26 de jan de 2018

PF recupera investigação de 1999 sobre ‘caixinha’ a Michel Temer

Fatos são ligados a Porto de Santos

Presidente nega irregularidades


O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, confirmou ao Poder360 que um processo já arquivado sobre o Porto de Santos foi anexado ao inquérito que investiga a atuação do presidente Michel Temer em contratos com a Codesp (Companhia de Docas de São Paulo). O presidente sempre negou ter cometido irregularidades e nunca houve prova definitiva a respeito do episódio.

A PF investiga se há correlação entre os fatos narrados naquela época (início dos anos 2000) com o inquérito, em curso atualmente, sobre a edição do decreto que beneficia o setor portuário.

“O presidente só pode ser investigado por atos cometidos durante o mandato. Porém, se forem encontrados pontos de ligação, estes servirão como base para a continuidade da investigação”, afirmou Segovia.

O inquérito foi arquivado em 2011. Os autos citam acusação de que Temer teria recebido cerca de R$ 600.000. De acordo com a investigação, 7,5% dos contratos da Codesp, estatal que administra o porto de Santos, eram separados como “caixinha”.

A “caixinha” seria dividida entre Temer e Marcelo de Azeredo, na época presidente da companhia, “e um tal de Lima”, identificado pelos investigadores como o coronel aposentado da PM paulista João Baptista Lima Filho. O coronel é amigo de Temer e proprietário da empresa Argeplan.

Segundo o inquérito, Temer ficaria com metade da “caixinha”. A outra parte seria dividida entre Azeredo e o coronel.

Os indícios para abertura do inquérito tiveram uma origem curiosa: foram apresentados pela psicóloga Érika Santos em um processo em que pedia pensão do ex-marido, Azeredo.

Érika alegou que os rendimentos de Azeredo eram mais altos do que o declarado e vinham de propina paga por empresas do porto.

A acusadora também citou que metade desses valores era repassada a Temer, o “padrinho político” de Azeredo. O caso foi arquivado depois que Érika desistiu da ação.

Amanda Audi e Ana Krüger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.