9 de jan de 2018

Decisão corajosa barra posse de Cristiane Brasil

Justiça decidirá entre ética e vale tudo

Eles
Ministra do Trabalho barrada. Prevalecerá a ética ou o vale tudo?

Logo depois de Michel Temer decretar o indulto de corruptos e criminosos do colarinho branco, instituindo a Black Friday da corrupção, com perdão de 80% das penas definitivas desses criminosos e até de multas (que nada tem a ver com indulto), que, após péssima repercussão, foi barrado pelo STF em caráter liminar a partir de Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o presidente decidiu nomear para o Ministério do Trabalho uma pessoa escolhida a dedo.

Trata-se de uma deputada federal que já foi condenada em definitivo por violar as leis DO TRABALHO. Se não tivesse feito acordo num outro caso, seriam duas as condenações. O caso gerador da condenação envolvia jornada de trabalho de cerca de 15 horas diárias, entre outros temas.

Em decisão arrojada, preocupada com o primado da ética e da moralidade e extremamente corajosa, a Justiça Federal concedeu liminar em ação popular, barrando a posse da ministra. A ação popular, lembre-se, é um remédio jurídico assegurado aos cidadãos, sempre que ocorrem danos ou risco de danos ao patrimônio público.

Registre-se que se a ministra fosse empossada, assumiria na Câmara dos Deputados seu suplente, condenado criminalmente a 12 anos de reclusão por abuso sexual de menores, crime em virtude do qual ficou preso por 4 meses, tratando-se tal suplente do irmão do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho.

A Presidência já manifesta sua discordância e diz que recorrerá. Com certeza alegará que a escolha dos ministros é discricionária, prerrogativa do presidente e que a lei não impede que condenados pela Justiça do Trabalho ocupem o cargo de ministros de Estado. Que a nomeada está no pleno gozo de seus direitos políticos.

Por essa lógica, ele poderia hipoteticamente querer empossar Josef Mengele, o médico nazista que mandou mais de 400 mil judeus para a morte, ministro da Saúde. Bastaria ele se naturalizar e não ter sido condenado criminalmente em definitivo. Ou outras pessoas igualmente não recomendáveis. É assim? Será que não é possível impedir a escolha de algum ministro obviamente afrontosa à ética e à moralidade administrativa?

Não se sabe qual será o desfecho desta situação, mas com certeza o juiz que concedeu a liminar escreveu uma página digna na história da Justiça do Brasil. Da prevalência da ética e da moralidade sobre uso arbitrário do poder, que já tinha ocorrido na edição do decreto de indulto e que tinha havido também no âmbito laboral quando uma portaria da Presidência havia afrouxado regras protetivas ao ser humano na repressão ao trabalho escravo, dificultando-se por exemplo o acesso à lista negra, em plena vigência da Lei de Acesso à Informação.

Não pode caber tudo na discricionariedade administrativa. Quando a Constituição Federal no artigo 37 fala dos princípios aos quais está subordinada a administração pública, incluindo o da moralidade administrativa, isso não é peça de decoração.

Nesta quadra da nossa história em que as pesquisas detectam o apogeu da crise de representatividade política; em que a Latinobarômetro 2017 apura que 97% dos brasileiros veem os políticos exercendo o poder visando os próprios interesses, e não o bem comum; e quando o Fórum Econômico Mundial apura que de 137 países, o Brasil tem os políticos com menor confiabilidade, ganha importância o contrapeso do Poder Judiciário para por freio aos abusos, para evitá-los e proteger o bem comum.

As instâncias superiores do sistema de Justiça darão a palavra final ao tema, decidindo o que deve prevalecer, se a ética e moralidade administrativa, ou se o poder discricionário não deve ser limitado por princípios éticos e morais. Se é vale tudo porque a lei permite e tudo que não é proibido é permitido também na esfera administrativa e política.

Roberto Livianu



Cristiane é acusada de irregularidade trabalhista por outra ex-assessora

Processada na Justiça do Trabalho por dois motoristas que foram seus empregados, a nova ministra do Trabalho, Cristiane Brasil (PTB-RJ), também é acusada por outra ex-auxiliar, Aline Lucia de Pinho, de supostas irregularidades trabalhistas. Aline foi contratada pela prefeitura do Rio, mas disse ter trabalhado como motorista e prestado serviços particulares para Cristiane. A posse da deputada federal no cargo, marcada para esta terça-feira, 9, foi suspensa pela Justiça.

Aline estava lotada em cargo comissionado como assessora (DAS-7) na Secretaria Especial do Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida do Rio durante a gestão Eduardo Paes (MDB), quando a petebista comandou a pasta. No início do ano passado, Aline foi exonerada pelo governo Marcelo Crivella (PRB), enquanto estava licenciada pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), por acidente de trabalho – ocorrido, segundo ela, quando prestava serviços particulares para Cristiane.

Segundo Aline, em novembro de 2016, ela torceu o joelho esquerdo em uma queda, quando levava os cães de Cristiane a um veterinário para serem castrados. “Eu cheguei para a Cristiane e disse que tinha escorregado descendo a escada, fazendo esse serviço particular para ela. Ela não acreditou. A minha sorte é que tinha uma funcionária dela comigo e viu tudo”, disse Aline.

Sem o salário da secretaria, Aline ainda continuou a receber informalmente de Cristiane o valor de R$ 1,5 mil por mês (metade do que recebia na pasta). Foi novamente demitida, agora pela deputada federal e nova ministra do Trabalho, em março do ano passado.

As informações são de reportagem de Constança Rezende no Estado de S.Paulo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.