20 de abr de 2018

Tiro no pé


No segundo turno da eleição presidencial de 2006, o candidato tucano Geraldo Alckmin encolheu 2,4 milhões de votos em relação aos 40 milhões que havia obtido na primeiro. Seu adversário, o ex-presidente Lula, foi reeleito com 60,1% dos votos, o maior sufrágio da história até hoje. Houve na época um consenso analítico: o tucano encolheu porque frustrou sua base, abandonando a agenda liberal, renegando privatizações e medidas fiscais severas. Agora, novamente ele pode ter dado um tiro no pé ao tripudiar sobre o infortúnio de Aécio Neves, exortando-o a não disputar cargo algum para não prejudicar sua campanha, depois de ter virado réu no STF. O troco pode ser uma barreira contra a entrada de Alckmin em Minas, o que seria fatal para quem já é refugado pelo Nordeste.

A muito custo, Alckmin havia conseguido a proeza de convencer o senador Antônio Anastasia a disputar o governo para lhe garantir um palanque em Minas. Anastasia pode até recuar mas ainda que se mantenha no páreo, ele é uma invenção de Aécio, de quem é leal escudeiro. Aécio pode ter perdido sua força eleitoral mas não perdeu o comando da maquina partidária. Ele já não havia perdoado os tucanos de São Paulo por aquela desfeita na convenção do partido em dezembro, quando foi recebido aos gritos de “fora Aécio”, não foi chamado para a mesa e, na falta de clima, ficou apenas 40 minutos na festa. Estava licenciado da presidência do partido desde maio, quando estourou o caso JBS.

Alckmin não esperou nem baixar a poeira levantada pela decisão do Supremo para ditar outra condenação ao mineiro. Depois de proclamar que “a lei é para todos” emendou: “Aécio sabe o que penso. E claro que o ideal é que não seja candidate, é evidente”. A mágoa dos tucanos mineiros é grande. Não vão passar recibo mas, se conheço Minas, vai ter troco. Em 2006, Aécio era um governador altamente popular, reelegeu-se no primeiro turno. Houve em Minas a pregação da chapa Lulécio, Lula e Aécio, e para desmentir suspeitas de traição, ele arregaçou as mangas e garantiu ao paulista uma votação maior que a esperada, de 40,6% dos votos no estado. Não impediu, porém, que no segundo turno ocorresse ali também a sangria de votos que foi geral, em quase todos os estados. A votação de Alckmin despencou para 34,8%.

Rejeitado no Nordeste, enfrentando a concorrência de Bolsonaro em São Paulo e a de Álvaro Dias no Sul, Alckmin precisa muito de Minas. Mas pode ter fechado a porteira.

Tereza Cruvinel
No JB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.