29 de mar de 2018

Insegurança pública

"É inadmissível" foi a expressão mais dirigida ao novo estágio da crise pelas chamadas autoridades, incluídos Michel Temer e o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Mas não é verdade.

A hostilidade à caravana de Lula só atravessou a última fronteira da manifestação política estúpida, para reinstalar o atentado a bala na política nacional, porque as tais autoridades o consentiram. Mais do que isso: o incentivaram, o incentivam há anos. Tanto com a indução ao acirramento bancado por empresários da direita radical, quanto, como complemento, com a omissão ante a violência a pretexto de política — nas ruas e nas instituições dirigentes.

Não por acaso, difundia-se a notícia do ataque a bala à caravana de Lula, no Paraná, quando o ministro Edson Fachin dispôs-se a relatar ao jornalista Roberto D’Ávila, na GloboNews, ameaças criminais à sua família, decorrentes do seu encargo de relator da Lava Jato no Supremo.

O rígido juiz é um risco para políticos de esquerda e de direita, para servidores e empresários poderosos. Deveria estar sob a mais meticulosa proteção, com os familiares. Mas, revelou na entrevista, ainda depois de pedir ao governo e no Supremo maior segurança, não recebeu as providências na medida esperada.

Edson Fachin é um integrante da mais alta corte de Justiça a provar quanto é falso o "inadmissível" das chamadas autoridades. E como são coniventes com o progressivo seguir do país para o conflito.

Na responsabilidade imediata pelo uso de armas contra a caravana de Lula, estão os governadores Beto Richa, do PSDB do Paraná, e os emedebistas Ivo Sartori e Eduardo Pinho Moreira, do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Por vontade, incompetência ou preguiça, não cumpriram a sua obrigação constitucional e cívica de garantir a integridade de atos políticos pacíficos e legais.

As sucessivas agressões contaram com meros arremedos de policiamento, o que ficou mais evidente por serem os atacantes, sempre, grupelhos de ruralistas, de fácil contenção policial. Cada ataque incentivou um outro, em crescendo.

Nisso tudo, e em todo o restante, não se compreende a que vieram o Ministério da Segurança Pública e seu ministro microfônico. Por mais que fale, e talvez por isso, Jungmann não dilui a impressão de que está zonzo, perdido, inútil. Reprodução biológica do seu ministério.

Possível colaboração com o aumento deliberado de atos provocativos, a barbaridade policial paraense prendeu agora o padre Amaro Lopes sob acusação de "assédio sexual", a mais em moda para submeter a repúdios. Sem faltar aos patrocinadores ruralistas, à acusação principal juntaram a de estimular ocupação de terras. Diante disso, o fim da freira Dorothy Stang, de quem Amaro Lopes é um dos continuadores, faria esperar alguma ação do ministério de Jungmann. Nada, porém.

Ainda no Pará, o arqueólogo Raoni Valle sofreu um atentado dentro de sua casa em Alter do Chão, um dos paraísos brasileiros. Especialista em pesquisa de arte rupestre, com muitos trabalhos publicados também no exterior, Raoni está refugiado com a família. Como batalhador das causas indígenas, é, claro, outro ameaçado. A quem o Ministério da Segurança Pública deve, e não entrega, a proteção à vida.

Explica-se: se em casos tão gritantes, como uma caravana política e um ministro do Supremo Tribunal Federal, a Segurança Pública não coordenou a proteção de uma nem fez a plena proteção do outro, não iria inovar com a proteção à vida de indivíduos que incomodam ruralistas. Ainda mais nos cafundós do cemitério amazônico.

Janio de Freitas
No fAlha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.