18 de abr de 2018

Os pecados do Santo

Seis presidentes do metrô do Alckmin vão em cana!

R$ 615 milhões para comprar e não usar trens de metrô




A Justiça de São Paulo tornou réus o atual presidente do Metrô e cinco ex-presidentes, entre eles o secretário de Transportes Metropolitanos do estado, Clodoaldo Pelissioni, por improbidade administrativa pela compra de 26 trens por R$ 615 milhões que ficaram sem uso porque a linha 5-Lilás não estava pronta.

Quem virou réu:

Clodoaldo Pelissioni - atual secretário de Transportes Metropolitanos e ex-presidente do Metrô

Paulo Menezes de Figueiredo - atual presidente do Metrô

Sérgio Avelleda - ex-presidente do Metrô e atual chefe de gabinete da Prefeitura de SP

Jorge Fagali - ex-presidente do Metrô

Peter Walker - ex-presidente do Metrô

Luiz Antonio Pacheco - ex-presidente do Metrô

Jurandir Fernandes - ex-secretário de Transportes Metropolitanos

Laércio Biazzotti - ex-executivo do Metrô

David Turubuk- ex-executivo do Metrô

Além dos nove réus, o Metrô também terá que responder na Justiça.

Na decisão, o juiz Adriano Marcos Laroca afirma que “segundo informações técnicas constantes dos autos, o teste definitivo do trem só poderia ser realizado na própria linha e, mesmo estando os trens parados sem uso em diversos locais, há mais ou menos quatro anos, além de outros desgastes do produto adquirido, e também o serviço de assistência técnica que pode ter sido afetado, exigindo nova contratação”.

Em 2010, o governo de São Paulo determinou paralisação das obras da linha onde os trens seriam usados por causa das denúncias de irregularidades no processo de licitação. Recentemente, os responsáveis pelas obras foram condenados.

Mesmo com as obras paradas, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) comprou os trens em 2011. Na ação, que agora foi aceita, o promotor Marcelo Millani afirmou que "os trens estão abandonados e foram vandalizados".

(...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.