23 de fev de 2018

A pantomima de Moro e do TRF4 com os e-mails de Marcelo Odebrecht


A pantomima em torno da delação da Odebrecht não para de criar fatos novos.

Ontem, os e-mails entregues por Marcelo Odebrecht ao juiz Sérgio Moro vieram acompanhados das seguintes curiosidades:
  1. Foram apresentados na véspera do encerramento da ação, após a oitiva de todas as testemunhas.
  2. Foram entregues no mesmo dia em que o Tribunal Regional Federal da 4a. Região se negou a ouvir o advogado Rodrigo Tacla Durán, que afirmou à CPMI que pode demonstrar adulterações feitas nos documentos entregues pela Odebrecht na delação de seus executivos.
  3. Foi entregue na véspera do prazo para que a Polícia Federal conclua a perícia sobre os sistemas utilizados pela contabilidade paralela da Odebrecht.
  4. Vieram desacompanhados das vias eletrônicas. Apenas um pdf foi entregue. E aqui o fundamental. Nas propriedades do pdf consta que ele foi criado em 07/02/2018, mesmo data em que, originariamente, a Polícia Federal deveria ter entregue o laudo sobre os sistemas de contabilidade paralela do grupo.
Luís Nassif
No GGN







VEJA A ÍNTEGRA DA NOTA QUE O JORNAL NACIONAL RECEBEU SOBRE OS SUPOSTOS EMAILS DE MARCELO ODEBRECHT:

"Os supostos emails juntados ontem por Marcelo Odebrecht em nada abalam o fato de que o ex-presidente Lula jamais solicitou ou recebeu da Odebrecht ou de qualquer outra empresa um imóvel para o Instituto Lula, que sempre esteve instalado no mesmo local, adquirido em 1991.

O material de Odebrecht foi juntado extemporaneamente, quando todas as testemunhas do processo já tinham sido ouvidas. Além disso, é no mínimo estranho que ele diga que achou as correspondências em cópia de material que estava em posse da Polícia Federal e dos procuradores da Lava Jato, que jamais disseram ter conhecimento dos documentos. Os supostos e-mails foram apresentados apenas em arquivo pdf, desacompanhados das vias eletrônicas.

O pdf foi preparado no dia 07.02.2018, dia originariamente marcado para a entrega do laudo da Polícia Federal sobre os sistemas usados na contabilidade paralela do grupo Odebrecht, ainda não entregue. Perícia realizada anteriormente pela defesa de Lula em outros documentos apresentados por Odebrecht e usados pelo MPF revelaram indícios de adulteração.

A defesa pedirá o descarte do material ou então que seja apurada a sua idoneidade, além de ouvir novamente as testemunhas. Todas as doações feitas ao Instituto Lula são legais e registradas".

Cristiano Zanin Martins
Advogado do ex-presidente Lula

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.