26 de dez de 2017

Na entressafra de notícias, Justiça encena “suplício” de Paulo Maluf

http://www.balaiodokotscho.com.br/2017/12/26/na-entressafra-de-noticias-justica-encena-suplicio-de-paulo-maluf/

“Aqui se faz, aqui se paga”, comemoraram os adversários mais antigos, que acompanharam as roubalheiras de Paulo Maluf nas últimas décadas.

Faltou acrescentar: desde que não seja tucano nem amigo do Gilmar.

Embora o tenha combatido e sido por ele processado, e o vencido na Justiça, quando ele era governador de São Paulo, no século passado, não vejo sentido em mandar Maluf para a Papuda a esta altura do campeonato.

Para quê? Certamente não será para regenerar e reeducar o condenado, além de puni-lo pelo conjunto da obra.

Aos 86 anos, arrastando-se de um lado para outro apoiado numa bengala e com a ajuda de policiais, o ex-governador paulista tornou-se um símbolo da velha corrupção do patrimonialismo brasileiro em que o público e o privado se encontram nas mesmas contas bancárias.

Todo mundo sabe que, mais dia menos dia, com perícias e laudos médicos, Maluf estará de volta à sua mansão da rua Cuba, nos Jardins paulistanos, acompanhado da melhor adega da cidade - se possível, a tempo de estourar champanhe neste Ano Novo que está custando tanto a chegar.

Disposta a não sair das manchetes nesta entressafra de notícias, para mostrar quem manda aqui, a Justiça continua ocupando as manchetes com a extemporânea prisão do octogenário.

Bom ator, Maluf tem colaborado na encenação do martírio natalino na prisão, com a ajuda do advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que se tornou seu porta-voz nas visitas diárias que faz a ele no presídio.

“A vida de Maluf na cadeia é um suplício”, disse Kakay no dia de Natal, ao lembrar diariamente todas as doenças do seu cliente, que precisa da ajuda dos companheiros de cela para se levantar da cama.

O advogado também relata como Maluf dormiu, o que lhe serviram de comida, o seu inconformismo com a inesperada ida para a Papuda e todas as mazelas comuns aos presos.

Em termos políticos, a prisão do inspirador do verbo “malufar” não muda nada, a não ser a volta aos jornais daquela fatídica foto de Lula se abraçando com ele nos jardins da famosa mansão para pedir apoio a Fernando Haddad na eleição municipal de 2012.

Com algum atraso, o ex-presidente diz agora que se arrependeu de posar para a foto, mas isso também não muda nada.

Preso só agora por crimes que cometeu há mais de 20 anos, graças ao foro privilegiado de deputado federal e uma plêiade de bons advogados, Maluf deve estar pensando na coincidência de ter ido em cana no mesmo dia que seu parceiro José Maria Marin, que o substituiu no governo do Estado, ambos filhotes da ditadura militar, que alguns ainda querem de volta justamente para combater a corrupção.

De um jeito ou de outro, o Brasil antigo está saindo de cena, sem que se possa saber o que virá em seu lugar.

Poderá ser até muito pior,  se Lula for impedido pela Justiça de disputar a eleição e Jair Bolsonaro continuar pontificando como o único anti-Lula viável nas urnas até aqui.

E assim, melancolicamente, com as imagens da decrepitude de Paulo Maluf, vamos chegando ao final de 2017, mais voltados ao passado do que para o futuro.

Ricardo Kotscho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.