Quarenta e um deputados federais de 14 estados e do Distrito Federal gastaram, em 2017, ao menos R$ 754 mil em dinheiro público na compra de reportagens em sites, blogs, jornais e revistas influentes nas regiões em que foram eleitos. É o que mostra levantamento realizado para The Intercept Brasil pelo marcozero.info, projeto de jornalismo de dados aplicado à política.

Ao todo, foram analisadas, na seção de transparência do site da Câmara dos Deputados, mais de 2 mil notas fiscais de empresas de comunicação que receberam por serviços de divulgação de atividades dos parlamentares. Desse total, 316 recibos, emitidos por 61 empresas entre 1 de janeiro e 4 de novembro, traziam explicitamente a referência à publicação de matérias.

Muitas dessas reportagens compradas sequer foram identificadas nas publicações como tal. O tema tem passado ao largo da fiscalização na Câmara, que é baseada fundamentalmente em regras que se limitam à questão contábil.

Deputado do MDB lidera gastos

O deputado que mais comprou matérias foi Veneziano Vital do Rêgo (MDB/PB), que gastou R$ 124 mil da cota parlamentar para este fim.

Veneziano, que é irmão do ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo Filho, cumpre seu primeiro mandato. Mas já coleciona acusações diversas, referentes ao período em que foi prefeito de Campina Grande, de 2005 a 2012. O parlamentar responde a sete inquéritos (4017, 4029, 4229, 4122, 3976, 4126 e 4085) no Supremo Tribunal Federal (STF). Outros 23 processos foram arquivados. As acusações vão de improbidade administrativa, peculato e crime de responsabilidade a crimes de licitação e emprego irregular de verbas ou rendas públicas.

A principal empresa contratada por ele, a Florêncio Publicidade, Eventos e Serviços LTDA, da Paraíba, é responsável pela publicação de press releases feitos pela assessoria do deputado em uma série de veículos de comunicação, entre eles o site e o programa Jornal de Verdade, que se autointitula o mais antigo jornal de rádio de Campina Grande.

A Florêncio Publicidade é a empresa que mais recebeu da Câmara para a divulgação de atividade parlamentar no ano passado: R$ 120 mil. Entre os jornalistas que fazem parte da equipe, há um velho conhecido de Veneziano: Carlos Magno. Segundo a assessoria do deputado, o jornalista “fez alguns trabalhos de divulgação da atividade parlamentar no início do mandato do Deputado Veneziano Vital do Rêgo, na Paraíba, mais precisamente até meados de agosto de 2015”. Em 2008, conforme conta em seu site pessoal, Magno trabalhou para a campanha de Veneziano, então prefeito de Campina Grande, à reeleição.


A assessoria de Veneziano confirma o propósito dos serviços prestados: “Esse portal recebia os releases da Assessoria da Comunicação do deputado, com informes de sua atividade parlamentar, para a devida divulgação, dentro da mais absoluta normalidade e legalidade.”

O site do Jornal de Verdade traz 25 matérias publicadas sobre Veneziano desde julho. Nenhuma traz a informação de que se trata de conteúdo pago.

Algumas reportagens são assinadas pela redação do jornal e enaltecem a popularidade do parlamentar, como a que destaca o crescimento do deputado nas redes sociais após a votação da segunda denúncia contra Temer.

Em julho do ano passado, uma matéria exaltou um projeto de Veneziano que beneficiaria “a sociedade como um todo”:


Outras publicações são redigidas em conjunto com a assessoria de comunicação de Veneziano, como a reportagem sobre o arquivamento de inquérito contra o ex-prefeito no STF. Procurada pela reportagem, a Florêncio Publicidade, Eventos e Serviços declarou que a relação da empresa com o deputado “está discriminada nas notas fiscais emitidas”, sem dar detalhes.

Parlamentar de SP gastou mais de R$ 100 mil

O segundo deputado que mais gastou com matérias pagas foi Nelson Marquezelli (PTB/SP), com R$ 106,8 mil. O parlamentar, que está no sétimo mandato consecutivo na Câmara, ganhou notoriedade na grande imprensa no fim do ano passado por ser o autor do projeto que enfraquece a aplicação da Lei da Ficha Limpa.

A maior parte das matérias pagas por Marquezelli foi publicada na Gazeta Regional, com tiragem de 6.500 exemplares e sem versão online. A relação entre o deputado e o jornal é intermediada pela empresa BP Promoções, Eventos e Propagandas, que cobra o valor fixo de R$ 2 mil por matéria publicada. No ano passado, foi gasto um total de R$ 96 mil em 48 reportagens. A BP é sediada em Tambaú, a 260 km da capital paulista. Um dos sócios da empresa, Luiz Fernando Aparecido Barbon, trabalhou na campanha de Marquezelli em 2014, tendo recebido R$ 6.942,00 por serviços prestados, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral.


Estão ainda no topo da lista de deputados que mais pagaram matérias Alan Rick (DEM/AC), com R$ 82,5 mil; Geraldo Resende (PSDB/MS), com R$ 51 mil; e Valadares Filho (PSB/SE), com R$ 44,97 mil.  

Rick pulverizou esse dinheiro da sua cota entre cinco veículos de comunicação: Acre 24 Horas, ContilNet Notícias, Diário Acreano, O Alto Acre e Sena Online. O Acre 24 Horas é a terceira empresa que mais ganhou dinheiro público com a venda de matérias, tendo oferecido esse serviço também à deputada Jéssica Sales (PMDB/AC). No total, faturou R$ 58 mil com os dois deputados.

Em 2017, o portal publicou 110 matérias e artigos opinativos sobre os dois parlamentares, sendo 73 sobre Alan Rick e 37 sobre Jéssica. A ampla maioria dos textos é favorável aos políticos em questão. Como os recibos que constam no site da Câmara não listam as matérias publicadas, não é possível dizer quais desses textos foram pagos pelos próprios parlamentares.

Em uma das matérias, Alan Rick afirma que “o povo brasileiro não aceita mais gastos com políticos e eleições”, e por isso teria votado contra o Fundo de Campanha eleitoral. Em outra publicação, o deputado Jair Bolsonaro (PSC/RJ) aparece em vídeo ao lado de Rick bradando “O Acre é Nosso”. Outras dezenas de reportagens relatam a destinação de emendas diversas a localidades do Acre e reuniões dos parlamentares.


Por meio de sua assessoria, Jéssica Sales afirmou que esses gastos visam à divulgação de sua atividade parlamentar, sem dar detalhes. Alan Rick e o portal Acre 24 Horas não prestaram esclarecimentos.

Clique aqui para consultar os valores de todas as notas e as empresas contratadas pelos 41 deputados federais ao longo do ano de 2017. (Dados extraídos diretamente do portal de dados abertos da Câmara, em 4 de novembro.)

Os estados em que mais houve verba destinada à compra de matérias coincidem com os locais das três empresas mais bem pagas: São Paulo (R$ 132 mil), Paraíba (124 mil) e Acre (R$ 120 mil).

Completam o topo da lista de quem mais recebeu da Câmara os jornais Tribuna da Serra, do Rio de Janeiro, e A Gazeta, do Amapá, com R$ 48 mil e R$ 27 mil respectivamente. O primeiro recebeu verba de dois parlamentares do Podemos, Luiz Carlos Ramos e Lourival Gomes, que é segundo suplente do partido.

O Tribuna da Serra é impresso e também conta com um site. Na versão online, há reportagens sobre os deputados que narram eventos como a inauguração de um escritório na cidade ou um texto sobre uma reunião com um ex-ministro da Previdência para discutir… Previdência.



Já a Gazeta, do Amapá, recebeu do deputado Vinícius Gurgel (PR-AP) R$ 27 mil, divididos em três parcelas, referentes à publicação de matérias num período de três meses em seu jornal impresso, que circula de terça-feira a domingo em Macapá.

Clique aqui para conferir quanto cada empresa recebeu de cada deputado. (Dados extraídos diretamente do portal de dados abertos da Câmara, em 4 de novembro.)

A fiscalização limitada da Câmara

A cota parlamentar como conhecemos hoje foi criada por Michel Temer, enquanto presidente da Câmara em 2009, no Ato da Mesa número 43. Foi um pacote de benefícios que ampliou os direitos dos parlamentares e autorizou gastos em 14 áreas. Entre elas, passagens aéreas, consultoria, locação de imóveis, assinatura de TV a cabo e a divulgação da atividade parlamentar.

Desde então, o documento sofreu diversas mudanças, sob a presidência de Henrique Eduardo Alves, Eduardo Cunha e outros. A fiscalização dos gastos provenientes da cota cabe à Coordenação de Gestão de Cota Parlamentar do Departamento de Finanças, Orçamento e Contabilidade da Câmara e se limita à regularidade fiscal e contábil da documentação, “cabendo ao Deputado responsabilizar-se pela compatibilidade do objeto gasto com a legislação”.

O documento diz ainda que o reembolso dessas despesas “não implica manifestação da Casa quanto à observância de normas eleitorais, nem quanto à tipicidade ou ilicitude” — o que significa que o departamento se exime da responsabilidade de fiscalizar qualquer tipo de irregularidade que não seja fiscal ou contábil.

Outro órgão, o Núcleo de Controle da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar, é responsável por processar a documentação e validar o reembolso, sem questionar o teor dos gastos.

O Regimento Interno da Câmara dos Deputados também é omisso no tocante à questão ética do uso da cota parlamentar. O texto contempla  os aspectos contábil, orçamentário, financeiro, operacional e patrimonial dos recursos a que cada deputado tem direito. É preciso, por exemplo, que as empresas contratadas pelos gabinetes estejam em regularidade com o Estado. O regimento estabelece ainda as políticas de reembolso e o respeito aos limites de valores.

O Código de Ética e Decoro Parlamentar traz informações sobre como o parlamentar deve se comportar dentro da Câmara e perante a população, invocando a Constituição Federal em casos de uso indevido de dinheiro público:

“Art. 5° – Atentam, ainda, contra o decoro parlamentar as seguintes condutas, puníveis na forma deste Código:

(…)

VII – usar verbas de gabinete ou qualquer outra inerente ao exercício do cargo em desacordo com os princípios fixados no caput do art. 37 da Constituição Federal” (que versa sobre os princípios da administração pública, como impessoalidade, moralidade, eficiência, etc.).

No limite da legalidade e da ética

“A cada vez que se examina cada um desses itens [da cota parlamentar], você encontra um escândalo. Esse é mais um”, analisa Gil Castello Branco, um dos representantes da associação Contas Abertas, que tem o objetivo de fomentar a transparência e o acesso à informação.
“Não deveriam existir esses recursos que eles disponibilizam para divulgar mandato parlamentar. Ao meu ver, seria inconstitucional. Se um deputado passa quatro anos divulgando o mandato parlamentar, da forma como eles fazem, inclusive comprando matérias, no próximo pleito eleitoral essa eleição será completamente injusta. É um candidato que passou quatro anos se promovendo versus um candidato que não teve essa oportunidade. [A cota parlamentar] serve para perpetuar os políticos que lá estão”.
Para além da questão legal, a preocupação de Castello Branco é o poder que deputados têm de moldar a opinião dos eleitores.

“Eles estão dominando os jornais locais, tentando dirigir a opinião pública para verdades que podem estar sendo distorcidas. Comprar matéria é tentar distorcer os fatos, pela ótica do parlamentar, e talvez tentar criar uma opinião pública favorável ao mandato com dinheiro público. […] A meu ver, essa cota já deveria ter sido revista”, conclui.

Não há uma legislação específica para coibir a prática de compra de matérias, como aponta o diretor executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Ricardo Pedreira. Para contornar essa omissão, o Conselho de Administração do órgão instaura processos sempre que seu código é violado.

“O Código de Ética e Autorregulamentação da ANJ determina que é necessária uma clara diferenciação entre os conteúdos editorial e publicitário, que possa ser facilmente identificável pelos leitores. As infrações [caso essa identificação não ocorra] podem ser advertência, suspensão ou exclusão do jornal dos quadros da ANJ”, explica.

Contudo, essa medida não atingiria blogs, revistas, portais e afins.

Clique aqui para conferir os recibos pela plataforma Jarbas da Operação Serenata de Amor (basta pesquisar o nome de registro da empresa como aparece no gráfico e conferir o número da nota).