7 de fev de 2018

Corregedor da UFSC reassume atacando grupo de reitor morto

Autor das denúncias que originaram Operação Ouvidos Moucos, Rodolfo Hickel retomou atividades após três meses de licença

Ele
O corregedor-geral da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Rodolfo Hickel do Prado, responsável pela denúncia que deu origem a Operação Ouvidos Moucos da Polícia Federal, para investigar supostos desvios nas fundações de apoio à pesquisa na instituição de ensino, voltou a atuar no cargo depois de três meses afastados por licença médica.

O caso ganhou repercussão após o suicídio do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, no dia 2 de outubro, 18 dias após ser preso na ação realizada com grande estardalhaço: com um batalhão de uma centena de policiais que invadiram as repartições administrativas da Universidade apreendendo documentos e equipamentos. Após prestar depoimento, Cancellier foi liberado, mas impedido de retornar à universidade. Já a delegada que comandou a ação, Erika Marena, será transferida para Sergipe e o inquérito que conta com mais de 3 mil páginas, boa parte acrescentadas após a morte do reitor, será tocado por uma equipe da PF com o auxílio de cinco funcionários da Controladoria-Geral da União.

Em entrevista ao jornal O Globo, Hickel diz que não se sente responsável pela morte do reitor: "Sigo no meu intuito de apurar todo e qualquer ilícito. Doa a quem doer" comentou. Ele também seguiu acusando o grupo em torno de Cancellier de envolvimento no esquema, mesmo sem apresentar novas provas. 

"A barbaridade é que as pessoas do Cancellier continuam na administração da UFSC e nas fundações onde está todo o esquema."

A acusação é que, com o consentimento, ou pelo menos conhecimento do reitor, um grupo de professores atuava desviando recursos dos cursos de administração e física da Educação a Distância (EAD) do Programa Universidade Aberta na UFSC. 

Hickel afirmou à PF e ao Ministério Público Federal que em dezembro de 2016 recebeu um telefonema anônimo alertando sobre os desvios e que, ao levar ao conhecimento de Cancellier teria ouvido que não deveria apurar.

Cancellier negou a acusação, mas foi acusado na Operação Ouvidos Moucos de obstruir a investigação interna da corregedoria da Universidade. Vale destacar que Hickel é considerado entre os funcionários da UFSC como um desafeto de Cancellier e amigo da ex-reitora Roselane Neckel, que o conduziu pela primeira vez ao cargo.

O corregedor-geral da Universidade entrou em licença médica no dia 24 de outubro e deveria ter retornado ao trabalho em janeiro, mas requisitou férias. Ao Globo ele negou que seu afastamento tinha relação com os epsódios da instituição, mas não quis revelar o motivo da licença. 

Também vale destacar que além dele, no inquérito aberto para investigar o caso consta ainda o depoimento da professora Taisa Dias. A coordenadora do EaD do curso de Administração, disse que levou a denúncia à Corregedoria (comandada por Hickel), mas conta que primeiro teria avisado ao reitor, mas ele não tomou providência e passou pressioná-la para deixar o cargo. 

Nas primeiras informações divulgadas, a PF afirmou que as suspeitas são de desvios de R$ 80 milhões no pagamento de bolsas e verbas de custeio paras as despesas dos cursos. Porém, aliados de Cancellier contestam os números e dizem que os valores reais sob suspeita não ultrapassam R$ 500 mil e que o reitor não sabia dos supostos desvios. 

A realidade é que, além de duas pessoas que acusam o reitor morto - uma delas desafeto -, e de uma delegada que está sendo afastada do caso, a Operação Ouvidos Moucos completará em poucos dias 5 meses sem nenhuma pessoa indiciada até o momento. 

Além de Cancellier, outros seis professores que estão sob investigação foram afastados e, segundo advogados, todos evitam sair na rua, atender telefonemas ou dar entrevistas e a maioria faz tratamentos psiquiátricos e psicológicos. Hickel também tem sido alvo de protestos de alunos e hostilidades de funcionários.

Alvo de sindicância

Para completar o cenário de incertezas, Hickel se tornou alvo de uma sindicância da Controladoria-Geral da União (CGU) que apura a atuação dele em casos de perseguição de professores e busca saber os motivos da sua licença médica. Familiares do reitor morto também pretendem responsabilizá-lo judicialmente pelas acusações supostamente infundadas.

Seu mandato de corregedor-geral termina em maio e, quando perguntado pelo Globo se pretende se candidatar novamente, disse que não tem certeza, porém isso dependerá do resultado da eleição para a escolha do novo reitor da UFSC, marcado para março. 

"Se o mesmo grupo (do Cancellier) seguir no comando, eu não me candidato. Será impossível fazer meu trabalho e custará a minha saúde".

Lilian Milena
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.