18 de dez de 2017

‘Não é razoável crer no mantra fácil dos governistas’

‘Faltam ideias originais’, diz Luís Costa Pinto


Em que creem os que creem? (*)

Aécio Neves, que é um desqualificado e por isso perdeu o direito de ter o nome precedido da designação de mandato que o povo de Minas Gerais lhe concedeu em 2010, jamais se livrará da culpa original. Foi ele quem iniciou e viabilizou a sucessão de ousadias que terminaram por golpear as instituições republicanas. O ano de 2017 chega ao fim sob densa neblina, jamais vista desde a redemocratização em janeiro de 1985. Por ironia da História, o avô do malsinado Aécio era há 33 anos o fiel depositário da esperança e da reconstrução do Brasil. Hoje, onde havia fé, há cacos e destroços.

No apagar das luzes do ano legislativo, quadra vergonhosa repleta de retrocessos e de violenta caçada a direitos individuais e coletivos, Michel Temer instalou no Palácio do Planalto o sinistro Carlos Marun. Tem shape de tenor, voz de barítono e propensões a clown de palácio inglês. Lugar-tenente do encarcerado Eduardo Cunha, facínora que idealizou o roteiro do golpe parlamentar de 2016 consumado com prazer e auxílio capital de Neves, o deputado Marun concluiu ser impossível reeleger-se deputado por Mato Grosso. Logo, curtirá temporada de um ano em regime aberto no Palácio do Planalto com licença para celebrar alianças vis em busca de votos de deputados e senadores e liberado para arrebentar os traidores do credo palaciano.

Mas, afinal, qual a fé do Planalto?

Em que creem os que creem ser verdade as platitudes quase obscenas, de tão pueris, saídas da boca dos porta-vozes do discurso oficial?

Aécio, considerado pelo Ministério Público uma espécie de sócio de Temer no achaque a Joesley Batista, da JBS (aqui, no hiperlink, resumo didático feito pelo site de Exame sobre o caso), e Marun, obreiro de Eduardo Cunha nas chantagens que levaram ao impeachment, são correia de transmissão das mensagens do governo ao Congresso. Qual o plano, afinal?

O ano termina sem que se admita viabilidade política para a aprovação da reforma da Previdência – não porque o país não precise mudar as regras da aposentadoria de seus cidadãos, mas porque não há credibilidade nenhuma na camarilha encastelada no poder para liderar debate de tamanha complexidade e envergadura.

No fim de semana, notas dispersas em colunas da velha mídia impressa diziam que Elsinho Mouco, competente alfaiate de ofício convertido em responsável pelo marketing de Temer, o mais malquisto e malvisto ocupante do Planalto em todos os tempos, instalará um placar eletrônico na Esplanada dos Ministérios a ser chamado de “empregômetro”. Elsinho entregará assim às gigantescas hordas de insatisfeitos um alvo a ser atacado. Sê-lo-á: registrem a aposta. Como bom alfaiate em sua primeira encarnação profissional, o publicitário sabe que nem sempre a camisa de melhor caimento no freguês é aquela cujo corte foi objeto do desejo. Cairá melhor a roupa cortada sob medida para cada momento, simples assim.

Talvez embalado na crença de ser verdadeira e honesta a esperança do ministro Henrique Meirelles, para quem o Brasil crescerá acima de 3% do PIB em 2018 e reduzirá o número absoluto de desempregados a 7 milhões (hoje esse total tangencia 13 milhões), o Mouco poderá perpetuar o nome no desabonador rol dos publicitários oficiais como criador do maior totem de “marketing reverso” da literatura política brasileira. É aconselhável que ouça opiniões diversas, análises diferentes, mais descrentes.

Não é razoável crer no mantra fácil dos governistas, que o repetem a fim de transformá-lo em evangelho. Faltam ideias originais, análises acuradas, espírito público e foco na contemporaneidade naquelas almas que penam em busca dos aplausos perdidos e perseguem a porta de entrada na História. Em Brasília, desconhecem eles, essas portas são giratórias.

É um desalento percorrer as ruas da capital da República nesse fim de ano: há moscas e miséria por todo lado. O mormaço da desesperança se reproduz por todo o país, basta que saia às ruas.

As moscas chegaram tardiamente a Brasília, posto que a chuva desse ano demorou a cair. Em geral, as larvas eclodem em novembro. Esse ano, a eclosão auxiliada pela umidade coincidiu com os cestos mais fornidos nos depósitos de lixo da cidade, em razão dos restos de confraternizações de Natal. Os insetos, assim, disputam os rejeitos com as hordas de miseráveis que chafurdam em busca de algo para comer – há 20 anos não se via tantas pessoas com tamanha avidez em busca de restos de alimentos nos lixos brasilienses. A miséria voltou, e é palpável.

Moscas e miseráveis parecem conferir contornos de metáfora trágica à ascensão de Carlos Marun ao posto de garçom das carcaças do Estado brasileiro nesse fim de festa de uma turma que confraterniza retalhando o que era público. Mascaram o desmonte nacional com discursos implausíveis.

Há fome nas ruas. Cidadãos que haviam ascendido nos estratos sociais, entre 1995 e 2011, e surfado na onda da estabilidade política e econômica, já não podem mais abastecer o automóvel familiar comprado às custas de sacrifício e exposto com orgulho como prova material daquela ascensão: o preço dos combustíveis aniquila a classe média.

Há uma epidemia de meios-empregos – a mudança nas leis trabalhistas, com a revogação da CLT pela “reforma” de 2017, faz com que ocorra redução salarial vertiginosa em muitos lares nesse fim de ano e traz perspectivas devastadoras para 2018.

O botijão de gás de cozinha atinge preços alarmantes e em cidades como São Paulo, Belo Horizonte e Recife já se verifica regresso ao uso de fogões a lenha (e a gravetos colhidos em quintais e praças públicas). No Recife, o atendimento a queimados aumentou 60% no Hospital da Restauração, onde se localiza a maior emergência pública do Nordeste. A grande maioria desses queimados acidentou-se no manuseio de fogareiros artesanais ou na manipulação de botijões abastecidos clandestinamente.

O deficit habitacional brasileiro voltou a crescer depois de uma década. Há famílias migrando de casas para a soleira de viadutos. Há fome, enfim.

No último sábado, 16 de dezembro, o jornal francês Le Monde publicou reportagem flagrando a dissolução da esperança brasileira e comparando-nos à França de “Os Miseráveis” dado o fosso que separa as classes sociais brasileiras. Acerta, o Le Monde. Erra quem fecha os olhos ao que já é perceptível e palpável nas ruas.

Em que creem aqueles que insistem em crer no discurso oficial?

(*) “Em que creem os que não creem” é o título de um livro que registrou a troca de correspondências, de março de 1995 a março de 1996, entre o semiólogo Umberto Eco e o cardeal italiano Carlo Maria Martini. Com largo diapasão ideológico e religioso, os dois travaram um debate dialético sobre os dilemas do mundo moderno e do homem nesse mundo. O diálogo epistolar foi registrado em livro – obra imperdível. O título desse artigo bebe provocativamente nessa fonte.

Luís Costa Pinto
No Poder360

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.