21 de dez de 2017

“Ele se salvou de perder o posto de capitão por causa de um general amigo dele”

O que o ex-ministro da ditadura Jarbas Passarinho pensava de Bolsonaro

Jarbas Passarinho: “Nunca pude suportar Jair Bolsonaro”
Eu já escrevi aqui sobre o desprezo que o general Ernesto Geisel nutria por Jair Bolsonaro, “um mau militar” e “fora do controle”.

Bolsonaro se auto outorgou o papel de herdeiro do regime, atendendo aos anseios de alguns milhares de analfabetos funcionais e fascistas que acreditam que o Brasil emanou leite e maná do chão entre 1964 e 1985.

O “capitão” era considerado um “bunda suja” no Exército — a maneira carinhosa com que os oficiais graduados tratavam os militares que não faziam carreira.

Além de Geisel, Bolsonaro causava asco a outra figura emblemática daqueles tempos: Jarbas Passarinho, tenente coronel que foi governador, senador e ministro do regime, além de signatário do AI 5 (“Às favas, senhor presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência”, foram suas imortais palavras no momento da assinatura).

Morreu em 2016, aos 96 anos. Numa entrevista de 2011 para o site Terra Magazine, Passarinho falou de Jair, então às voltas com a polêmica em torno de suas declarações no CQC sobre a cantora Preta Gil.

Ele descreveu o colega de armas. “Ah, esse homem eu nunca pude suportar!”, afirmou. Transcrevo alguns trechos:

Já tive com ele aborrecimentos sérios. Ele é um radical e eu não suporto radicais, inclusive os radicais da direita. Eu não suportava os radicais da esquerda e não suporto os da direita. Pior ainda os da direita, porque só me lembram o livrinho da Simone de Beauvoir sobre “O pensamento de direita, hoje”: “O pensamento da direita é um só: o medo”. O medo de perder privilégios.

(…)

Ele irrita muito os militares também, porque quando está em campanha, em vez de ele ir ao Clube Militar, como oficial, ele vai pernoitar no alojamento dos sargentos (risos). Pra ganhar a popularidade dele. Quando eu fui ministro da Justiça, recebi a visita de uma viúva de um brigadeiro de quatro estrelas. Ela era pensionista, portanto. Sabe que a pensão dela, naquela ocasião, no governo Collor, era o que um cabo recebia na ativa? O Collor me autorizou a tentar fazer uma modificação daquilo, pra ter pelo menos um pouco mais de dignidade. Ele (Bolsonaro) me viu fazendo isso. Ficou calado, veio com a esposa dele lá do Rio (de Janeiro), e em seguida ele foi pra tribuna e deu aquilo como projeto de lei dele. Por aí tu vês qual é a pessoa.

(…)

Foi mau militar, só se salvou de não perder o posto de capitão porque foi salvo por um general que era amigo dele no Superior Tribunal Militar (STM). O ministro (do Exército), que era o Leônidas (Pires Gonçalves), rompeu com esse general por causa disso (em 1986, Bolsonaro liderou um protesto pelo aumento do soldo dos militares). Ele começou a se projetar quando aluno da escola de aperfeiçoamento de capitães. Deu uma entrevista falando dos baixos salários que nós recebíamos.

Bolsonaro faz proselitismo sobre o golpe militar em 2014
Foto de Orlando Britto

(…)

Ele já teve um aborrecimento comigo. Um cadete meu, que depois foi paraquedista e fez parte da luta contra a guerrilha do Araguaia, Lício Maciel, que esteve à morte, uma guerrilheira atirou na boca dele… Quase foi o fim. E o Lício Maciel foi na conversa do Bolsonaro, que o levou para uma sessão (no Congresso). Ele entrou e levou o Lício, que foi na conversa dele e começou a dizer: “(José) Genoíno, você tenha a coragem de dizer aqui na minha frente que foi torturado… Você mente! Você foi preso por mim, pelo meu grupo”. Depois eu soube, por uma mulher da esquerda, que ele (Genoíno) confessou que lá ele não foi torturado, mas depois.

Então, Bolsonaro submeteu esse rapaz a um vexame, porque ele entrou numa sessão do Congresso. Eu escrevi um artigo e mostrei a total imprudência e irresponsabilidade do deputado. Submeter um oficial brilhante, digno, que tinha exercido sua atividade contra a guerrilha sem nunca ter participado de uma violência física, e ao contrário, sofreu, para depois ser expulso de uma sala da maneira vergonhosa como foi!… Ele escreveu para o “Correio Braziliense” me metendo o pau.

Era a primeira vez que ele tinha coragem, depois de tantos atritos. Ele (Bolsonaro) me insultou, dizendo que eu era um escondido da esquerda, um infiltrado, não sei o quê. E mais ofensas de natureza pessoal. O “Correio” não publicou. Ele ficou indignado. Eu não gosto nem de falar sobre ele, porque tudo isso vem à mente.

Kiko Nogueira
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.