23 de nov de 2017

Secretaria do Tesouro Nacional mostra: Sartori é mentiroso ou “botou os pés pelas mãos”

Ou Sartori colocou os pés pelas mãos ou é muito sem vergonha. Vendo seu passado,
a época do Brito, é possível achar que é as duas coisas.
A Secretaria do Tesouro Nacional disse que o RS gasta menos que 70% do que arrecada, com Pessoal, amortização da dívida e juros, o que não permite adesão ao “Regime de Recuperação Fiscal”, argumento que Sartori usava para querer entregar todas as Estatais e até os prédios públicos a iniciativa privada a troco de banana. Dizem as regras para o tal “Regime” que o estado pode aderir se estiver com seu orçamento muito estourado e…

“…o somatório das suas despesas com pessoal, juros e amortizações seja igual ou maior que 70% da RCL e o valor total de obrigações seja superior às disponibilidades de caixa…”

Deu pra entender a maracutaia? Sartori esta enganando o povo ao dizer que não tem dinheiro e sacaneando de forma vergonhosa os servidores, ao parcelar salários. Então, não há por que vender Estatais. É só o Sartori governar, coisa que ele não fez até agora, pois sõ estava preocupado em entregar o Patrimônio publico a iniciativa privada. Chega de mentiras . Leia isto melhor explicado no Artigo do SUL21:

Tesouro Nacional diz que RS não cumpre requisito para aderir ao Regime de Recuperação Fiscal

A Secretaria do Tesouro Nacional emitiu parecer na quarta-feira (22) concluindo que o Rio Grande do Sul não cumpre os requisitos necessários para aderir ao Regime de Recuperação Fiscal. A avaliação é de que o Estado descumpre o requisito que determina que as despesas liquidadas com pessoal, juros e amortizações têm de atingir, no mínimo, 70% da Receita Corrente Líquida.

Na última terça-feira, o governador José Ivo Sartori (PMDB) encaminhou à Assembleia Legislativa o projeto de lei complementar (PLC 249), que autorizaria o Estado a aderir ao Regime de Recuperação Fiscal, que teria como principal medida a suspensão do pagamento da dívida com a União por 36 meses em troca da adoção de uma série de medidas de ajuste fiscal.

O que é o Regime de Recuperação Fiscal

O Regime de Recuperação Fiscal, regulamentado pela Lei Complementar 159/2017, suspende por 36 meses o pagamento da dívida com a União de estados em grave desequilíbrio financeiro, isto é, cuja receita corrente líquida (RCL) anual é menor do que a dívida consolidada ao final do último exercício; o somatório das suas despesas com pessoal, juros e amortizações seja igual ou maior que 70% da RCL e o valor total de obrigações seja superior às disponibilidades de caixa. Além da suspensão temporária da dívida, a RRF permitiria que o Estado retomasse a contratação de empréstimos.

Conjunto de leis exigidas pela União para a adesão de estados ao RRF 
Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional

Em contrapartida, exige que a Assembleia Legislativa aprove uma série de legislações que incluem a proibição de realizar saques em contas de depósitos judiciais; autorização para privatização de estatais; revisão do regime jurídico único dos servidores; autorização para realizar leilões de pagamento; redução de incentivos fiscais de, no mínimo, 10% ao ano; e mudanças no regime de previdência estadual.

Além disso, a LC 159 já impõe uma série de medidas de ajuste fiscal que, em caso de adoção, não precisam passar por aprovação da Assembleia Legislativa. As medidas incluem a proibição de concessão de reajustes a servidores além da revisão anual assegurada pela Constituição Federal; proibição da criação cargos, empregos ou funções; proibição da alterações em planos de carreira que aumentem despesa; proibição de contratação de pessoal que não sejam decorrentes de vacância de cargo efetivo ou vitalício; proibição da realização de concurso público que não seja para reposição de vagas; proibição da criação ou majoração de auxílios, vantagens, bônus, abonos, verbas de representação ou benefícios de qualquer natureza; proibição da criação de despesa obrigatória de caráter continuado; entre outros.

Luíz Müller Blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.