4 de ago de 2017

Lula na posse das zonais do PT em SP


Leia Mais ►

“Vai dar merda com o Michel”, diz Cunha em mensagem sobre acerto com Joesley

A PF apreendeu o celular do ex-deputado e descobriu uma conversa cifrada sobre “três convites” de Joesley Batista que iriam para São Paulo e Rio Grande do Norte na campanha de 2012, mas Cunha disse que Michel Temer queria todos. PF suspeita que o diálogo seja sobre propina.


O nome do presidente Michel Temer (PMDB) aparece em uma troca de mensagens de celular entre os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) sobre um acerto que seria feito com o dono da JBS, Joesley Batista, numa conversa que, para a Polícia Federal (PF), tem indícios de negociação de propina.

A conversa, que cita "três convites" de Joesley que seriam repassados aos peemedebistas, aconteceu em 2012 e estava no celular de Cunha, apreendido pela Polícia Federal. Para a PF, os "três convites" podem ser a forma disfarçada de falar em propina.

O diálogo integra o relatório da PF que foi anexado na semana passada a uma das ações cautelares que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF). Com 186 páginas, o documento foi redigido em dezembro do ano passado, dentro das investigações sobre Eduardo Cunha, preso pela Lava Jato.

Na ocasião, 22 de agosto de 2012, Alves e Cunha eram deputados e Temer, o vice-presidente da República. Estavam em curso as eleições municipais, das quais nenhum dos três eram candidatos.

Alves informa Eduardo Cunha sobre o resultado de uma conversa com “Joes”. A PF afirma que se trata de Joesley Batista. "Joes aqui. Saindo. Confirme dos 3 convites, 1 RN 2 SP! Disse a ele!", escreveu Alves.

Cunha reagiu: "Ou seja ele vai tirar o de São Paulo para dar a vc? Isso vai dar merda com o Michel. E ele não estaria dando nada a mais".

Para a PF, convite é um código para propina.

“A utilização do termo ‘convites' pode ser uma tentativa de mascarar uma atividade de remessa financeira ilegal, já que, caso fosse um procedimento que obedecesse estritamente as normas legais, não haveria o porquê do uso deste termo”, diz o relatório.

Outro trecho do relatório da PF levanta a suspeita de que se trata de pagamentos durante a campanha.
“A hipótese seria que três repasses originados do acerto com o grupo JBS fossem relacionados a MICHEL TEMER, lembrando que era um momento eleitoral, porém houve a intervenção de HENRIQUE ALVES para que 1 (um) fosse direcionado ao Rio Grande do Norte, fato que poderia gerar alguma indisposição com MICHEL TEMER, segundo EDUARDO CUNHA”.
O diálogo mostra o potencial da delação que Eduardo Cunha negocia com a Procuradoria Geral da República. A conversa reforça, ainda, informações que Joesley Batista deu à Justiça em sua delação premiada, em maio deste ano. Ele afirma que deu, via caixa dois, R$ 3 milhões — número similar ao dos convites — para a campanha de Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo em 2012, a pedido de Temer.

No dia seguinte do diálogo, 23 de agosto, uma nova conversa entre Cunha e Henrique Eduardo Alves releva a suspeita de que esses valores podem ter relação com a liberação de dinheiro público da Caixa Econômica para Joesley Batista, no FI-FGTS.

Cunha envia mensagem a Alves dizendo que iria conversar com Joesley Batista. “Vou resolver com ele de qualquer forma porque tem o assunto de ontem dele que foi aprovado”.

Essa mensagem foi enviada às 14h22. A PF ainda recuperou mensagens do mesmo dia, que já tinham sido anexados em outro relatório policial. Pouco antes da meia-noite, Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Temer e à época dirigente na Caixa Econômica, informa a situação da holding de Joesley Batista, a J&F, nos pedidos de investimentos do FI-FGTS. “J e F: voto está pronto para pauta, porém surgiu pendência junto ao FGTS. que segundo Dijur impede assinatura. Fala para regularizar lá”, escreveu Geddel.

Para a PF, esse diálogo revela a conexão entre "Joes", FGTS e os "convites" que seriam repasses de campanha.


Somadas, essas mensagens mostram três das pessoas mais próximas de Temer - Geddel, Eduardo Cunha e Henrique Alves, tratando de “convites” de interesses do presidente da República e repasses do FGTS.

Três dias depois, Cunha alerta Henrique Alves que Joesley Batista pode não cumprir o combinado sobre o Rio Grande do Norte. Cunha sugere, ainda, contornar Michel Temer. Henrique Alves, por sua vez, diz: “o problema é dele com o Michel”.

Henrique Eduardo Alves - Ok . Não esqueça conversa. E Joes?

Eduardo Cunha - Vou resolver dentro de outra ótica, sem tocar em Michel. O cara foi malandro e vc caiu e não vamos nos atritar por isso, ele vai resolver e pronto, deixa para lá.

Henrique Eduardo Alves - Cai não. Me garantiu, concordei. De onde problema dele com Michel Ok


O relatório é de dezembro do ano passado, cinco meses antes de Joesley Batista fazer a delação e emparedar Temer numa crise sem fim. Já naquele momento, a PF colocava o celular de Eduardo Cunha como indício do esquema do FGTS.

O ainda vice-presidente Michel Temer com Eduardo Cunha, quando era deputado, em 2015.
O ainda vice-presidente Michel Temer com Eduardo Cunha, quando era deputado, em 2015.
Outro lado

A assessoria da Presidência da República informou que não comentará o caso. O advogado de Eduardo Cunha, Délio Lins e Silva Júnior, também não quis se pronunciar sobre o assunto.

Filipe Coutinho
Leia Mais ►

A sentença tríplex


Uma sentença judicial não pode derivar apenas do sentimento do julgador. Se assim fosse, o Judiciário não seria compatível com a democracia, que pressupõe freios e contrapesos, representados por um edifício jurídico composto pela Constituição.

Se uma sentença é construída fora desse edifício, não pode subsistir. Foi o que aconteceu com a sentença do caso tríplex, relativa ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Podemos identificar três andares de problemas no caso.

O primeiro andar abriga a deficiente configuração do crime de corrupção passiva. Desde o julgamento da Ação Penal 307, o Supremo Tribunal Federal fixou em nosso edifício jurídico que não basta o recebimento de vantagem por funcionário público para se ter representado esse tipo de infração.

É “indispensável (…) a existência de nexo de causalidade entre a conduta do funcionário e a realização de ato funcional de sua competência”, disse o STF. Na sentença, contudo, reina uma confusão sobre isso, agravada com a decisão nos embargos declaratórios da defesa.

O julgador fala em atos de ofício indeterminados e aborda fatos praticados em momento posterior ao exercício do mandato do ex-presidente Lula, que se encerrou em 1º de janeiro de 2011. É impossível ter havido crime de corrupção passiva em 2014 sem a participação de pelo menos um outro funcionário público (inexistente nos autos).

O imbróglio aumenta quando, ao julgar os embargos declaratórios, o juiz diz que não há correlação entre o tal tríplex e contratos da Petrobras, tornando ainda mais estranha a competência da Justiça Federal de Curitiba para apreciar controvérsia sobre apartamento situado em São Paulo.

Chegamos ao segundo andar de equívocos da sentença: a problemática da configuração do crime de lavagem de dinheiro.

Sustentou-se sua consumação na medida em que a propriedade do tríplex foi mantida oculta ”entre 2009 até pelo menos o final de 2014″. No entanto, consta da sentença que o apartamento jamais foi efetivamente entregue ao ex-presidente Lula.

No caso, não havia nem propriedade nem posse por parte dele. O patrimônio deste não chegou a ser aumentado, sendo impossível a prática de quaisquer dos núcleos do art. 1º da lei nº 9.613/98, que trata dos casos de lavagem.

Por fim, no terceiro andar de erros jurídicos, tem-se a inegável sobrecarga da dosimetria das penas, talvez para reduzir a hipótese de serem alcançadas por prescrição.

Chama a atenção a sentença considerar três vetores negativos das circunstâncias judiciais, dentre eles alguns estranhos ao réu, e não os fatos que neutralizariam alguns deles, talvez pela escassa fundamentação atinente às provas produzidas por requerimento da defesa.

A sentença em questão, portanto, é um tríplex que não cabe em um edifício jurídico democrático, no qual os fins não justificam os meios. O devido processo legal é uma garantia de toda a sociedade, maior do que os interesses da luta política cotidiana.

Para isso existem os tribunais: inclusive para dizer “não” a sentimentos puramente pessoais, que podem ir para as urnas, nunca para sentenças.

Flávio Dino, professor do curso de direito da Universidade Federal do Maranhão, é governador do Estado do Maranhão
Rodrigo Lago, advogado licenciado, é secretário de Estado de Transparência e Controle do Maranhão

No fAlha
Leia Mais ►

Metade dos votos para Temer saiu da Frente Parlamentar da Agropecuária

Presidente Michel Temer recebe bancada ruralista na terça-feira (1)
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
A bancada ruralista formalizada foi decisiva para manter Michel Temer no poder. Dos 263 votos pelo arquivamento da denúncia contra o presidente, nesta quarta-feira (02)  na Câmara, 129 foram dados por deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), com quem ele almoçou um dia antes. O levantamento foi feito pelo De Olho nos Ruralistas a partir dos dados da votação no plenário e da FPA.

A agenda do governo tem coincidido com a agenda dos defensores do agronegócio – para quem ele distribui medidas como o perdão de dívidas dos produtores rurais “Temer autoriza pagamento de dívidas rurais até 2032“. Segundo o G1, o governo abrirá mão de mais de R$ 10 milhões em arrecadação com o alívio das dívidas.

Outros 54 membros da frente agropecuária votaram pela aprovação da denúncia contra Temer. Entre eles cinco deputados do PT, seis do PDT e seis do PSB, partidos que fazem oposição ao governo. A maior surpresa entre os rebeldes foi o voto do deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS), uma das vozes mais eloquentes da bancada ruralista. Outra exceção foi Mandetta (DEM-MS).

Quase todos os demais líderes da FPA, porém, votaram a favor de Temer. Entre eles o presidente da frente, Nilson Leitão (PSDB-MT), os deputados Alceu Moreira (PMDB-RS) e Marcos Montes (PSD-MG) e a deputada Tereza Cristina (PSB-MS). A maior parte do núcleo duro da frente fez parte da CPI da Funai e do Incra, que criminalizou indígenas, antropólogos, procuradores e defensores de direitos dos povos indígenas.

Ausentes e presentes

Doze entre as 19 abstenções também saíram da Frente Parlamentar da Agropecuária. Entre esses doze deputados estava Osmar Serraglio (PMDB-PR), ministro da Justiça durante parte do governo Temer e o principal articulador jurídico da bancada. Outros ruralistas atuantes que se abstiveram são Reinhold Stephanes (PSD-PR), que já foi ministro da Agricultura, e a deputada Shéridan (PSDB-RR).

Nem todos os deputados ruralistas fazem parte da FPA. Ou não estão na lista disponibilizada pela frente. A maioria deles também votou pelo arquivamento da denúncia contra Temer. Entre eles estão Beto Mansur (PRB-SP), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Elcione Barbalho (PMDB-PA), Josué Bengtson (PTB-PA), Heráclito Fortes (PSB-PI) e Paulo Maluf (PP-SP).

Isto entre os deputados mais diretamente ligados a empresas agropecuárias ou detentores de grandes propriedades rurais. Outros parlamentares alinhados com Temer fazem parte de clãs familiares também ligados ao agronegócio, como Fábio Faria (PSD-RN) e Felipe Maia (DEM-RN). A lista dos que se alinham com os interesses ruralistas é ainda mais ampla.

Veja quem votou a favor

Confira, por região, a lista de deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária que enterraram o processo contra Temer na Câmara:

Região Norte:

Abel Mesquita Jr (DEM-RR), André Abdon (PP-AP), Carlos Gaguim (Pode-TO), Edio Lopes (PR-RR), Jéssica Santos (PMDB-AC), Josi Araújo (Pode-AP), Lázaro Botelho (PP-TO), Lucio Mosquini (PMDB-RO), Luiz Cláudio (PR-RO), Marinha Raupp (PMDB-RO), Nilton Capixaba (PTB-RO), Roberto Góes (PDT-AP), Silas Câmara (PRB-AM).

Região Centro-Oeste:

Adilton Sachetti (PSB-MT), Alberto Fraga (DEM-DF), Carlos Bezerra (PMDB-MT), Célio Silveira (PSDB-GO), Daniel Vilela (PMDB-GO), Eliseu Dionizio (PSDB-MS), Ezequiel Fonseca (PP-MT), Fabio Garcia (PSB-MT), Geraldo Resende (PSDB-MS), Heuler Cruvinel (PSD-GO), Izalci Lucas (PSDB-DF), João Campos (PRB-GO), Jovair Arantes (PTB-GO), Lucas Vergilio (SD-GO), Magda Mofatto (PR-GO), Nilson Leitão (PSDB-MT), Pedro Chaves (PMDB-GO), Professor Victorio Galli (PSC-MT), Roberto Balestra (PP-GO), Tereza Cristina (PSB-MS).

Região Nordeste:

André Amaral (PMDB-PB), André Fufuca (PP-MA), Aníbal Gomes (PMDB-CE), Antonio Imbassahy (PMDB-BA), Arthur Lira (PP-AL), Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), Átila Lira (PSB-PI), Benito Gama (PTB-BA), Benjamin Maranhão (SD-PB), Beto Rosado (PP-RN), Claudio Cajado (DEM-BA), Cleber Verde (PRB-MA), Danilo Forte (PSB-CE), Domingos Neto (PSD-CE), Efraim Filho (DEM-PB), Genecias Noronha (SD-CE), Hildo Rocha (PMDB-MA), Hugo Motta (PMDB-PB), João Carlos Bacelar (PR-BA), José Carlos Araújo (PR-BA), José Rocha (PR-BA), Julio Cesar (PSD-PI), Juscelino Filho (DEM-MA), Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), Mara Beltrão (PMDB-AL), Paes Landim (PTB-PI), Rômulo Gouveia (PSD-PB), Walter Alves (PMDB-RN).

Região Sudeste:

Aelton Freitas (PP-MG), Aureo (SD-RJ), Baleia Rossi (PMDB-SP), Bilac Pinto (PR-MG), Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), Bruna Furlan (PSDB-SP), Carlos Melles (DEM-MG), Celso Jacob (PMDB-RJ), Cristiane Brasil (PTB-RJ), Diego Andrade (PSD-MG), Domingos Sávio (PSDB-MG), Eli Corrêa Filho (DEM-SP), Evandro Gussi (PV-SP), Ezequiel Teixeira (Pode-RJ), Fábio Ramalho (PMDB-MG), Fausto Pinato (PP-SP), Francisco Floriano (DEM-RJ), Guilherme Mussi (PP-SP), Henrique Passos (PSD-SP), Jaime Martins (PSD-MG), Leonardo Picciani (PMDB-RJ), Marcelo Aro (PHS-MG), Marcos Montes (PSD-MG), Marcus Pestana (PSDB-MG), Marcus Vicente (PP-ES), Mauro Lopes (PMDB-MG), Milton Monti (PR-SP), Misael Varela (DEM-MG), Nelson Marquezelli (PTB-SP), Newton Cardoso Jr (PMDB-MG), Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), Paulo Feijó (PR-RJ), Paulinho da Força (SD-SP), Raquel Muniz (PSD-MG), Renzo Braz (PP-MG), Roberto Sales (PRB-RJ), Saraiva Felipe (PMDB-MG), Soraya Santos (PMDB-RJ), Toninho Pinheiro (PP-MG), Zé Silva (SD-MG).

Região Sul:

Alceu Moreira (PMDB-RS), Alex Canziani (PTB-PR), Alfredo Kaefer (PSL-PR), Celso Maldaner (PMDB-SC), Covatti Filho (PP-RS), Darcisio Perondi (PMDB-RS),  Dilceu Sperafico (PP-PR), Edmar Arruda (PSD-PR), Evandro Roman (PSD-PR), Giacobo (PR-PR), Hermes Parcianello (PMDB-PR), João Rodrigues (PSD-SC), Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), Luiz Nishimori (PR-PR), Marco Tebaldi (PSDB-SC), Mauro Pereira (PMDB-RS), Nelson Meurer (PP-PR), Osmar Terra (PMDB-RS), Renato Moling (PP-RS), Rogério Peninha (PMDB-SC), Ronaldo Benedet (PMDB-SC), Sergio Souza (PMDB-PR), Takayama (PSC-PR), Valdir Colatto (PMDB-SC).

No RBA
Leia Mais ►

CUT-Vox: Com 53% das intenções de voto, Lula ganha em todos os cenários no 2º turno de 2018

Intenção de voto em Lula cresce nos dois turnos de 2018, apesar da condenação de Moro


A nova rodada da pesquisa CUT-Vox Populi, realizada entre os dias 29 e 31 de julho, mostra que o ex-presidente Lula lidera as intenções de voto para presidência da República no segundo turno nos quatro cenários pesquisados: contra Jair Bolsonaro (PEN-RJ) ou João Doria (PSDB-SP), Lula alcança 53% das intenções de voto; se os candidatos forem Geraldo Alckmin (PSDB-SP) ou Marina Silva (Rede-AC), Lula bate ambos com 52% dos votos.

Nesses cenários imaginados pela pesquisa, Bolsonaro teria 17% dos votos. Já Alckmin, Doria e Marina alcançariam, no máximo, 15% do total de votos, cada um.

Lula é o melhor presidente que o Brasil já teve para 55% dos brasileiros.


Aumenta intenção de voto espontânea em Lula


A intenção de voto espontânea em Lula também aumentou depois que o juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente, sem nenhuma prova, por crime de corrupção passiva no caso do tríplex do Guarujá. Em junho, antes da sentença, 40% dos entrevistados disseram que votariam no ex-presidente. No fim de julho, o percentual aumentou para 42%.

Para Marcos Coimbra, diretor do Instituto Vox Populi, vários dados pesquisa podem explicar porque Moro não acabou com as intenções de voto positivas no ex-presidente.

“Um deles, muito importante, é que, para 42% dos entrevistados, Moro não provou a culpa de Lula no caso do tríplex do Guarujá. Para 32%, Moro provou e, outros, 27% não souberam ou não quiseram responder”.

No cenário em que os entrevistados não recebem cartela com nomes e citam espontaneamente em quem pretendem votar para presidente da República em 2018, o segundo colocado é Bolsonaro, com 8% das intenções de voto.

Marina vem em terceiro, com 2%; e, embolados com apenas 1% dos votos aparecem Moro (sem partido), Ciro Gomes (PDT-CE), Joaquim Barbosa (sem partido), Doria, Fernando Henrique e Alckmin.

Aécio Neves (PSDB-MG) zerou novamente, como havia zerado em junho, após as denúncias de corrupção feitas pela PGR – Procuradoria Geral da República.

Intenção de voto estimulada


No cenário em que a intenção de voto foi estimulada com Alckmin, o tucano atinge 6% das intenções de voto e Lula, 47%. Bolsonaro tem 13%, Marina, 7%, e Ciro, 3%.


Na estimulada com Doria, Lula tem 48% das intenções de voto, Bolsonaro manteve os 13%, Marina subiu para 8% e o prefeito de São Paulo empatou com Ciro Gomes, com 4%.

“O pessimismo dos brasileiros com o momento econômico e político atual e o descrédito no governo Temer, aliados as lembranças de um passado recente de que a vida era melhor nos governos do PT, ajudam a explicar porque as intenções de voto no presidente Lula são as que mais crescem em todos os cenários da pesquisa”, analisa Coimbra.

Segundo ele, outros dados da pesquisa CUT-Vox, ajudam a entender essa tese. Um deles é o aumento de 49% para 55%, entre junho e julho deste ano, do percentual de entrevistados que apontam Lula como o melhor presidente que o Brasil já teve – o outro nome lembrado é o de Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP), com 15%.

Além disso, 58% dos brasileiros consideram Lula um bom administrador, 65% dizem que ele é trabalhador e 61% afirmam que a vida melhorou nos 12 anos de governos do PT.

Já o presidente da CUT, Vagner Freitas, ressalta que o pessimismo dos brasileiros com o governo Temer vem aumentando rapidamente mês a mês por causa do desemprego recorde – mais de 13,5 milhões de trabalhadores estão desempregados – e das medidas de arrocho salarial, previdenciário e social.

Para Vagner, isso explica dados da pesquisa como os de que, com Temer, a vida piorou para 61% dos entrevistados – em junho o percentual era de 52%.

Aumentou também o pessimismo e a descrença quanto a capacidade de Temer de controlar a inflação – em junho, 62% achavam que a inflação ia aumentar. Em julho, esse percentual pulou para 75%. Cresceu também o percentual dos que acham que vai aumentar o desemprego no Brasil – de 68% em junho para 72% em julho.

“O povo quer votar em quem tem compromisso com a classe trabalhadora tanto para voltar a ter uma vida melhor, quanto para reverter as medidas que Temer tomou para acabar com a CLT e a aposentadoria, entre tantas outras desgraças desta gestão golpista”, conclui Vagner.


A pesquisa CUT/Vox Populi, realizada nos dias 29 e 31 de julho, entrevistou 1999 pessoas com mais de 16 anos, em 118 municípios, em áreas urbanas e rurais de todos os estados e do Distrito Federal, em capitais, regiões metropolitanas e no interior.

A margem de erro é de 2,2 %, estimada em um intervalo de confiança de 95%.

Gráficos: Carta Capital
Leia Mais ►

Aprovação do parlamentarismo reunifica golpistas e começa a ser testada na mídia

http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/2017/08/04/aprovacao-do-parlamentarismo-reunifica-golpistas-e-comeca-a-ser-testada-na-midia/


Ontem o presidente ilegítimo Michel Temer deu uma entrevista ao Valor dizendo que via com bons olhos a implantação do parlamentarismo já para 2018.

Hoje, no O Globo, uma nota explora uma suposta reunião entre o senador José Serra (PSDB-SP) e Temer onde o assunto teria sido tratado.

Na ocasião, Serra, ainda segundo a nota, teria defendido a mudança de sistema de governo para 2022. E Temer teria ponderado que achava que a alteração poderia ser realizada já para a próxima eleição.

O resultado da votação do relatório do deputado tucano, Paulo Abi-Ackel, de Minas Gerais, deixou uma coisa clara. Serra e Temer não estão numa boa. Todos os tucanos de São Paulo, com exceção de Bruna Furlan, votaram contra Temer. A bancada do PPS, controlada por Roberto Freire, grande amigo e aliado de Serra, também teve apenas uma defecção a favor do presidente. Todos os outros preferiram votar pelo seu afastamento.

Ou seja, essa nota de O Globo é no minimo curiosa. Para não dizer outra coisa.

Quem acompanha o jornalismo de notismo sabe que certos temas vão surgindo aos poucos. Aparecem no pé de uma matéria, numa fala sem muito destaque de um cacique partidário importante e aí vão ganhando força.

Ou seja, estão testando a hipótese do parlamentarismo. E pelos primeiros sinais, o golpismo tende a se reaglutinar em torno desta tese. Talvez com raríssimas exceções, entre elas, uma provável, é a do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Mas mesmo ele, que sonha com a presidência, e que ficou praticamente sozinho na raia tucana para a disputa, teria dificuldade em dizer não a uma tese que é defendida pelo seu partido desde a criação.

O parlamentarismo também agrada a Globo. Porque ela sabe que numa eleição presidencial a chance de vitória de Lula é imensa.

E agrada ainda mais o mercado, as transnacionais e o governo americano. Pelos mesmos motivos.

E ao mesmo tempo é a tábua de salvação de Serra e Aécio. E de quase todos os deputados e senadores. Porque para mudar o sistema de governo, provavelmente teria que ser realizada de afogadilho uma reforma política, com voto distrital e lista, entre outras coisas.

Essa reforma seria aprovada por este Congresso e por isso mesmo seria feita na medida para garantir a reeleição do maior número possível dos atuais deputados e senadores.

Em suma, a turma não está para brincadeira.

Quem está preocupado com a reforma da previdência, está certo. Mas é bom anotar a placa da reforma do sistema de governo. Porque há sinais claros de que a proposta do parlamentarismo está no forno. E em em fase adiantada de cozimento.

PS: Sim, a foto da matéria não é à toa. No parlamentarismo, o Eduardo Cunha poderia ser o chefe do governo.
Leia Mais ►

Sobre Bolsonaro

O verdadeiro malandro carioca


Anotem aí: Bolsonaro não será candidato a presidente porra nenhuma. O cara é um parasita, bon vivant e vagabundo. Governar dar trabalho pra caralho, mesmo que seja para encher as burras e perder uma eleição certinha até para o senado significa adeus boquinha.

Bolsonaro não tem ideologia, era um oficial de baixa patente, pé rapado que morava numa biboca num subúrbio mais longe do que o Nepal no Rio de Janeiro e que hoje tem duas mansões na Barra, uma puta casa de veraneio em Angra e ainda mais umas cabeças de porco por aí, incluindo a choupana que morava antes de achar esse filão de ser representantes da categoria militar.

Diga-se de passagem, só sensibiliza milico jumento pois o cara com quase três décadas além de criar uma franquia com seu sobrenome para colocar de ex-esposa a todos os filhos pra mamar nessa teta nunca fez porra nenhuma por ninguém, jamais apresentou um projeto de lei por exemplo baixando o preço do band-aid ou o polvilho antisséptico pro militar usar no coturno.

O seu súbito sucesso diante de um quadro de desesperança que já criou merda históricas como Hitler e Mussolini aonde todo o jumento, todo o reacionário, todo o imbecil e alguns desesperançados começaram a criar um fenômeno de popularidade em volta de suas propostas(?) e sua verborragia que quando destilada só sobram vogais e consoantes desconexas.

Ele não ganha de forma alguma, apesar de poder realmente fazer um estrago e teoricamente recuperar um nicho que existe em vários países e que aqui já teve o boquirroto, embora mais culto e preparado, Dr. Enéas como expoente máximo. Os Levy Fidelix da vida tentaram encontrar esse filão mas fracassaram ficando apenas no campo da galhofa e do histrionismo, portanto esse lugar hoje é do sargento bombarda.


O problema é que ele apesar do aparente entusiasmo já vê com preocupação a eleição, o negócio dele não é ocupar um nicho, o negócio dele é alcançar o sonho de todo o suburbano preguiçoso e ruim de trampo, o negócio dele é fazer pesca em reserva ambiental, andar de jet ski, morar bem, comer bem e de preferência ter uma excelente fonte de renda num lugar aonde o expediente é de uma meia dúzia de horas por semana.

O negócio do Bolsonaro não é trabalho e muito menos ficar sem a sua santa e sagrada boquita, apesar da conversa de vingador e guerreiro a última coisa quer é ter que dar expediente a semana inteira, praticamente de segunda a segunda, ser vigiado o tempo todo e ao invés de ser incensado pelo nunca fez passar a ser cobrado pelo que terá que fazer se ganhar a improvável presidência.


Portanto presidência e Bolsonaro não combinam, isso tudo é um factoide para na hora "h" ele se candidatar - e ganhará com toda a certeza, isso eu aposto - uma cadeira no senado pelo indigente RJ, local aonde poderá continuar a sua intifada de araque, sua verborragia vazia e em suma, continuar a fazer o que sempre soube fazer com rara eficiência: Viver como um nababo sem pregar um prego numa barra de sabão.

Rubem Gonzalez



Bostonaro precisa de cola para dizer três palavras


E o Bolsonaro que fez uma cola na mão (HON, CRI, PAT) pra lembrar de dizer "HONESTO, CRISTÃO E PATRIOTA" na hora do voto...




No Esquerda Caviar
Leia Mais ►

A História do Brasil por Bóris Fausto - 4 — A Era Vargas


Série narrada pelo historiador Bóris Fausto e que, por meio de documentos e imagens de arquivo, traça um panorama político, social e econômico do País, desde os tempos coloniais até os dias atuais. A série é composta, ainda, de entrevistas com algumas personalidades que ajudaram a escrever essa história.

Documentário 4: A Era Vargas



Veja também:






Leia Mais ►

MP espanhol quer garantias de que MP brasileiro vai investigar a CBF


Para transferir para o Ministério Público brasileiro o inquérito de Ricardo Teixeira, o Ministério Público espanhol exige garantias reais de que as investigações não serão abandonadas.

A informação é de Jamil Chade, correspondente do Estadão em Genebra, e primeiro jornalista a levantar o tema, em entrevista ao Jornal GGN Não se sabe de que maneira o MPF brasileiro poderá dar essa garantia. E ela é fundamental porque, depois de transferido o inquérito, o MP espanhol não poderá requere-lo de volta.

Ricardo Teixeira foi denunciado juntamente com o presidente do Barcelona Sandro Rossel, por esquema criminosa envolvendo a Seleção Brasileira de futebol e a venda de direitos da Copa Brasil.

Apesar de um crime cometido no Brasil, por brasileiros, o caso jamais foi aprofundado pelo MPF brasileiro. Antes disso, já estourara o caso FIFA, o MPF levantou alguns dados, mas desinteressou-se quando constatou o sistema de interesses que envolvia a matéria. No caso da Copa Brasil, as suspeitas recaem sobre a Rede Globo.

Na entrevista, Chade fala também sobre o livro que lançou recentemente sobre as Olimpíadas do Rio, descrevendo o festival de megalomania que marcou o evento.



Luís Nassif
No GGN
Leia Mais ►

Emendas Parlamentares X Votos Denúncia do Ladrão


NOME

PARTIDOUF
EMPENHO JUN/JUL 2017
COMO VOTOU






AUGUSTO CARVALHOSDDF4.340.769,00NÃO

AUGUSTO COUTINHOSDPE5.102.134,99SIM

AUREOSDRJ3.902.422,00SIM

BENJAMIN MARANHÃOSDPB3.944.800,00SIM

CARLOS MANATOSDES3.339.538,00NÃO

DELEGADO FRANCISCHINISDPR0,00NÃO

GENECIAS NORONHASDCE8.958.513,49SIM

LAERCIO OLIVEIRASDSE5.054.300,20NÃO

LAUDIVIO CARVALHOSDMG4.631.494,00NÃO

LUCAS VERGILIOSDGO3.349.750,00SIM

MAJOR OLIMPIOSDSP4.298.739,00NÃO

PAULO PEREIRA DA SILVASDSP4.449.463,00SIM

WLADIMIR COSTASDPA1.869.910,00SIM

ZÉ SILVASDMG3.959.769,00SIM

ALESSANDRO MOLONREDERJ1.287.948,40NÃO

ALIEL MACHADOREDEPR5.770.385,00NÃO

JOÃO DERLYREDERS8.075.405,00NÃO

MIRO TEIXEIRAREDERJ2.426.260,00NÃO

ANTONIO CARLOS MENDES THAMEPVSP0,00NÃO

EVAIR VIEIRA DE MELOPVES2.218.360,00NÃO

EVANDRO GUSSIPVSP5.011.100,00SIM

LEANDREPVPR3.972.900,00NÃO

ROBERTO DE LUCENAPVSP3.544.920,00SIM

SARNEY FILHOPVMA0,00SIM

ULDURICO JUNIORPVBA2.596.643,00NÃO

CABO DACIOLOPTdoBRJ6.294.850,11NÃO

LUIS TIBÉPTdoBMG4.965.227,00SIM

SILVIO COSTAPTdoBPE3.452.774,00NÃO

ADALBERTO CAVALCANTIPTBPE3.943.317,44SIM

ALEX CANZIANIPTBPR6.442.233,00SIM

ARNALDO FARIA DE SÁPTBSP8.101.360,54NÃO

BENITO GAMAPTBBA5.202.637,44SIM

CRISTIANE BRASILPTBRJ4.958.100,00SIM

DELEYPTBRJ5.294.190,90NÃO

JORGE CÔRTE REALPTBPE5.372.953,00SIM

JOSUÉ BENGTSONPTBPA3.647.460,00SIM

JOVAIR ARANTESPTBGO1.561.910,00SIM

NELSON MARQUEZELLIPTBSP3.852.280,00SIM

NILTON CAPIXABAPTBRO2.579.884,00SIM

PAES LANDIMPTBPI3.890.370,00SIM

PEDRO FERNANDESPTBMA4.385.523,00SIM

RONALDO NOGUEIRAPTBRS0,00SIM

SABINO CASTELO BRANCOPTBAM0,00SIM

SÉRGIO MORAESPTBRS4.206.263,00SIM

WILSON FILHOPTBPB3.474.826,00AUSENTE

ZECA CAVALCANTIPTBPE3.665.150,00SIM

ADELMO CARNEIRO LEÃOPTMG3.966.583,05NÃO

AFONSO FLORENCEPTBA5.370.000,00NÃO

ANA PERUGINIPTSP5.723.291,10NÃO

ANDRES SANCHEZPTSP6.972.943,00NÃO

ANGELIMPTAC3.140.974,25NÃO

ARLINDO CHINAGLIAPTSP7.352.162,00NÃO

ASSIS CARVALHOPTPI7.000.625,00NÃO

BENEDITA DA SILVAPTRJ2.510.000,00NÃO

BETO FAROPTPA3.615.769,00NÃO

BOHN GASSPTRS5.817.519,68NÃO

CAETANOPTBA8.349.341,08NÃO

CARLOS ZARATTINIPTSP8.084.967,76NÃO

CHICO D'ANGELOPTRJ2.837.752,50NÃO

DÉCIO LIMAPTSC7.821.950,37NÃO

ENIO VERRIPTPR9.319.388,00NÃO

ERIKA KOKAYPTDF2.299.000,00NÃO

GABRIEL GUIMARÃESPTMG6.028.861,43NÃO

GIVALDO VIEIRAPTES6.029.466,00NÃO

HELDER SALOMÃOPTES6.520.886,00NÃO

HENRIQUE FONTANAPTRS6.365.115,80NÃO

JOÃO DANIELPTSE8.206.642,05NÃO

JORGE SOLLAPTBA299.990,00NÃO

JOSÉ AIRTON CIRILOPTCE3.459.803,00NÃO

JOSÉ GUIMARÃESPTCE4.833.139,00NÃO

JOSÉ MENTORPTSP3.860.843,00NÃO

JOSIAS GOMESPTBA0,00NÃO

LEO DE BRITOPTAC3.721.070,00NÃO

LEONARDO MONTEIROPTMG3.225.280,00NÃO

LUIZ COUTOPTPB4.180.890,00NÃO

LUIZ SÉRGIOPTRJ4.327.715,00NÃO

LUIZIANNE LINSPTCE9.922.953,00NÃO

MARCO MAIAPTRS4.314.568,00NÃO

MARCONPTRS4.438.030,00NÃO

MARGARIDA SALOMÃOPTMG3.407.100,00NÃO

MARIA DO ROSÁRIOPTRS3.783.946,00NÃO

NELSON PELLEGRINOPTBA5.413.783,00NÃO

NILTO TATTOPTSP4.843.768,00NÃO

PADRE JOÃOPTMG3.662.523,00NÃO

PATRUS ANANIASPTMG4.052.184,00NÃO

PAULÃOPTAL5.098.775,00NÃO

PAULO PIMENTAPTRS2.921.618,00NÃO

PAULO TEIXEIRAPTSP2.349.611,00NÃO

PEDRO UCZAIPTSC2.819.538,00NÃO

PEPE VARGASPTRS1.100.000,00NÃO

REGINALDO LOPESPTMG2.729.010,00NÃO

RUBENS OTONIPTGO2.817.390,00NÃO

SÁGUAS MORAESPTMT2.991.880,00NÃO

VALMIR ASSUNÇÃOPTBA1.716.840,00NÃO

VALMIR PRASCIDELLIPTSP4.540.953,00NÃO

VANDER LOUBETPTMS5.622.953,00NÃO

VICENTE CANDIDOPTSP3.899.965,00NÃO

VICENTINHOPTSP4.256.698,00NÃO

WADIH DAMOUSPTRJ0,00NÃO

WALDENOR PEREIRAPTBA6.184.475,00NÃO

ZÉ CARLOSPTMA4.485.613,00NÃO

ZÉ GERALDOPTPA8.850.000,00NÃO

ZECA DIRCEUPTPR5.113.184,00NÃO

ZECA DO PTPTMS3.861.477,00NÃO

CHICO ALENCARPSOLRJ510.779,89NÃO

EDMILSON RODRIGUESPSOLPA3.021.470,94NÃO

GLAUBER BRAGAPSOLRJ3.781.190,00NÃO

IVAN VALENTEPSOLSP2.749.955,00NÃO

JEAN WYLLYSPSOLRJ200.000,00NÃO

LUIZA ERUNDINAPSOLSP1.499.810,00NÃO

ALFREDO KAEFERPSLPR10.212.153,00SIM

DÂMINA PEREIRAPSLMG9.360.003,00SIM

LUCIANO BIVARPSLPE0,00SIM

ANTONIO IMBASSAHYPSDBBA3.959.407,58SIM

ARTHUR VIRGÍLIO BISNETOPSDBAM5.559.769,00SIM

BETINHO GOMESPSDBPE2.181.945,00NÃO

BONIFÁCIO DE ANDRADAPSDBMG8.019.780,00SIM

BRUNA FURLANPSDBSP1.927.350,00SIM

BRUNO ARAÚJOPSDBPE10.722.950,78SIM

CAIO NARCIOPSDBMG6.278.451,00NÃO

CARLOS SAMPAIOPSDBSP7.572.094,00NÃO

CÉLIO SILVEIRAPSDBGO7.564.792,55SIM

DANIEL COELHOPSDBPE5.869.325,42NÃO

DOMINGOS SÁVIOPSDBMG7.900.200,00SIM

EDUARDO BARBOSAPSDBMG6.253.186,00AUSENTE

EDUARDO CURYPSDBSP7.675.177,61NÃO

ELIZEU DIONIZIOPSDBMS2.659.680,00SIM

FÁBIO SOUSAPSDBGO9.873.005,16NÃO

GEOVANIA DE SÁPSDBSC10.050.112,54NÃO
GERALDO RESENDEPSDBMS3.451.700,00SIM

GIUSEPPE VECCIPSDBGO7.620.145,38SIM

IZALCI LUCASPSDBDF7.676.769,00SIM

IZAQUE SILVAPSDBSP0,00NÃO

JOÃO GUALBERTOPSDBBA8.650.741,97NÃO

JOÃO PAULO PAPAPSDBSP6.322.948,00NÃO

JUTAHY JUNIORPSDBBA3.511.874,00NÃO

LOBBE NETOPSDBSP0,00NÃO

LUIZ CARLOS HAULYPSDBPR2.091.158,00SIM

MARA GABRILLIPSDBSP3.123.250,00NÃO

MARCO TEBALDIPSDBSC7.028.714,18SIM

MARCUS PESTANAPSDBMG6.613.953,00SIM

MARIANA CARVALHOPSDBRO2.488.215,00NÃO

MIGUEL HADDADPSDBSP3.200.000,00NÃO

NELSON PADOVANIPSDBPR0,00SIM

NILSON LEITÃOPSDBMT3.315.395,00SIM

NILSON PINTOPSDBPA3.336.445,00SIM

OTAVIO LEITEPSDBRJ3.991.627,00NÃO

PAULO ABI-ACKELPSDBMG5.019.769,00SIM

PEDRO CUNHA LIMAPSDBPB3.317.585,00NÃO

PEDRO VILELAPSDBAL3.898.735,00AUSENTE

RAIMUNDO GOMES DE MATOSPSDBCE6.061.815,20AUSENTE

RICARDO TRIPOLIPSDBSP3.403.067,00NÃO

ROCHAPSDBAC2.262.330,00NÃO

RODRIGO DE CASTROPSDBMG3.969.920,00SIM

ROGÉRIO MARINHOPSDBRN5.246.500,00SIM

SHÉRIDANPSDBRR6.110.404,00AUSENTE

SILVIO TORRESPSDBSP4.326.153,00NÃO

VANDERLEI MACRISPSDBSP1.621.403,00NÃO

VITOR LIPPIPSDBSP999.930,00NÃO

YEDA CRUSIUSPSDBRS0,00SIM

ANDRÉ DE PAULAPSDPE5.231.165,00NÃO

ANTONIO BRITOPSDBA9.989.816,54NÃO

ÁTILA LINSPSDAM1.794.053,00SIM

CESAR SOUZAPSDSC9.500.000,00SIM

DANRLEI DE DEUS HINTERHOLZPSDRS6.314.378,00NÃO

DELEGADO ÉDER MAUROPSDPA7.332.998,52SIM

DIEGO ANDRADEPSDMG4.440.206,25SIM

DOMINGOS NETOPSDCE10.722.953,00SIM

EDMAR ARRUDAPSDPR7.631.223,00SIM

EVANDRO ROMANPSDPR4.914.011,17SIM

EXPEDITO NETTOPSDRO5.688.974,00NÃO

FÁBIO FARIAPSDRN7.956.790,34SIM

FÁBIO MITIDIERIPSDSE6.477.160,00NÃO

FERNANDO TORRESPSDBA7.837.998,00NÃO

GOULARTPSDSP7.973.758,00SIM

HERCULANO PASSOSPSDSP7.872.390,00SIM

HEULER CRUVINELPSDGO0,00SIM

IRAJÁ ABREUPSDTO6.983.118,00NÃO

JAIME MARTINSPSDMG6.638.980,54SIM

JEFFERSON CAMPOSPSDSP6.471.698,52NÃO

JOÃO PAULO KLEINÜBINGPSDSC0,00SIM

JOÃO RODRIGUESPSDSC5.362.685,00SIM

JOAQUIM PASSARINHOPSDPA1.987.845,00NÃO

JOSÉ NUNESPSDBA2.814.768,00NÃO

JÚLIO CESARPSDPI5.243.114,00SIM

MARCOS MONTESPSDMG4.769.935,00SIM

MARCOS REATEGUIPSDAP2.900.000,00AUSENTE

PAULO MAGALHÃESPSDBA1.909.768,00NÃO

RAQUEL MUNIZPSDMG2.860.558,16SIM

REINHOLD STEPHANESPSDPR3.059.760,00AUSENTE

ROGÉRIO ROSSOPSDDF4.251.537,36SIM

RÔMULO GOUVEIAPSDPB5.178.643,00SIM

SANDRO ALEXPSDPR939.900,00NÃO

SÉRGIO BRITOPSDBA2.989.699,00NÃO

STEFANO AGUIARPSDMG5.900.000,00NÃO

THIAGO PEIXOTOPSDGO3.363.139,00SIM

VICTOR MENDESPSDMA6.929.423,00SIM

WALTER IHOSHIPSDSP0,00SIM

ANDRE MOURAPSCSE9.582.835,55SIM

AROLDE DE OLIVEIRAPSCRJ0,00NÃO

EDUARDO BOLSONAROPSCSP3.230.876,24NÃO

GILBERTO NASCIMENTOPSCSP8.519.473,00AUSENTE

IRMÃO LAZAROPSCBA7.254.579,00NÃO

JAIR BOLSONAROPSCRJ2.621.077,00NÃO

JÚLIA MARINHOPSCPA4.101.334,00SIM

PR. MARCO FELICIANOPSCSP3.299.999,00SIM

PROFESSOR VICTÓRIO GALLIPSCMT0,00SIM

TAKAYAMAPSCPR3.859.498,00SIM

ADILTON SACHETTIPSBMT7.610.953,00SIM

ÁTILA LIRAPSBPI6.408.913,08SIM

BEBETOPSBBA6.893.301,54NÃO

CÉSAR MESSIASPSBAC5.169.724,00NÃO

DANILO CABRALPSBPE9.494.443,00NÃO

DANILO FORTEPSBCE8.489.000,00SIM

FABIO GARCIAPSBMT6.292.953,00SIM

FERNANDO COELHO FILHOPSBPE2.775.637,70SIM

FLAVINHOPSBSP3.049.337,00NÃO

GEORGE HILTONPSBMG4.230.894,25NÃO

GONZAGA PATRIOTAPSBPE9.147.998,00NÃO

HEITOR SCHUCHPSBRS8.102.565,00NÃO

HERÁCLITO FORTESPSBPI8.318.459,00SIM

HUGO LEALPSBRJ5.709.410,80NÃO

JANETE CAPIBERIBEPSBAP4.450.140,00NÃO

JHCPSBAL3.994.774,78NÃO

JOÃO FERNANDO COUTINHOPSBPE5.473.745,00AUSENTE

JOSÉ REINALDOPSBMA4.569.538,00SIM

JOSE STÉDILEPSBRS4.212.645,00NÃO

JÚLIO DELGADOPSBMG1.796.900,00NÃO

KEIKO OTAPSBSP598.970,00NÃO

LEOPOLDO MEYERPSBPR1.108.950,00NÃO

LUANA COSTAPSBMA0,00NÃO

LUCIANO DUCCIPSBPR3.146.480,00AUSENTE

LUIZ LAURO FILHOPSBSP3.299.545,00NÃO

MARIA HELENAPSBRR1.459.610,00SIM

MARINALDO ROSENDOPSBPE6.702.438,00SIM

ODORICO MONTEIROPSBCE6.326.536,00NÃO

PAULO FOLETTOPSBES2.105.000,00NÃO

RAFAEL MOTTAPSBRN2.979.249,00NÃO

RODRIGO MARTINSPSBPI5.572.856,06NÃO

TADEU ALENCARPSBPE2.515.330,00NÃO

TENENTE LÚCIOPSBMG5.690.000,00SIM

TEREZA CRISTINAPSBMS2.511.476,00SIM

VALADARES FILHOPSBSE0,00NÃO

EROS BIONDINIPROSMG8.032.038,00NÃO

FELIPE BORNIERPROSRJ9.274.539,00NÃO

RONALDO FONSECAPROSDF700.000,00SIM

TONINHO WANDSCHEERPROSPR4.968.763,00SIM

ALAN RICKPRBAC6.500.000,00NÃO

ANTONIO BULHÕESPRBSP8.142.540,00SIM

BETO MANSURPRBSP9.809.663,00SIM

CARLOS GOMESPRBRS9.052.085,00NÃO

CELSO RUSSOMANNOPRBSP2.169.622,99SIM

CÉSAR HALUMPRBTO9.469.200,00NÃO

CLEBER VERDEPRBMA7.106.838,00SIM

DEJORGE PATRÍCIOPRBRJ0,00AUSENTE

JHONATAN DE JESUSPRBRR9.180.953,00SIM

JOÃO CAMPOSPRBGO6.077.630,00SIM

JONY MARCOSPRBSE6.495.213,00NÃO

LINCOLN PORTELAPRBMG2.477.800,00NÃO

LINDOMAR GARÇONPRBRO1.553.475,00SIM

MARCELO SQUASSONIPRBSP3.159.538,00SIM

MÁRCIO MARINHOPRBBA1.899.905,00SIM

PASTOR LUCIANO BRAGAPRBBA0,00SIM

ROBERTO ALVESPRBSP1.422.953,00SIM

ROBERTO SALESPRBRJ7.739.538,00SIM

RONALDO MARTINSPRBCE5.453.417,00NÃO

ROSANGELA GOMESPRBRJ1.702.940,55SIM

SÉRGIO REISPRBSP0,00NÃO
SILAS CÂMARAPRBAM2.225.950,00SIM

VINICIUS CARVALHOPRBSP3.257.732,00SIM

ADELSON BARRETOPRSE10.145.850,54NÃO

AELTON FREITASPRMG6.767.961,54SIM

ALEXANDRE VALLEPRRJ7.722.953,00SIM

ALFREDO NASCIMENTOPRAM5.463.184,00SIM

BILAC PINTOPRMG9.531.258,78SIM

BRUNNYPRMG6.565.630,54SIM

CABO SABINOPRCE10.622.953,00NÃO
CAJAR NARDESPRRS7.505.078,00SIM

CAPITÃO AUGUSTOPRSP5.594.780,00NÃO

CHRISTIANE DE SOUZA YAREDPRPR9.150.072,00NÃO

DELEGADO EDSON MOREIRAPRMG6.451.199,01SIM

DELEGADO WALDIRPRGO2.309.370,38AUSENTE

EDIO LOPESPRRR6.150.000,00SIM

GIACOBOPRPR10.582.340,00SIM

GIOVANI CHERINIPRRS0,00AUSENTE

GORETE PEREIRAPRCE8.218.525,54SIM

JOÃO CARLOS BACELARPRBA6.852.769,00SIM

JORGINHO MELLOPRSC4.202.843,00NÃO

JOSÉ CARLOS ARAÚJOPRBA2.459.656,97SIM

JOSÉ ROCHAPRBA2.911.211,98SIM

LAERTE BESSAPRDF2.390.000,00SIM

LÚCIO VALEPRPA6.499.415,00SIM

LUIZ CLÁUDIOPRRO2.943.184,00SIM

LUIZ NISHIMORIPRPR4.752.408,00SIM

MAGDA MOFATTOPRGO3.236.705,00SIM

MARCELO ÁLVARO ANTÔNIOPRMG4.168.482,00NÃO

MARCELO DELAROLIPRRJ0,00SIM

MARCIO ALVINOPRSP5.409.000,00SIM

MAURÍCIO QUINTELLA LESSAPRAL0,00SIM

MIGUEL LOMBARDIPRSP2.873.953,00SIM

MILTON MONTIPRSP4.709.770,00SIM

PAULO FEIJÓPRRJ2.907.945,00SIM

PAULO FREIREPRSP2.079.940,00SIM

REMÍDIO MONAIPRRR450.000,00SIM

SEBASTIÃO OLIVEIRAPRPE0,00SIM

TIRIRICAPRSP4.342.734,00NÃO

VICENTINHO JÚNIORPRTO2.713.745,00AUSENTE

VINICIUS GURGELPRAP4.792.925,00SIM

WELLINGTON ROBERTOPRPB5.201.750,00NÃO

ZENAIDE MAIAPRRN1.855.892,55NÃO

ALEX MANENTEPPSSP9.066.453,00NÃO

ARNALDO JORDYPPSPA3.509.698,78NÃO

ARTHUR OLIVEIRA MAIAPPSBA1.814.996,83SIM

CARMEN ZANOTTOPPSSC5.276.058,55NÃO

ELIZIANE GAMAPPSMA4.644.638,00NÃO

LUZIA FERREIRAPPSMG0,00NÃO

MARCOS ABRÃOPPSGO3.225.827,63NÃO

POLLYANA GAMAPPSSP0,00NÃO

ROBERTO FREIREPPSSP0,00NÃO

RUBENS BUENOPPSPR4.762.795,00NÃO

ADAIL CARNEIROPPCE8.963.739,00NÃO VOTOU

AFONSO HAMMPPRS9.135.074,00NÃO

AGUINALDO RIBEIROPPPB10.033.523,00SIM

ANDRÉ ABDONPPAP8.168.307,00SIM

ANDRÉ FUFUCAPPMA10.389.888,00SIM

ARTHUR LIRAPPAL1.226.340,00SIM

BETO ROSADOPPRN5.958.330,00SIM

BETO SALAMEPPPA7.442.953,00SIM

CACÁ LEÃOPPBA8.349.341,08SIM

CONCEIÇÃO SAMPAIOPPAM1.417.264,55NÃO

COVATTI FILHOPPRS9.712.452,78SIM

DILCEU SPERAFICOPPPR8.870.469,00SIM

DIMAS FABIANOPPMG8.667.300,52SIM

EDUARDO DA FONTEPPPE3.072.893,00SIM

ESPERIDIÃO AMINPPSC5.664.034,00NÃO

EZEQUIEL FONSECAPPMT6.471.700,00SIM

FAUSTO PINATOPPSP9.007.550,00SIM

FERNANDO MONTEIROPPPE3.972.500,00SIM

FRANKLINPPMG5.165.399,00SIM

GUILHERME MUSSIPPSP8.011.137,44SIM

HIRAN GONÇALVESPPRR6.465.890,00SIM

IRACEMA PORTELLAPPPI10.116.935,12SIM

JERÔNIMO GOERGENPPRS8.894.362,17NÃO

JORGE BOEIRAPPSC820.000,00NÃO

JOSÉ OTÁVIO GERMANOPPRS2.074.473,00SIM

JULIO LOPESPPRJ4.528.051,00SIM

LÁZARO BOTELHOPPTO3.437.245,00SIM

LUIS CARLOS HEINZEPPRS4.113.184,00NÃO

LUIZ FERNANDO FARIAPPMG3.717.020,00SIM

MACEDOPPCE3.719.790,00SIM

MAIA FILHOPPPI0,00SIM

MARCUS VICENTEPPES1.181.500,00SIM

MÁRIO NEGROMONTE JR.PPBA2.506.947,00SIM

NELSON MEURERPPPR5.429.536,00SIM

PAULO HENRIQUE LUSTOSAPPCE0,00SIM

PAULO MALUFPPSP4.030.970,00SIM

RENATO ANDRADEPPMG0,00SIM

RENATO MOLLINGPPRS1.129.000,00SIM

RENZO BRAZPPMG1.489.890,00SIM

RICARDO IZARPPSP3.801.800,00SIM

ROBERTO BALESTRAPPGO6.959.770,00SIM

ROBERTO BRITTOPPBA1.788.050,00SIM

RONALDO CARLETTOPPBA6.051.425,00AUSENTE

RÔNEY NEMERPPDF1.909.818,00AUSENTE

SIMÃO SESSIMPPRJ6.722.953,00SIM

TONINHO PINHEIROPPMG5.768.253,00SIM

WALDIR MARANHÃOPPMA1.220.000,00NÃO

ADEMIR CAMILOPODEMG9.619.817,00SIM

ALEXANDRE BALDYPODEGO5.732.953,00SIM

ALUISIO MENDESPODEMA10.469.538,00SIM

ANTÔNIO JÁCOMEPODERN6.841.825,00NÃO

BACELARPODEBA10.587.869,00NÃO

CARLOS HENRIQUE GAGUIMPODETO7.516.630,00SIM

DR. SINVAL MALHEIROSPODESP7.380.203,00SIM

EZEQUIEL TEIXEIRAPODERJ6.500.000,00SIM

FRANCISCO CHAPADINHAPODEPA4.398.635,00SIM

JOZI ARAÚJOPODEAP0,00SIM

LUIZ CARLOS RAMOSPODERJ5.024.950,00NÃO

RENATA ABREUPODESP4.372.953,00NÃO

RICARDO TEOBALDOPODEPE1.470.680,00SIM

SILAS FREIREPODEPI0,00SIM

ALCEU MOREIRAPMDBRS6.650.012,10SIM

ALEXANDRE SERFIOTISPMDBRJ2.560.370,00AUSENTE

ALTINEU CÔRTESPMDBRJ8.070.653,00SIM

ANDRÉ AMARALPMDBPB6.408.362,57SIM

ANÍBAL GOMESPMDBCE10.159.577,00SIM

BALEIA ROSSIPMDBSP5.359.438,00SIM

CABUÇU BORGESPMDBAP7.022.783,00SIM

CARLOS BEZERRAPMDBMT6.249.940,00SIM

CARLOS MARUNPMDBMS5.874.910,00SIM

CELSO JACOBPMDBRJ3.936.910,00SIM

CELSO MALDANERPMDBSC8.860.750,00SIM

CELSO PANSERAPMDBRJ4.685.253,00NÃO

CÍCERO ALMEIDAPMDBAL4.878.231,00SIM

DANIEL VILELAPMDBGO3.457.913,40SIM

DARCÍSIO PERONDIPMDBRS6.970.267,80SIM

DULCE MIRANDAPMDBTO6.791.329,00SIM

ELCIONE BARBALHOPMDBPA3.438.330,00SIM

FÁBIO RAMALHOPMDBMG5.578.659,41SIM

FABIO REISPMDBSE9.873.005,16SIM

FLAVIANO MELOPMDBAC5.672.953,00SIM

HERMES PARCIANELLOPMDBPR7.923.758,98SIM

HILDO ROCHAPMDBMA0,00SIM

HUGO MOTTAPMDBPB8.547.980,54SIM

JARBAS VASCONCELOSPMDBPE7.485.885,00NÃO

JÉSSICA SALESPMDBAC5.712.699,00SIM

JOÃO ARRUDAPMDBPR7.913.360,00SIM

JOÃO MARCELO SOUZAPMDBMA5.069.873,00SIM

JOSÉ FOGAÇAPMDBRS2.851.760,00SIM

JOSÉ PRIANTEPMDBPA3.233.458,44SIM

JOSI NUNESPMDBTO4.010.880,00SIM

LAURA CARNEIROPMDBRJ1.039.800,00NÃO

LELO COIMBRAPMDBES3.709.820,00SIM

LEONARDO PICCIANIPMDBRJ0,00SIM

LEONARDO QUINTÃOPMDBMG8.222.953,00SIM

LUCIO MOSQUINIPMDBRO2.394.370,00SIM

LUCIO VIEIRA LIMAPMDBBA2.706.481,00SIM

MARCELO CASTROPMDBPI5.729.224,00AUSENTE

MARCO ANTÔNIO CABRALPMDBRJ2.364.385,00SIM

MARINHA RAUPPPMDBRO800.000,00SIM

MARX BELTRÃOPMDBAL0,00SIM

MAURO LOPESPMDBMG3.940.950,00SIM

MAURO MARIANIPMDBSC2.455.769,00SIM

MAURO PEREIRAPMDBRS3.734.139,00SIM

MOSES RODRIGUESPMDBCE5.115.903,00SIM

NEWTON CARDOSO JRPMDBMG4.248.530,00SIM

OSMAR SERRAGLIOPMDBPR3.622.953,00AUSENTE

OSMAR TERRAPMDBRS0,00SIM

PEDRO CHAVESPMDBGO2.976.887,48SIM

PEDRO PAULOPMDBRJ10.319.538,00SIM

RODRIGO PACHECOPMDBMG2.859.769,00ABSTENÇÃO

ROGÉRIO PENINHA MENDONÇAPMDBSC2.556.004,00SIM

ROGÉRIO SILVAPMDBMT0,00SIM

RONALDO BENEDETPMDBSC3.150.000,00SIM

SARAIVA FELIPEPMDBMG3.749.880,00SIM

SERGIO SOUZAPMDBPR5.075.569,00SIM

SERGIO ZVEITERPMDBRJ0,00NÃO

SIMONE MORGADOPMDBPA3.973.753,09SIM

SORAYA SANTOSPMDBRJ3.398.000,00SIM

VALDIR COLATTOPMDBSC3.463.109,00SIM

VENEZIANO VITAL DO RÊGOPMDBPB0,00NÃO

VITOR VALIMPMDBCE10.722.953,00NÃO

WALTER ALVESPMDBRN2.849.935,00SIM

ZÉ AUGUSTO NALINPMDBRJ0,00SIM

WELITON PRADOPMBMG1.287.878,00NÃO

CARLOS ANDRADEPHSRR6.230.948,00NÃO

DIEGO GARCIAPHSPR6.812.314,55NÃO

DR. JORGE SILVAPHSES5.025.354,32NÃO

GIVALDO CARIMBÃOPHSAL2.459.698,00NÃO

MARCELO AROPHSMG4.169.980,00SIM

MARCELO MATOSPHSRJ5.462.229,20NÃO

PASTOR EURICOPHSPE2.465.282,37NÃO

ERIVELTON SANTANAPENBA6.419.180,00SIM

JUNIOR MARRECAPENMA3.717.953,00SIM

WALNEY ROCHAPENRJ5.719.500,00SIM

AFONSO MOTTAPDTRS7.324.361,78NÃO

ANDRE FIGUEIREDOPDTCE6.759.100,00NÃO

ARIOSTO HOLANDAPDTCE0,00NÃO

ASSIS DO COUTOPDTPR10.258.573,00NÃO

DAGOBERTO NOGUEIRAPDTMS6.030.069,00NÃO

DAMIÃO FELICIANOPDTPB9.350.712,55NÃO

DEOCLIDES MACEDOPDTMA0,00NÃO

FÉLIX MENDONÇA JÚNIORPDTBA6.203.652,99NÃO

FLÁVIA MORAISPDTGO8.258.038,00NÃO

HISSA ABRAHÃOPDTAM4.103.108,00NÃO

LEÔNIDAS CRISTINOPDTCE2.369.536,00NÃO
POMPEO DE MATTOSPDTRS2.234.840,00NÃO

ROBERTO GÓESPDTAP4.800.000,00SIM

RONALDO LESSAPDTAL4.777.534,00NÃO

SERGIO VIDIGALPDTES1.619.369,00NÃO

SUBTENENTE GONZAGAPDTMG1.477.100,00NÃO

WEVERTON ROCHAPDTMA4.510.600,00NÃO

WOLNEY QUEIROZPDTPE5.410.490,00NÃO

ALICE PORTUGALPCdoBBA10.565.500,00NÃO

CHICO LOPESPCdoBCE9.160.411,80NÃO

DANIEL ALMEIDAPCdoBBA5.671.107,64NÃO

JANDIRA FEGHALIPCdoBRJ4.403.114,98NÃO
JÔ MORAESPCdoBMG4.147.515,75NÃO
LUCIANA SANTOSPCdoBPE3.128.800,00NÃO
MOISÉS DINIZPCdoBAC2.356.747,00NÃO
ORLANDO SILVAPCdoBSP1.200.000,00NÃO

PROFESSORA MARCIVANIAPCdoBAP2.873.575,00NÃO

RUBENS PEREIRA JÚNIORPCdoBMA5.804.965,00NÃO

ABEL MESQUITA JR.DEMRR7.061.477,00SIM

ALBERTO FRAGADEMDF3.000.000,00SIM

ALEXANDRE LEITEDEMSP3.339.857,00ABSTENÇÃO

CARLOS MELLESDEMMG6.030.551,54SIM

CLAUDIO CAJADODEMBA5.877.058,92SIM

EFRAIM FILHODEMPB6.351.960,00SIM

ELI CORRÊA FILHODEMSP7.139.643,00SIM

ELMAR NASCIMENTODEMBA2.553.638,00SIM

FELIPE MAIADEMRN7.596.397,93SIM

FRANCISCO FLORIANODEMRJ9.722.953,00SIM

HÉLIO LEITEDEMPA5.764.781,66SIM

JORGE TADEU MUDALENDEMSP4.272.214,00SIM

JOSÉ CARLOS ALELUIADEMBA333.700,12SIM

JUSCELINO FILHODEMMA5.849.489,70SIM

MANDETTADEMMS2.773.866,00NÃO

MARCELO AGUIARDEMSP2.039.894,00SIM

MARCOS ROGÉRIODEMRO1.862.550,00NÃO

MARCOS SOARESDEMRJ1.374.792,00SIM

MENDONÇA FILHODEMPE0,00SIM

MISAEL VARELLADEMMG4.072.895,00SIM

MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIODEMSP1.430.020,00SIM

NORMA AYUBDEMES0,00NÃO

ONYX LORENZONIDEMRS4.556.595,00NÃO

OSMAR BERTOLDIDEMPR0,00SIM

PAUDERNEY AVELINODEMAM4.372.953,00SIM

PAULO AZIDEMBA3.052.128,00SIM

PROFESSORA DORINHA SEABRA REZENDE
DEMTO1.446.140,00SIM

RODRIGO MAIADEMRJ3.589.900,00NÃO VOTOU

SÓSTENES CAVALCANTEDEMRJ9.494.800,52NÃO

VAIDON OLIVEIRADEMCE0,00SIM

Fonte: Siafi/Contas Abertas até 19 de julho de 2017
Leia Mais ►