14 de abr de 2018

Ditadura do judiciário expõe a cara da Republica de Curitiba

Justiça fixa multa diária de R$ 500 mil a manifestantes pró e contra Lula

Jailton Juan Carlos Tontini
A Justiça do Paraná fixou multa de R$ 500 mil por dia aos manifestantes de movimentos favoráveis e contrários ao ex-presidente Lula que ocupam o entorno da Superintendência da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, em Curitiba. São réus a Central Única dos Trabalhadores (CUT); o Partido dos Trabalhadores (PT/PR); Movimento Curitiba Contra Corrupção; Movimento Brasil Livre (MBL) e Movimento UFPR Livre. Confira a decisão do juiz  (link 1 e link 2).


Diz o despacho assinado pelo juiz substituto da 3ª Vara da Fazenda Pública, Jailton Juan Carlos Tontini: “... diante do elevado número de pessoas existentes na área e com o intuito de dissuadir os réus – evitando, inclusive, a necessidade de medidas mais enérgicas, como, por exemplo, o uso de força policial –, compreende-se que o valor da multa diária deve ser estabelecido em R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) para cada réu que descumprir a ordem judicial, e sem prejuízo de eventuais outras sanções cíveis e criminais aplicáveis.”


A decisão tem por base o descumprimento do interdito proibitório concedido liminarmente à Prefeitura de Curitiba e expedido no último domingo, dia 8, pelo juiz Ernani Mendes Silva Filho que determinava “… para que os réus se abstenham de transitar nas áreas descritas na inicial, não impeçam o trânsito de pessoas e coisas na mencionada área, bem como se abstenham de montar estruturas e acampamentos nas ruas e praças da cidade”.


Desde a condução do ex-presidente Lula à sede da PF em Curitiba, cerca de 500 pessoas estão acampadas permanentemente na vizinhança do prédio da instituição causando transtornos e a precarização na prestação dos serviços públicos aos moradores pelo bloqueio às ruas.

No Prefeitura de Curitiba




INFORME SOBRE MOVIMENTAÇÕES PROCESSUAIS ENVOLVENDO O ACAMPAMENTO LULA LIVRE E O PEDIDO DE TRANSFERÊNCIA DE LULA

✔ Como é de conhecimento de todxs, o Município de Curitiba ajuizou ação de interdito proibitório, junto ao plantão judiciário, conseguindo liminar para desocupação do acampamento na noite do sábado (07/04) em que Lula chegou à sede da Superintendência da polícia federal em Curitiba.

✔ O Coletivo Advogadas e Advogados, na manhã do domingo (08/04), impetrou Habeas Corpus Coletivo, da decisão liminar, já historicizando a violência policial que atingira os manifestantes que estavam no Acampamento Lula Livre naquela noite de sábado, requerendo a suspensão liminar da liminar deferida.

✔ O recurso de habeas corpus, quando é impetrado durante o plantão judiciário, deve ser feito em meio físico (impresso) e somente depois de redistribuído, ao final do plantão, o recurso é digitalizado e inserido no sistema de processo eletrônico, que na justiça estadual do Paraná, se chama Projudi.

✔ O habeas corpus é um recurso de segunda instância. O juiz substituto de 2º Grau, não com a mesma rapidez que o juiz plantonista de 1º Grau deferiu a liminar de interdito proibitório ao Município de Curitiba, despachou na manhã da segunda-feira (09/04), indeferindo o pedido liminar do CAAD porque a petição impressa do HC, ainda que constassem os nomes e dados de identificação de todos os impetrantes, somente estava assinada pela advogada que fora até o Centro Judiciário protocolar o recurso em meio físico.

✔ Porém, mesmo indeferindo a liminar, o juiz plantonista mandou pedir informações às autoridades coatoras apontadas no HC e determinou a redistribuição do recurso para que passasse a tramitar normalmente, fora do plantão judiciário, assim como feito com o interdito proibitório do Município de Curitiba.

✔ Assim, redistribuído, o recurso de habeas corpus impetrado pelo CAAD passou a tramitar junto à 17ª Câmara Cível do TJPR, sob nº 0012590-61.2018.8.16.0000, tendo como relator o desembargador Fernando Paulino da Silva Wolff Filho.

✔ Por sua vez, o interdito proibitório, igualmente redistribuído, passou a tramitar junto à 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba.

✔ O relator do HC impetrado pelo CAAD declinou da competência ao constatar que uma das autoridades apontadas como coatora é a governadora do Paraná, determinando nova redistribuição do recurso para o Órgão Especial do TJPR, por questões regimentais.

✔ Enquanto o habeas corpus permanece sem a ordenada redistribuição para que possa ser apreciado, o interdito proibitório continua tramitando com celeridade.

✔ O Município de Curitiba juntou um “Relatório de Missão”, com 28 páginas, contendo fotografias do Acampamento Lula Livre e o mapeamento das circunstâncias sob o ponto de vista da municipalidade o juiz substituto da 3ª Vara da Fazenda Pública, Jailton Juan Carlos Tontini, determinou a inclusão, no polo passivo do Interdito Proibitório, dos seguintes entes:

1. MOVIMENTO BRASIL LIVRE - MBL, representado por ARI CRISTIANO NOGUEIRA.
2. CUT – CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES, representado por REGINA PERPÉTUA CRUZ.
3. MOVIMENTO CURITIBA CONTRA CORRUPÇÃO, representado por THIAGO FRANCISCO MOREIRA BRANCO.
4. MOVIMENTO UFPR LIVRE, representado por BRUNO KAISER ROSS ORTIZ.
5. PARTIDO DOS TRABALHADORES, representado por FLORISVALDO FIER.

✔ Além disso, o juiz determinou a expedição de mandato de intimação para os entes acima e quem quer que seja que venha a ser encontrado no acampamento, “determinando aos réus que imediatamente cumpram a ordem judicial proferida pelo Juízo, sob pena de multa no valor de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) por dia ao réu que a descumprir, sem prejuízo de outras sanções cíveis e criminais cabíveis”, abrindo prazo de cinco dias para manifestação do Município de Curitiba.

✔ Como se não bastasse, ao final da última sexta-feira (13/04) o Município de Curitiba, juntando cópia do relatório de missão, peticionou nos autos da execução provisória da pena, junto ao Juízo da 12ª Vara Federal de Curitiba, informando a existência da liminar deferida no interdito proibitório da justiça estadual e requerendo a transferência de Lula da sede da Superintendência da Polícia Federal, “para o cumprimento da pena em local seguro e adequado às circunstâncias do caso, restabelecendo-se a ordem, o direito de ir e vir e a segurança da população.”

✔ Como o Município de Curitiba esqueceu-se de informar à Justiça Federal a existência de recurso de Habeas Corpus impetrado pelo CAAD, na madrugada deste sábado (14/04), o Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia, na condição de impetrante do referido Habeas Corpus, peticionou em resposta ao pedido feito pela Prefeitura de Curitiba, alertando para a existência do recurso e pedindo o indeferimento do pedido formulado pelo Município de Curitiba, por entender que se estaria incorrendo em usurpação de poder, permitir que o Poder Público Municipal possa interferir em tal decisão, que deve caber única e exclusivamente ao juízo da execução penal.

✔ O CAAD demonstrou, ainda, que a liminar deferida ao Município de Curitiba é nula, uma vez que foi deferida sem ouvir a manifestação do Ministério Público, que até agora não emitiu parecer no interdito, sendo que a Lei Brasileira determina que “o Ministério Público deve intervir como fiscal da ordem jurídica nos processos que envolvam interesse público ou social” e, “se o processo tiver tramitado sem conhecimento do membro do Ministério Público, o juiz invalidará os atos praticados a partir do momento em que ele deveria ter sido intimado”

✅ O CAAD disponibiliza, através dos links a seguir:

1. Íntegra do processo de Interdito Proibitório proposto pelo Município de Curitiba, com toda a movimentação até a presente data: https://drive.google.com/file/d/1y_uGm6v3IOISRNeiecaOmpSqqitq1gSL/view?usp=sharing

2. Íntegra do recurso de Habeas Corpus Coletivo, proposto pelo CAAD, com toda a movimentação até a presente data: https://drive.google.com/file/d/1CxiMty3Z3ay__bzkYMNSZEKrM74vvfpC/view?usp=sharing

3. Petição do Município de Curitiba nos autos da execução provisória da pena, junto a 12ª Vara Federal de Curitiba: https://drive.google.com/file/d/1IA1TH5L225paPGlJy-KMiv_RpoDZhvKD/view?usp=sharing

4. Relatório de Missão juntado com a petição pelo Município de Curitiba: https://drive.google.com/file/d/1O6HWXnjOAnZaqyyjKvENzrdfwL4T3qm4/view?usp=sharing

5. Petição do CAAD em resposta ao pedido da Prefeitura nos autos da execução provisória da pena, junto a 12ª Vara Federal de Curitiba: https://drive.google.com/file/d/1v-olfNbMdyvuhmX7GU-x5cZhgwLW_DdJ/view?usp=sharing

De Curitiba para o Brasil, 14 de abril de 2018.

⚖ Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia – CAAD ⚖

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.