2 de abr de 2018

Fake News no varejo e também no atacado, a estratégia da direita

Agora está bem claro que a estratégia dos novos grupos organizados da direita passa centralmente pela divulgação de “fake news” – eles dependem disso para manter sua militância sempre em pânico e com a faca nos dentes.

É bom não esquecer que o discurso das “fake news” serve para promover os méritos do jornalismo corporativo, que seria o guardião da “verdade”. Mas a manipulação que ele promove incide de forma muito mais grave na construção das representações da realidade, com efeitos muito mais duradouros. A ideologia disseminada pelo jornalismo é “fake news” no atacado, condição necessária para que o MBL e outros instalem seu varejo.

Instituições funcionando de forma republicana é “fake news”. Judiciário imparcial é “fake news”. Rombo da previdência causado por excesso de benefícios é “fake news”. Carga tributária elevada no Brasil é “fake news”. Doutrinação de esquerda nas escolas é “fake news”. Agronegócio como caminho da modernidade é “fake news”. Empreendedorismo é “fake news”. Meritocracia é “fake news”.

Por último, mas também importante: não ter uma expressão em português para “notícias falsas” também é “fake news”.

Luis Felipe Miguel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.