17 de dez de 2017

As dúvidas sobre a ofensiva das semanais contra Gilmar


Confesso que ainda não entendi totalmente a ofensiva das semanais contra o Ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Do lado da Veja, é evidente que a munição foi fornecida pelos porões da Lava Jato. E é possível entender a motivação da revista, mordendo e assoprando, e tendo de se equilibrar entre recuperar a imagem, depois do desastroso período Eurípides Alcântara, e, ao mesmo tempo, fazer o jogo das fontes.

Um pouco atrás, deu a capa com o advogado Adriano Bretas, o dono da chave do milionário mercado da delação premiada. Agora, a matéria sobre Gilmar.

A dúvida maior é em relação à IstoÉ.

A revista não costuma pensar na construção da imagem editorial. Sempre vive o momento como se não houvesse amanhã.

Nas últimas eleições, acertou o apoio a Aécio Neves. Depois do golpe, acertou com Eliseu Padilha apoio incondicional ao governo Temer. Gilmar é garantia de blindagem de Aécio e Temer. Porque o ataque da IstoÉ, em cima de um caso antigo?

Há uma explicação, mas que deixa a incógnita sobre o patrocinador.

Aparentemente, os patrocinadores entenderam que a defesa intransigente do garantismo, por Gilmar, para os tucanos, acabaria transbordando para Lula,  enfraquecendo a ação claramente persecutória de Sérgio Moro e do TRF4 contra Lula.

Mas quem são os patrocinadores? Aparentemente decidiu realizar prejuízo (imagem do mercado quando o investidor decide vender suas ações na bacia) com Aécio, Serra e demais cadáveres políticos. E jogá-los ao mar com Lula.

A propósito, de fonte bem informada: Antonio Palocci vai dançar com sua tentativa de delação, por alguns motivos óbvios:

A tal história do dinheiro de Kadafi para o PT em 2002 não bate. Se fosse em 1988 ou 1994 ainda teria algum sentido. Mas em 2002 o PT estava com caixa garantido e já tinha caído a ficha sobre Kadafi. Palocci não terá como apresentar provas.

Depois de 158 acordos de colaboração premiada, a Lava Jato arrisca-se a não ter ninguém preso. Soltar Palocci seria um tiro a mais no pé.

Luís Nassif
No GGN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.