um cavalariano rude mas sincero, capaz de se comunicar com o povão.

Mas em Florianópolis tudo deu errado. A pequena multidão reunida na praça XV de Novembro para saudar o general preferiu aderir ao protesto que um grupo de estudantes estava promovendo - e, ainda mais, coloriu o protesto com suas palavras de ordem preferidas, em especial "um, dois, três, quatro, cinco, mil, eu quero que Figueiredo vá pra puta que o pariu". Irritado, ele desceu do balcão do palácio Cruz e Sousa, onde deveria discursar, e foi para a praça, pretendendo, segundo disse, "dialogar com os manifestantes".

Resultado: Figueiredo e sua comitiva apanharam do povo nas ruas de Florianópolis. O episódio passou à história como "a novembrada".

Hoje, Michel Temer recebeu sua cota de xingamentos, chutes e pedradas ao tentar visitar os atingidos pelo desabamento do prédio em São Paulo (xingamentos para ele, chutes e pedradas só em seu veículo). As pessoas não queriam ganhar a falsa solidariedade do golpista. Entendem muito bem que são vítimas do descaso histórico dos governos com a questão da moradia popular - e que o golpe só piorou a situação, com suas políticas abertamente antipovo.

Figueiredo, em 1979, tentava implantar uma estratégia de marketing absurda, saída da mente de Said Farhat, então tido como "mago" da publicidade governamental. Já Temer parece absolutamente incapaz de se olhar no espelho e entender que é tão impopular, tão malquisto, tão desagradável a todos os brasileiros, tão tóxico, que a única maneira de melhorar sua imagem seria conseguindo se afastar de si mesmo.

Mas, como tudo pode ficar pior, depois aparece João Doria. Temer tentou, é verdade que desastradamente, usar a tragédia para se mostrar "solidário". Doria preferiu faturar politicamente escarnecendo das vítimas, a quem acusou de pertencer a uma "organização terrorista".

Qual é mesmo a diferença entre Doria e Bolsonaro?

Luis Felipe Miguel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.