9 de fev de 2018

Recibo atrás de recibo: Lava Jato – via Anta-gonista – confirma tudo o que antecipamos!


A “passação” de recibo não acaba mais lá em Curitiba. Devo confessar a vocês que não acompanho o que os lavajateiros fazem publicar no site “O Antagonista”. Não só pela toxicidade, mas principalmente pela falta de tempo para/ inconveniência de acompanhar o conteúdo – descontínuo – de um site que vive de (apenas) plantar “notinhas”.

Por isso, dependo sempre do aviso dos leitores sobre algo “relevante” (com sinal trocado) que os lavajateiros façam publicar por lá.

Vamos lá:
[“Exclusivo”? Oi?!

Vocês tem que assinar o Duplo Expresso urgente!

*

Notem como a tônica aqui – como na notinha do filho da Miriam Leitão – é insistir no confusionismo entre “MyWebDay” e “Drousys”.

Vai ser isso mesmo: eles não tem como liberar o “MyWebDay”, pelos motivos que já discutimos:

“Terror! – há provavelmente ali, no “MyWebDay”, tudo o que a Lava Jato sempre escondeu:

– A corrupção de, e.g., juízes, procuradores, Ministros do STF, do TCU, auditores da Receita, Conselheiros do CARF, donos de veículos da grande mídia (“lavajatófilos”), jornalistas plantadores de “notinhas” e… tucanos!

Possivelmente, com mais uma “cereja” (atômica?) sobre esse “bolo”:

– O (há tanto sonegado…) registro das instituições financeiras – ah-rá! – pelas quais toda essa dinheirama circulou!

(Ka-boooom!)
”]
O Antagonista apurou que a Polícia Federal entregará a Sergio Moro, no próximo dia 23, o laudo da perícia no sistema Drousys, usado pela Odebrecht para registrar a propina paga a centenas de políticos.
[“Apurou”?

Jura?

Voltando ao primário:

9/fev (data limite anterior) + 14 dias (duas semanas) = 23/fev!

Bingo!]
Os peritos vão entregar primeiramente o chamado “laudão” ou “laudo mãe”, que trará os critérios de consulta – repetindo modelo usado nas investigações do Banestado.
[“Repetindo o Banestado”?

Vocês resolveram ajudar o nosso lado?!

“Banestado”…

É aquela operação que não deu em nada?

E que, justamente por isso, é o maior esqueleto no armário de Sergio Moro e dos procuradores do Paraná?

(e também do TRF-4!)

*

Dica de leitura para vocês, Anta-gonistas:


#DarioMe$$er

*

“Laudão” é ótima!

Eufemismo para “declaração genérica, sem qualquer concretude, ditada apenas pelo imperativo de gerar manchetes de impacto”.

Mas…

– … com reduzida, i.e., tanto quanto possível, “exposição jurídica” dos “peritos” em virtude da fraude que ora são compelidos a produzir.

Uma coisa é dizer “O Drousys [e não o MyWebDay! haha] é um “Outlook/ Whatsapp” da Odebrecht… e o sistema (!) não apresenta sinal de manipulação”…

Qual “Drousys” é esse, amiguinhos? 😉


*

Outra coisa, bem diferente, é dizer “a planilha ‘x’, usada como prova no processo ‘y’ não foi fraudada!” 

*

A propósito – do Paraná Portal/UOL:

(o mesmo que noticiou a prorrogação/ “barata voa”, na terça-feira à noite)


C.Q.D.!


Puts…

Agora já viraram 4 HDs??

*

“1,7 milhão de arquivos”??

Bem…

Já sumiram 300 mil (!) dos 2 milhões que saíram daqui da Suíça, né?

Cadê?

O gato comeu??

São, por um acaso, do “MyWebDay”??

 😉

*

Mais: vocês estão dizendo que os caras já estão com esse material há 1 ano??

Gente…

Combinem as versões, antes, com o filho da Miriam Leitão!

tsc, tsc, tsc…]
A partir dele, a PF produzirá laudos específicos que serão produzidos a partir de demandas dos inquéritos em curso, inclusive os que estão no STF e envolvem autoridades com foro privilegiado.
[Ah-rá!

Bingo!

Tradução: o adiamento de duas semanas é só para tapar – com areia – os buracos no “laudo” mesmo…

No tal “relatório”, deletar tudo que (já!) haviam escrito sobre o “MyWebDay”!

Havia sido solicitado, inicialmente, por Moro a descrição de cada sistema.

Ou seja, o relatório (já) devia dizer algo como: “o MyWebDay é o sistema que registra a contabilidade, etc.  etc.

Agora terão de encher linguiça…

Caso contrário, o relatório vai minguar em número de páginas.

Certamente reforçarão – agora “documentalmente” (sic) – a patética tática de confusionismo entre “MyWebDay” e “Drousys” – já adiantada pelos insiders filho da Miriam Leitão/ Anta-gonista.

Problema: isso em nada confunde todo mundo “que manda” e “que decide” – dos dois lados da disputa.

Quem decidirá 2018 não será o Homer Simpson do William Bonner, Moro!

*

Essas duas semanas também são primordiais para alinharem discursos…

E, pra ontem, tentar controlar o chilique com a “barata voa”!


*

Além de ficarem, por estes dias chave, ligadinhos em tudo o que publicamos aqui no Duplo Expresso, né não?

 😉

*

Na verdade, o adiamento que a PF exigiu de Sergio Moro é…


– … por tempo indeterminado (!)

*

A barata continua zunindo em Curitiba!

*

– Eles resolveram…


– … não resolver nada!
*

Algo como: “bom… a gente vai se falando, então… qualquer coisa você tem nosso telefone, né, Sergio… vamos estar por aqui, mesmo… beijo na Rô…”

*

Título no tal Paraná Portal/UOL:


C.Q.D.!

(integralidade de mais essa “notinha” plantada no final)]
Pela primeira vez, desde a assinatura do acordo com a Odebrecht, a Lava Jato será capaz de verificar todos os registros de pagamentos de propina, de ponta a ponta, do contrato que originou o pagamento ilegal até seu beneficiário.
[hahaha

Oi?!

Como assim??

A “perícia” vai…

– … produzir informações?

– Novas?!

É isso mesmo??

*


Cara…

Diogo…

– … me ajuda a te ajudar…]
Segundo investigadores, os pagamentos mensais da empreiteira variavam de míseros 100 reais a 10 milhões.
Para evitar vazamentos, a PF introduziu um controle de log por usuário.
[“A PF” é o cacete!

Foram os Procuradores e Sergio Moro…

– … todos com o c* na mão!

haha

Estão fazendo bullying com os pobres dos “peritos”!]

*
Sistema de propina da Odebrecht deve render meses de trabalho para peritos

Publicado: 8, fevereiro 2018 às 19:15
Por Jordana Martinez
PARANÁ PORTAL/ UOL

A análise de todas as informações dos sistemas de controle de pagamento de propina da Odebrecht ainda deve render meses de trabalho para peritos da Polícia Federal em Curitiba. O laudo da primeira perícia nas plataformas Drousys e My Web Day precisa responder até 22 de fevereiro questões formuladas na ação penal que trata da propriedade de um terreno que seria destinado ao Instituto Lula e de um apartamento em São Bernardo do Campo, em São Paulo. Depois disso, novos pedidos de análise podem chegar à equipe de peritos.

A sede da Polícia Federal em Curitiba tem uma estrutura que mantém todo o material isolado em uma sala blindada por concreto, onde apenas agentes autorizados podem entrar. A intensificação do trabalho pode exigir, inclusive, a ampliação do espaço, assim como a equipe vem sendo reforçada. O setor aguarda um reforço de pelo menos quatro peritos criminais para compensar o número de agentes deslocados para a análise dos dois sistemas da Odebrecht. Atualmente, são 8 peritos dedicados exclusivamente à análise dos softwares.

Ao todo, a Lava Jato tem utilizado 16 peritos criminais, incluindo os designados para analisar os sistemas Drousys e My We Day. Se o reforço se confirmar, serão 20 peritos. Mas o número é flutuante porque os agentes são convocados a cada nova demanda e nem sempre permanecem na equipe depois de encerrada a missão.

A primeira análise dos softwares da Odebrecht foi determinada pelo juiz Sérgio Moro em setembro do ano passado, atendendo a um pedido da defesa de Lula na ação penal na qual ele é acusado de ter recebido propina da Odebrecht por meio da compra do terreno e do apartamento vizinho ao imóvel onde o ex-presidente mora em São Bernardo do Campo.

No laudo, os peritos precisam apresentar uma descrição geral do que se tratam e do funcionamento dos dois sistemas; devem verificar a “autenticidade” das plataformas; e extrair “documentos e lançamentos” relacionados ao imóvel da Rua Haberbeck Brandão, 178, em São Paulo, que teria sido comprado para depois ser repassado ao Instituto Lula.

Os sistemas têm 1,7 milhão de arquivos armazenados em 4 discos rígidos (HDs) de memória digital. O material foi entregue pela Odebrecht ao Ministério Público Federal em março do ano passado, como parte do acordo de leniência firmado pela empresa em dezembro de 2016.
*

Bônus (ou ônus)?: o filho da Miriam Leitão continua com o confusionismo “MyWebDay = Drousys” – sem opção, eles vão com isso até o fim, mesmo.


Por Matheus Leitão
08/02/2018 09h35

A Polícia Federal reforçou com sete novos policiais a perícia do sistema Drousys, gigantesco banco de dados da Odebrecht que armazenava a contabilidade paralela [???] da construtora.

Com esse novo efetivo de policiais, o número de peritos envolvidos na perícia já chegou a 16, podendo ainda ser ampliado para 20, segundo apurou o blog.

O trabalho está sendo realizado pela PF em Curitiba e poderá durar ao menos seis meses, devido a enormidade do material que operacionalizava os repasses do chamado “setor de propinas” da Odebrecht.

[Mentira: como vimos no Anta-gonista, a perícia de agora não vai ter substância.

E, mais pra frente, eles vão ver o que vão fazer…

“Daqui a 6 meses” o Lula, p.e., já vai estar no horário eleitoral gratuito!

No Brasil de hoje, pensar de manhã no prato do jantar já pode ser considerado “planejamento de longo prazo” (!)

“Daqui a 6 meses”??

haha]

O Drousys só foi entregue para a perícia da PF no final do ano passado e é, por isso, – e pela intensidade do trabalho –, que o grupo está sendo reforçado. Os peritos trabalham numa sala “caixa-forte”, toda blindada, onde só entram os policiais autorizados.

O sistema Drousys está sendo periciado pela Polícia Federal para que os procuradores possam utilizar as provas nas ações penais relacionadas à Lava Jato ainda em 2018.

[Jura??

Ainda outro dia o Sergio Moro disse que a Lava Jato estava “próxima do fim” (!)


rs]

Como informado pelo blog, a força-tarefa tem avançado nas investigações após ter acesso aos dados originais [???] do Drousys, com novos nomes e atualizações sobre aqueles que já estavam sendo investigados pela operação.

[Duplo Expresso informa: 100% fake news]

*

Desejo um bom Carnaval a todos nós, foliões do bloco “Desunidos da Esquerda” (apud – meu parceiro – Wellington Calasans)


Romulus Maya

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.