3 de dez de 2017

O abuso generalizado nos contextos de mídia e Judiciário


Abuso é quando uso um poder legítimo ou não para massacrar alguém ou um grupo social qualquer. É o uso da força para fins destrutivos, covardes, perversos. É a essência da perversão da justiça. É humilhar o outro pelo uso indigno de um poder que tenho em minhas mãos. É um comportamento, em suma, canalha, não há outro termo a se usar!

Podemos afirmar com toda a convicção que um país perdeu seu rumo, perdeu todos os seus valores civilizatórios apenas a partir dessa premissa: se esse país faz do abuso de cidadãos ou grupos de cidadãos (como os moradores de favelas, para citar apenas um exemplo cruel...), uma rotina degradante e covarde.

Infelizmente, essa é a realidade secular no Brasil. Exacerbada além do insano, do absurdo, nesses tempos de histeria social, de líderes e partidos SATANIZADOS, desprovidos de valor social pelo medo, o preconceito e o nojo incutidos na sociedade sobre esses líderes e partidos específicos. Ou os "out-siders" incômodos, como é o caso de Garotinho. Como disse o Nassif, não tem abrigo no fundo, em nenhum "guarda-chuva" do poder - um partido, parte da mídia que fosse, ou um ministro de um STF... - coisas que não faltam aos privilegiados tucanos, por exemplo,​

Essa questão do abuso é tão grave e recorrente, que qualquer brasileiro antenado minimamente com a realidade citaria dezenas e dezenas de casos de memória, sem a necessidade de qualquer pesquisa. Abuso tem relação DIRETA com o USO DA FORÇA, da violência em suas diversas formas. Lembremos de alguns casos chocantes, e comparemos a reação da mídoa, do Judiciário e de nossa enferma e fanática sociedade, se esses mesmos abusos fossem cometidos contra "os ique merecem respeito".

1 - Aécio Neves, dedo em riste, chamando Dilma em um debate, de corrupta e mentirosa, várias vezes. Num país civilizado, mídia e sociedade rejeitariam um home capaz de tal selvageria, radicalmente. Aqui, foi festejado! E se fosse Lula, fazendo o mesmo com dona Ruth Cardoso, nas mesmas circunstâncias?

2 - A invasão da casa de Lula, revistada minuciosamente por dezenas de policiais federais armados, até os IPADs de seus netos levados, para o júbilo sádico de um juiz psicopata e procuradores federais indignos. O que faria a Globo, se fosse na casa de FHC? Como reagiriam os brasileiros antipetistas nesse caso? O Brasil seria incendiado de tanta fúria e indignação, o juiz, fosse quem fosse, seria execrado!

3 - A prisão de Mantega, DENTRO DE UM HOSPITAL, onde sua esposa se preparava para uma delicada cirurgia, gravemente enferma, a mesma doença que a levaria à sua morte recentemente... De novo, a mesma questão: Como reagiria a grande mídia, fosse tal torpeza cometida contra um ministro de FHC, ou Serra, Alckmin? Como reagiria nossa sociedade civil, nossa classe média, tão selvagem quando se trata destes, a quem odeiam?

4 - Um dos piores casos de ABUSOS VERBAIS já cometidos por um dos mais covardes e medíocres agentes públicos de todos os tempos: o procurador da Lava Jato Carlos Fernando Santos. Como disse Nassif, em atitude típica de bazófia de botequins, o desclassificado procurador disse em entrevista ao Estadão que por ele, "dona Marisa também seria conduzida coercitivamente, junto com Lula, o que só não ocorreu pelo coração mole do juiz Moro, que negou o pedido..." - Pergunta-se: de que modo se classifica essa declaração, sobre uma mulher morta, ex-primeira dama do presidente mais popular do país, respeitado em todo o mundo...? Como se classifica um jornal que publica uma entrevista nesse nível? Como classificamos os brasileiros, que por se tratar "da mulher do Lula", não se indignam, não se revoltam com a sordidez ímpar de um homem tão covarde e sem caráter...?

Abuso é a palavra, a ação, o pensamento, o sentimento, o comportamento que se "naturalizou" brasileiro nesses tempos. Abusos diários da grande mídia. Abusos diários do Ministério Público e do Judiciário. Abusos diários de um governo usurpador e ilegítimo. Abuso diário, de ódio e fanatismo, de uma sociedade que ou celebra, ou se cala em omissão suicida, burra, criminosa!

O que ocorre com o casal Garotinho é só mais um abuso. Tolos comemoram, acreditam que é "a Justiça pegando peixes graúdos". Não percebem que se trata apenas de VINGANÇA, ou seja, abuso pelo uso do poder para destruir um inimigo, é simples assim.

A sociedade que chega a esse nível, esse abismo moral, ético, existencial, está, literalmente, perdida.

O único antídoto contra o abuso é o comportamento civilizado e hábitos civilizatórios praticados como o senso comum pelo conjunto dos cidadãos. A primeira e mais essencial FONTE desses hábitos são as instituições de cada país, sempre. Lembrando que a mídia é uma dessas instituições de poder e influência. Eis o nosso câncer, o nosso tumor, a nossa ferida: das instituições - e suas entidades de classe... - partem os maiores abusos, os mais hediondos. O caso do reitor Cancellier está aí, provando que ninguém está a salvo da barbárie, da selvageria, do abuso pelas mãos dos agentes que deveriam justamente dos abusos, nos proteger.

Enquanto formos esse país fraturado pelo obscurantismo, os fanatismos, os ódios, que determinam no coração das pessoas "quem merece o respeito e o Direito" e "quem não merece", chafurdaremos nesse pântano da selvagerias sem limites, sem controle, sem pudor algum.

O deplorável massacre a Garotinho é só mais um triste e vergonhoso capítulo do mundo-matrix que nos transformamos, o país das farsas, da barbárie, das covardias inomináveis, dos abusos sem fim...

Eduardo Ramos
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.