17 de dez de 2017

Bolsonaro, o filho e a carta branca pra matar


Quanto mais o fascista Jair Bolsonaro abre a boca na sua pré-campanha presidencial, mais morde a língua. Nesta quinta-feira (14), em visita a Manaus, ele ficou empolgado com os fanáticos que foram recebê-lo no aeroporto e ergueram um boneco inflável de 12 metros em sua homenagem e rosnou do alto de um carro de som: “Se alguns dizem que eu quero dar carta branca para a Polícia Militar matar, eu respondo: Quero, sim”. A declaração causou histeria na plateia, que reagiu aos gritos de “mito, mito”, mas pode resultar em mais um processo contra o deputado federal por estímulo ao ódio e à violência. Temendo os riscos, pouco depois o valentão mais uma vez recuou.

Segundo nota da Folha, “um dia após dizer que daria ‘carta branca’ pra PM matar, o presidenciável e deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) recuou e disse em discurso em Manacapuru (85 km de Manaus) que a autorização será para ele ‘não morrer’. ‘Eu não quero dar carta branca pro policial matar, eu quero dar carta branca pro policial não morrer'". Em entrevista à rádio da cidade, o bravateiro argumentou que “não dá para fazer política de combate à violência, de segurança pública, tendo ao lado os direitos humanos”. Para agradar os ruralistas, famosos por seus métodos violentos contra os trabalhadores rurais, ele também atacou os ambientalistas.

Por enquanto, o pré-candidato da extrema direita só faz discursos pregando o ódio e a violência. Já o seu filho parece se encontrar em outro patamar. Segundo uma notinha postada na revista Época nesta sexta-feira (15), “a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, investiga um dos filhos do deputado Jair Bolsonaro por ameaça de morte. O também deputado Eduardo Bolsonaro foi denunciado por uma integrante da Juventude do PSC, partido dos dois congressistas, à Delegacia da Mulher de Brasília. Ela entregou aos policiais civis cópias de mensagens de texto trocadas por meio de um aplicativo, em que o parlamentar afirma que vai acabar com a vida dela e lhe dirige palavras como ‘otária’, ‘abusada’, ‘vagabunda’ e ‘p...’”.

Altamiro Borges

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.