9 de abr de 2018

Identificado o agressor de Manuela D'Ávila, protegido pela PF

Cumplicidade policial com atos de violência coloca em risco segurança de ex-Presidente Lula, denunciam parlamentares

Homem que agrediu deputada Manuela tem acesso livre à Superintendência da PF onde está o ex-Presidente Lula


As primeiras informações sobre a identidade do homem que invadiu a área onde estão os apoiadores do Presidente Lula, em Curitiba, na tarde desta segunda-feira (9), são de que ele possa ser membro da Polícia Civil do Paraná. Durante um ato pacífico pró-Lula, o homem, conhecido com “Karlindo”, saiu de dentro da Superintendência da Polícia Federal e agrediu a deputada estadual Manuela d´Ávila (PCdoB-RS). Para deixar o local e não ter sua identidade revelada, o homem contou com a conivência e "cobertura" dos policias.

Nas redes sociais, Alexandre Frota comemorou o ato de violência promovida pelo homem que também é apoiador de Jair Bolsonaro: “Karlindo prometeu e cumpriu”, escreveu Frota em uma conta na rede social, revelando que a ação foi premeditada.

Líder do PT na Câmara dos Deputados, o deputado Paulo Pimenta demonstra preocupação com a segurança do Presidente Lula. O petista conta que toda a ação foi facilitada pelos policiais. “O fato de ser uma ação premeditada torna o episódio ainda mais grave. Durante todo o tempo, ele esteve amparado pelos policiais. Entrou e saiu escoltado pela Polícia. Cobramos a identificação do homem, e eles se recusaram a fornecê-la, pois as suspeitas iniciais são de que se trata de um colega de farda, por isso eles estão tentando omitir a identidade do agressor”, denuncia Pimenta.

Outros parlamentares presentes em Curitiba revelam preocupação com a segurança do ex-Presidente Lula, como o senador Lindbergh Farias (PT) e a própria deputada que foi agredida, Manuela d´Ávila.

Manuela comentou o ataque sofrido hoje (9) e lembrou o episódio dos áudios, confirmados pela Força Aérea Brasileira, que pediam que jogassem Lula pela janela do avião que o transportava para Curitiba. “A preocupação é a integridade do Presidente Lula. O cara me agride e sai escoltado. A obrigação de esclarecer todos os fatos é da Polícia Federal”, protestou.

O senador Lindbergh também cobrou respostas da Polícia Federal. “Quem é essa pessoa? Trabalha aqui? É agente? É carcereiro? Se foi um funcionário da Polícia Federal, ou não, isso tem que ser esclarecido”, questionou.

Até o momento nem a Polícia Federal nem a Polícia do Estado do Paraná deram qualquer esclarecimento. A Presidenta do PT, Gleisi Hoffmann anunciou que às 17h30 haverá uma reunião na Superintendência da Polícia Federal para pedir apuramento o caso.

Liderança do PT na Câmara dos Deputados




A deputada estadual e pré-candidata do PCdoB à Presidência, Manuela D´Ávila (PCdoB), foi agredida verbalmente no acampamento de Curitiba, próximo à sede da Polícia Federal, onde está preso o ex-presidente Lula, por um desconhecido, eleitor de Bolsonaro, que, após a provocação, foi escoltado por agentes da Polícia Militar e entrou no prédio da corporação com outros dois homens.

O homem pediu para tirar uma foto com Manuela e, quando conseguiu ficar ao seu lado, disse: "aqui é Bolsonaro 2018". A deputada reagiu dizendo que o problema não era o seu apoio no candidato do PSL. "O problema é que ele voltou escoltado pela polícia e saiu de lá. Eu quero saber quem ele é, eu estava tentando fotografá-lo. Eles têm a obrigação de falar quem ele é. Porque senão eu posso deduzir que ele é o carcereiro, é isso?", questionou.

"A gente tem o direito de estar preocupado com a integridade física do ex-presidente", cobrou ainda Manuela, lembrando dos áudios que foram vazados do voo que levou Lula para a prisão. "A obrigação de identificá-lo é da polícia", completou a parlamentar. O deputado Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara, e o senador Lindbergh Farias endossaram a cobrança.

Pimenta destacou que eles não podem aceitar que os manifestantes que defendem a liberdade de Lula, que estão acampados no local, recebam "tratamento extremamente rigoroso, violento" da Polícia Militar e que "qualquer pessoa pode sair do prédio da Polícia Federal, vir aqui hostilizar a deputada Manuela D´Ávila e retornar para o prédio da PF acompanhada de policiais militares. Nós exigimos que essa pessoa seja identificada", afirmou.

Assista aos dois vídeos em que Manuela denuncia a provocação e os parlamentares do PT cobram a identificação do homem:






Vagabundo protegido pela PF é assessor de filho de Bozonazi

Assessor Parlamentar do Deputado Federal Eduardo Bolsonaro. Lotado no escritório de São Paulo/SP.

No Esquerda Caviar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.