4 de nov de 2017

Olavo de Carvalho montou uma seita com mentiras, orgias e política

Guru
O empresário Carlos Velasco, que atualmente mora em Portugal, foi aluno do guru da extrema-direita Olavo de Carvalho de 26 de agosto de 2009 até dezembro de 2013.

Ele fez o Curso Online de Filosofia (COF) interessado, segundo conta, nos conhecimentos geopolíticos de Olavo.

Ao romper com o mestre, tornou-se seu principal inimigo nas redes sociais. Em suas diatribes, Olavo chamado o ex-pupilo de “veadasco”.

“Testemunhei o início de iniciativas como a venda de souvenirs olavianos, como canecas, e a invenção de coisas como a página Musas Olavettes, com total apoio dele”, relata.

“Olavo é um mitômano, um generalista inculto que inventa teses bombásticas de acordo com a conveniência do momento”.

Em texto para o DCM, Velasco detalha como conheceu o ex-astrólogo, fala da briga e explica como os seguidores do homem que faz a cabeça de Jair Bolsonaro formam uma seita em torno do mestre.

Conheci Olavo em 2003. Estudava a relação entre os grandes monopólios privados e a globalização e ele despertou minha atenção por ser o primeiro “jornalista/filósofo” que abordava o tema em português.

Acompanhei seus artigos e intervenções no programa de áudio “True Outspeak” com o mesmo interesse que tinha por outros jornalistas e investigadores estrangeiros. Mantinha divergências, como em relação ao papel da administração Bush, mas passei a dar maior valor à importância da religião como fundamento da civilização e descobri alguma bibliografia interessante.

No fundo, o que me interessava mais era a sua análise da situação brasileira e suas indicações bibliográficas, apesar de muita dessa bibliografia ser questionável em termos de rigor. Suas observações a respeito do perigo comunista, extrapoladas para o mundo, de certa forma se encaixavam nos meus estudos sobre o balanço militar mundial, ou melhor, forneciam um modelo explicativo satisfatório à luz do que sabia.

Apesar das lacunas no conhecimento histórico, algumas das suas observações eram interessantes e me pareciam corretas, imaginando serem fundamentadas num sólido conhecimento filosófico. Quanto aos “erros”, considerava que havia alguma ingenuidade, especialmente na geopolítica e na leitura do processo histórico, onde o lugar-comum era a regra.

Mas não ligava muito, pois até em pessoas com formação histórica isso é normal. Me correspondi com ele esporadicamente e cheguei a passar indicações bibliográficas que depois o vi utilizar, mas estranhando a falta de referência. Nada demais, pensava.

Motivado pela minha falta de conhecimento em filosofia, e dos tais instrumentos filosóficos que Olavo parecia possuir, decidi me inscrever no COF. Foi em fins 2010 e logo enviei o necrológio (registro de morte antes de uma transição).

Mais tarde me arrependeria, mas jamais suspeitei, vindo de décadas de materialismo, que tinha me deparado com algo bem diverso de um simples grupo de estudos. Quanto ao necrológio, mais tarde ele usaria contra a minha pessoa, lendo-o numa aula com o intuito de me ridicularizar. Até na pior das universidades isso levaria à expulsão.

Após as primeiras aulas, negligenciei o curso. Sendo empresário, não tinha tempo e disposição para as tarefas, que incluíam a transcrição das aulas, e a hora tardia das mesmas, pois vivo em Portugal e o fuso horário é outro. O fato era agravado pela impontualidade do guru. Quase todas as aulas me causavam tédio e sono.

Faltava organização e, excluindo as aulas em que Olavo se debruçava sobre temas da política contemporânea, onde meu interesse acendia justamente por causa das divergências, achava aquilo tedioso e inconclusivo. Nesse contexto, os “cursos suplementares” me levantavam alguma suspeita. Mais tarde entendi que Olavo falava para os iniciados e lançava a isca para os que desejavam ser iniciados na “tradição filosófica”. Quem não a buscava, se desinteressaria.

Também me incomodavam o ambiente de intriga constante, as habituais acusações de infiltração de espiões a serviço de Orlando Fedeli (falecido líder da TFP), que desconhecia e imaginava ser um maluco à Plínio Corrêa de Oliveira (fundador da TFP), e a incapacidade de Olavo lidar com as objeções de alguns alunos.

Pouco depois de me inscrever, fui contatado pelos estudantes residentes em Portugal e se organizou um encontro. Nesse grupo se destaca Mário Chainho, com o qual imaginei ter alguma amizade, e Luís Afonso, amigo de longa data de Olavo que mantinha o blog “Nadando contra a Maré Vermelha”.

Tirando o Mário Chainho, que me escutava com atenção e parecia interessado em aprender, e era bem próximo de Olavo de Carvalho, não hesito em dizer que desprezava os alunos olavianos. Me correspondi com a “nata” do olavismo nas redes sociais e fiquei perplexo ao constatar que muitos eram semi-analfabetos, como no caso de Graça Salgueiro.

Eram todos ignorantes, provincianos e pedantes, e muitos se transformaram em caricaturas do guru, chegando ao ponto de fumarem a mesma marca de cigarro americana. Me destacava naquele meio e, mesmo não sendo um estudante participativo, cheguei a ser citado nas aulas do Olavo por causa de observações enviadas ao guru. Nas tertúlias online iniciadas pelos alunos do COF em Portugal, cheguei a dar aulas de História aos meus colegas. Imaginei que algo de positivo pudesse nascer daí.

A minha estima inicial foi se transformando em desprezo e desconfiança e a evolução política do Brasil e do mundo catalisaram o que era inevitável. Afinal, eu estava em busca de conhecimento e não de um paizinho. Diante de certas questões que lhe punha, despertadas por afirmações que me causavam curiosidade e espanto, notei que o mesmo se esquivava a responder com a desculpa da falta de tempo, mas enquanto isso perdia tempo nas redes sociais discutindo banalidades nos termos mais vulgares.

Comecei a perceber que a idolatria em torno de Olavo não era acidental. O mesmo a incentivava. Testemunhei o início de iniciativas como a venda de souvenirs olavianos, como canecas, e a invenção de coisas como a página “Musas Olavettes”, com total apoio do guru.

Eu, que tinha virado as costas aos estudos na Universidade de Coimbra, sentia vergonha por ter me misturado àquele circo. O culto à personalidade era instigado pelos seus próprios relatos de grandes feitos, cada vez mais suspeitos aos meus olhos.

A título de exemplo, afirmava que certa vez calou centenas de militantes enfurecidos do MST e, noutra ocasião, impediu um assalto com um velho revólver enferrujado que lhe havia sido dado de presente (mais tarde descobri, graças à filha, que o assalto aconteceu, mas ele fingiu que dormia enquanto ela e os “habitantes da casa” o tentavam acordar desesperados sabendo que ele tinha revólver). Já não me encontrava no campo da mera discordância e enxergava desonestidade.

Mas Olavo não se emendava, apesar das advertências que lhe dirigia, e fingia saber do que falava quando abordava História. Para dar um exemplo, certa vez ele apresentou uma tese a respeito dos portugueses, que considerava como um povo covarde (tal e qual os brasileiros) devido ao fato de ter vivido durante muito tempo na incerteza reinante numa terra dividida entre cristãos e muçulmanos.

Para além de ser uma banalidade que prova a falta de conhecimento do que foi o processo de reconquista, e irrealista à luz do que conhecia da história militar portuguesa, a tese era ridícula pois espanhóis viveram nas mesmas circunstâncias e deles Olavo gabava a coragem.

Hoje Olavo afirma o contrário, dizendo que os portugueses são o povo mais corajoso do mundo, o que também é estúpido e pueril. Enfim, Olavo é assim. Um generalista inculto que inventa teses bombásticas de acordo com a conveniência do momento, e não alguém que muda de opinião gradualmente, à medida que suas investigações avançam e falsas imagens vão sendo desfeitas.

Duas coisas me motivaram a confrontar Olavo de Carvalho nas redes sociais, já que ele não respondia as minhas observações em privado. Tomei a priori as suas observações a respeito do professor Dugin como mentor de Vladimir Putin, e dos seus “planos macabros”, como verdadeiras (Dugin é um cientista político russo).

Jamais desconfiei que alguém na posição de Olavo poderia inventar mentiras tão descaradas e aquilo parecia explicar as contradições que descobri na tese da Rússia continuar comunista, ainda que sob uma fachada.

Ao estudar melhor o assunto após a famosa discussão entre os dois (registrada no livro “Os EUA e a nova ordem mundial: um debate entre Alexandre Dugin e Olavo de Carvalho”, de 2012), apesar da minha discordância com o professor Dugin a respeito de geopolítica se manter, concordando com ele fundamentalmente na defesa da multipolaridade, vi que era tudo um exagero grotesco e que Putin o tem apenas como mais uma referência entre várias.

Putin é um estadista e sabe qual é o lugar dos acadêmicos. Fiquei chateado por ter sido feito de tolo e por ter passado desinformação. Por outro lado, a evolução da ingerência na Síria expunha de forma cabal o total desajuste da tese dos “três globalismos” de Olavo de Carvalho, assim como a evolução da situação no Brasil, na qual Olavo teve um papel fundamental, que então estava claramente se encaminhando para uma “primavera”.


Carlos Velasco, ex-aluno de Olavo


Da mesma forma que Olavo mentia sobre a Síria, atribuindo tudo a uma cabala “comunista” e escondendo o papel americano (afirmando ser o Obama um agente do KGB), e o extremismo islamista uma ferramenta a serviço da Rússia, constatei que Olavo fazia o mesmo no Brasil. Via a situação no terreno e para mim era preocupante o que acontecia, e os sinais de ingerência e polarização induzida a partir de fora eram claros. 

Ainda que fosse um crítico feroz da gestão PT, sem com isso deixar de ser crítico feroz das gestões anteriores e das “alternativas”, considerava que o futuro do Brasil passava por uma solução que isolasse tanto as lideranças corrompidas de direita quanto as de esquerda, e não pela formação de massas fanatizadas à direita para se chocarem contra massas fanatizadas à esquerda, como ele defende.

Olavo, como milhares de pessoas devem lembrar, repetia incessantemente coisas como “todos os comunistas são covardes”, “os comunistas são psicopatas perigosos, não são gente”, “todo aquele que manifesta o pensamento revolucionário deveria levar um tiro na cabeça” e “julgamento é coisa de comunista. É por isso que Stalin queria o julgamento dos nazistas, ao contrário de Churchill, que defendia que os mesmos fossem sumariamente fuzilados”.

Eu, que já tinha sido comunista, sabia que isso era uma imbecilidade e pensava comigo próprio: mas como Olavo pode dizer isso se ele próprio já foi comunista? Será que toma a si próprio como modelo do que é um comunista?

Enquanto o guru incitava as pessoas à violência fratricida, desde distância segura, vi os milhares de fanáticos por ele criados muito ativos nas redes sociais e convictos de que estavam numa cruzada. Eles geraram ondas que foram fundamentais para a reação direitista que se seguiu às manifestações de setores da esquerda radical em 2013, onda essa em que Bolsonaro soube surfar, com apoio de Olavo e de muitos nomes de relevo por ele angariados, como Lobão, Danilo Gentili e Joice Hasselmann.

Não seria melhor deixar o governo Dilma, já desgastado, chegar ao fim quando era certo que a oposição venceria as eleições de forma serena? Agora, diante da confusão instalada, estou ainda mais convicto da minha resposta na altura: sim! Quanto a Bolsonaro, que se aproximava cada vez mais de Olavo, constatei que dexou de ser um “político folclórico” graças ao impulso inicial olavista. Até porque Olavo, tido por muitos como um intelectual, foi o primeiro indivíduo com fama de culto a apoiá-lo publicamente, rompendo o isolamento que antes mantinha Bolsonaro no gueto.

Inspirado pelo ensinamento olaviano de que se deve humilhar publicamente um mau professor, decidi fazê-lo nas redes sociais, diante de todos, e me desliguei formalmente do curso, avisando os colegas. Incapaz de me rebater, e sempre mantive um tom elevado, não lhe restou outro recurso a não ser fugir e se proteger por detrás do séquito de fanáticos.

Trata-se de gente radicalizada ao ponto de romper laços com familiares em defesa do guru e disposta a tudo na sua guerra sagrada. Porém, eu não estava preparado para o que viria após essa decisão, e muito menos para o que acabaria descobrindo graças à reação desproporcional da qual fui alvo. Ao mesmo tempo, recebi uma estranha visita surpresa de Luís Afonso, que conhecia Olavo intimamente, que tentou me convencer que Olavo de Carvalho era um vovozinho caipira, sem nenhuma maldade e já um bocado senil, e que a minha reação era excessiva.

Mais tarde descobri que este era um recurso habitual. Só faltou mandar a sua mãe me telefonar. Está tudo documentado no blog Prometheo Liberto, que criei. Sendo assim, farei um resumo dessas descobertas e das conclusões a que cheguei com a colaboração de muitos, especialmente o meu irmão (Jorge Velasco) e Caio Rossi, sem os quais jamais teria compreendido a “filosofia” de Olavo.

Desmascarado nas redes sociais, isso numa altura em que pensava estar prestes a alcançar o zênite da sua carreira (Felipe Moura Brasil lançando o “Mínimo” e sendo contratado pela Veja, manifestações crescentes e aumento da percepção de que o impeachment era inevitável), Olavo de Carvalho partiu para a agressão sem limites, começando por afirmar que eu jamais tinha sido seu aluno.

Provada a sua mentira, depois disso fui acusado de ser agente do PT, satanista, agente do Lyndon la Rouche e, finalmente, agente do KGB. Está tudo no blog Prometheo Liberto. A situação chegou ao ponto de Olavo, apanhado em inúmeras mentiras, ter deitado a própria página abaixo atribuindo isso a um ataque da esquerda, e do episódio ter sido citado pelo deputado Marco Feliciano na Câmara.

Fui difamado no site Mídia sem Máscara por Mário Chainho e Juliana Chainho (Juliana Camargo Rodrigues), que mais tarde vim a saber que tinha sido membro da seita de Waldo Vieira (mineiro que foi parceiro de Chico Xavier). Quanto ao senhor Mário Chainho, que se fazia passar por meu amigo e rompeu todos os vínculos de forma súbita, lembro que foi ele que deu nome ao meu blog, Prometheo Liberto, o que levou Olavo a me acusar de satanismo, e que este possuía um blog chamado “Portas do Inferno”.

Certa vez, numa conversa muito estranha, o mesmo me contou que certas pessoas lhe haviam relatado que tinham uma tara bastante repulsiva: fazer sexo com mulheres grávidas que iriam abortar. Mais tarde, pensei: que situação mais estranha, afinal, quem contaria esse tipo de perversidade a outra pessoa sem haver qualquer tipo de cumplicidade? Nunca achei uma resposta satisfatória para a pergunta, mas não pude deixar de repensar nisso quando li a respeito das acusações de abortos rituais que Olavo fez contra a seita Tradição, da qual foi ele próprio membro.

A desconfiança de que havia algo muito errado com Olavo não parava de aumentar à medida que a memória era revisitada, assim como a convicção de que tudo deveria ser investigado.

Ao princípio, achamos uma série de informações que, mais tarde, descobrimos ser apenas a ponta do iceberg, como a iniciação de Olavo de Carvalho na maçonaria, e decidimos, sabedores de que Olavo era um mitômano, analisar o que Orlando Fedeli havia escrito sobre o mesmo.

Com a ajuda de alguém presente no terreno, colhemos relatos estranhos a respeito do que se havia passado em Curitiba, desde informações a respeito de famílias desfeitas, passando por orgias e casamentos arranjados, isolamento dos membros, casos de loucura e exorcismos, informação que batia com relatos que tinha ouvido do próprio Mário Chainho a respeito das trocas de casais que por lá ocorreram numa conversa em que eu falava da infantilidade e satirismo que notava nas olavettes, e do próprio Olavo, que disse publicamente no True Outspeak que o curso havia sido infiltrado por uma tariqa (tal e qual o seu curso online foi infiltrado por agentes de Orlando Fedeli e eu era um agente do KGB infiltrado).

Ouvi um bizarro relato de alguém, que pediu anonimato, e  afirmou que um médico, conhecido como abortista, todos os anos visitava Olavo na Virgínia e lá ficava durante um mês. É algo bizarro, ainda mais quando Olavo se travestia de campeão na luta contra o aborto.

O  que podemos dizer publicamente por depender apenas de provas documentais ou relatos de pessoas dispostas a vir a público confirmar o que afirmamos, estão no documentário “Adubando o Jardim das Aflições”, e as conclusões a respeito do culto por detrás de tudo estão na série de documentários “Desconstruindo Olavo de Carvalho”, onde não apenas confirmamos algumas coisas que Orlando Fedeli já havia descoberto a respeito do gnosticismo disfarçado de catolicismo de Olavo de Carvalho.

Desvendamos que Olavo, graças à investigação de Caio Rossi, cultua o “Eterno Feminino” sob um “véu mariano”, adaptando os ensinamentos do seu antigo mestre Frithjof Schuon. A ajuda do meu irmão, com seus insights a respeito dos textos em que Olavo aborda a religião e a sua intuição de que tudo aquilo era apenas a capa para uma unificação das lideranças religiosas num nível esotérico, mantendo a diversidade apenas a nível exotérico, foi fundamental.


Felipe Moura Brasil, pupilo de Olavo e ex-colunista da Veja


Caio Rossi testou a tese a todos os níveis, reticente a priori, e acabou desvendando os mistérios desse culto graças aos seus conhecimentos em relação ao perenialismo, e também ao conhecimento obtido in loco durante a fugaz convivência com o clã Carvalho, num trabalho digno de nota.

Quanto à faceta política de Olavo de Carvalho, temos revelado ao público quem o financia e as suas ligações políticas e intelectuais, que incluem bilionários brasileiros, além de intelectuais romenos diretamente ligado a George Soros. Hoje o filho mais velho de Olavo de Carvalho ainda vive na Roménia.

Para terminar, lembro que Olavo, conhecedor da desatenção do grande público e escudado por milhares de fanáticos, assim como por dezenas de iniciados nos mistérios olavianos mais próximos e bem situados, não apenas desvia as atenções nos atribuindo acusações absurdas e descabidas, como tem mudado a sua versão dos fatos que temos revelado.

Um exemplo é o do seu envolvimento com a astrologia. Neste caso, ele sempre negou que tivesse sido astrólogo, afirmando que tinha estudado a astrologia apenas para compreender o simbolismo medieval, mas a partir do momento em que revelamos provas de que realmente foi astrólogo, admitiu o que sempre negou e agora afirma que exerceu a profissão por um curto espaço de tempo, o que também desmentimos.

A desatenção da maioria e a força bruta do olavismo o protegem, assim como a trama de cumplicidade em torno dele, o que inclui até muitos dos seus desafetos.

Certas práticas criam elos que nem a inimizade mais renhida pode romper.

Pedro Zambarda de Araujo
No DCM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com links NÃO serão aceitos.

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente a opinião do blog

Comentários anônimos NÃO serão publicados, como também não serão tolerados spams, insultos, discriminação, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.

É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.