5 de jan de 2018

Temer vai se afundar no Porto de Santos

A Rodrimar, a Libra, o Primo e o Loures não vão jogar a boia!


O magnífico repórter André Barrocal e o incomparável Hélio de Almeida, autor da capa, mostram na edição da Carta Capital que chega aos leitores nessa sexta-feira 5/I que o ladrão presidente vai morrer onde nasceu: no Porto de Santos.

Barrocal trata, primeiro, de escutas da Polícia Federal em que o "homem da mala", o Rocha Loures, negocia com o dono da Rodrimar um decreto presidencial de maio de 2017, quando o ladrão já presidenciava.

O ministro Barroso, do STF, deu 15 dias ao ladrão presidente para responder a perguntinhas da PF sobre o assunto.

A outra patranha é mais cabeluda ainda.

Barrocal trata de "uma bilionária disputa, a maior do setor portuário, a envolver outra família das relações de Temer, os Torrealba", da imaculada Libra.

Envolve a bagatela de R$ 2,8 bilhões que a Companhia das Docas de Santos cobra da Libra.

A Libra é doadora gorda do PMDB de Temer.

Estão entalados na Libra e nessa patranha o Eduardo Cunha - aquele que o Procurador Janot manteve vivo até que perdesse a serventia - e o "Primo" Padilha.

O litígio será resolvido no centro de arbitragem da Câmara de Comércio Brasil-Canadá, em São Paulo.

E "só por uma grande surpresa", diz Barrocal, "Libra escapa da derrota".

Quem assinou o contrato da Docas de Santos com a Libra foi o notório Marcelo Azeredo, "que acendia charutos com dólar e costumava ir trabalhar de helicóptero", conta Barrocal.

Azeredo começou a dirigir a Docas pelas mãos virginais do Príncipe da Privataria.

Azeredo só deixou a nobre função (teria sido Temer quem mandou o Farol de Alexandria nomeá-lo?) quando a ex-mulher, a jovem incauta Érika Santos, foi à Justiça e demonstrou que Azeredo, o ladrão presidente e o notório coronel Lima dividiam o rachuncho das propinas do Porto de Santos, como demonstrou irretocavelmente o Marcelo Auler.

Barrocal termina a impecável reportagem de forma esclarecedora:

"O trio (de irmãos Torrealba) deu oficialmente quase um milhão de reais ao "decorativo" e 750 mil ao PMDB fluminense (do Cunha). A matriarca, Zuleika Torrealba, deu um milhão de reais à direção nacional do PMDB, na época controlada pessoalmente por Temer", o MT da lista de alcunhas da Odebrecht.

Precisa desenhar, amigo navegante?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.